Pular para o conteúdo principal

Algaravia e descontrole

Produção industrial, alimentícia, ideológica: Produção de lixo.
Fibonacci!
Produção humana, tecnológica, capitalista,  construções, megatérios, pontes, poluição, ausência, trabalho, ganhar, acender, apagar. Veleidades!
Ir, voltar, ficar, partir. Evaporar! Poluir: destruir! Voar.
Mentir: sobreviver, sobretudo, sobrepor.
O homem promove a associação e dissociação da matéria a partir de si para ciclos que sustentam a subsistência de todos, a destruição do planeta e a felicidade de uns.
Ignóbeis!
Tomas R. Malthus não foi lembrado. Instintos e satisfação das necessidades fisiológicas dão o mote da modernidade. Apesar do horror de duas guerras mundiais e seu troco às nações os homens fazem filhos tal qual os ratos.
Automóveis, tanques de guerra e aviões servem para fins equivalentes quando seu estômago e seu prazer estão na berlinda. Não tem mais volta: o homem matou o planeta. Hoje vivemos de fantasias e cinzas. Em breve: das cinzas que sobrarão das fantasias.
O fogo não dá apenas a forma a seus bens superestimados, mas a um planeta decadente!
Desertificação, assoreamento, escravidão. Paixões fugazes! Falácias governamentais e empresariais.
Vida em sociedade pede e define o fim da vida no planeta, sem eugenia ou pautado no poder de uma sobre todas "as nações" definham fingindo-se Superiores. Nos resta somente observar sucumbir a verdade, a natureza (qual pariu sua peste mais daninha: a raça humana que para dar certo haveria de não fabricar valores que neguem a vida em equilíbrio com a natureza).

Comentários

  1. Forte... Diria chocante e tocante....
    E o que deixaremos para os nossos filhos?

    Abraços Antônio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esperança e dúvidas, pois ambas na dose certa abrem horizontes!

      Abraço!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Urbanização de São Paulo: Chicago ou Paris?

Em 1878 fundou-se em São Paulo o primeiro sistema de abastecimento de água a Companhia de água e esgoto Cantareira. São Paulo já estava em ebulição, era o destino preferido dos cafeicultores interioranos, também dos imigrantes europeus. 
O processo de urbanização paulistana é uma síntese de contradição copista: os primeiros barros criados para elite indicava europeização da cidade (Campos Elísios, Indianópolis e o próprio Higienópolis que remete a questão da limpeza racial) para clarificar nossa proposição de copistas às avessas havemos de lembrar que diferente do que fizeram os europeus com seus rios São Paulo os matou ou fez com que sumissem embaixo do asfalto (caso Tamanduateí e do riacho Anhangabaú – o primeiro canalizado vergonhosamente sujo e poluído, o segundo sumido da Avenida 9 de julho). Em 1912 inicia-se a canalização do Tamanduateí juntamente com um projeto de aterramento das várzeas deste e do Anhangabaú. Este foi é o primeiro episódio que marca o desastrado urbanismo paul…