Pular para o conteúdo principal

Algaravia e descontrole

Produção industrial, alimentícia, ideológica: Produção de lixo.
Fibonacci!
Produção humana, tecnológica, capitalista,  construções, megatérios, pontes, poluição, ausência, trabalho, ganhar, acender, apagar. Veleidades!
Ir, voltar, ficar, partir. Evaporar! Poluir: destruir! Voar.
Mentir: sobreviver, sobretudo, sobrepor.
O homem promove a associação e dissociação da matéria a partir de si para ciclos que sustentam a subsistência de todos, a destruição do planeta e a felicidade de uns.
Ignóbeis!
Tomas R. Malthus não foi lembrado. Instintos e satisfação das necessidades fisiológicas dão o mote da modernidade. Apesar do horror de duas guerras mundiais e seu troco às nações os homens fazem filhos tal qual os ratos.
Automóveis, tanques de guerra e aviões servem para fins equivalentes quando seu estômago e seu prazer estão na berlinda. Não tem mais volta: o homem matou o planeta. Hoje vivemos de fantasias e cinzas. Em breve: das cinzas que sobrarão das fantasias.
O fogo não dá apenas a forma a seus bens superestimados, mas a um planeta decadente!
Desertificação, assoreamento, escravidão. Paixões fugazes! Falácias governamentais e empresariais.
Vida em sociedade pede e define o fim da vida no planeta, sem eugenia ou pautado no poder de uma sobre todas "as nações" definham fingindo-se Superiores. Nos resta somente observar sucumbir a verdade, a natureza (qual pariu sua peste mais daninha: a raça humana que para dar certo haveria de não fabricar valores que neguem a vida em equilíbrio com a natureza).

Comentários

  1. Forte... Diria chocante e tocante....
    E o que deixaremos para os nossos filhos?

    Abraços Antônio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esperança e dúvidas, pois ambas na dose certa abrem horizontes!

      Abraço!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Sartre: o filósofo do nada e da decisão.

Entre as frases mais conhecidas de Sartre está a que diz que “o homem está condenado a ser livre”. Para este filosofo só o egoísmo nos explica. Não o egoísmo de Adam Smith, mas talvez se aproximasse do egoísmo hobesiano não houvesse uma distinção clara entre indivíduo e Estado respectivamente.
É através de uma necessidade egoísta que temos a obrigação de escolher “ou não” (que também é uma escolha, isto é, escolho não escolher). É ai que nasce sua certeza de que existe liberdade na ação do homem independente do seu tipo de escolha: se ação ou inação. Segundo seu pensamento o poder da decisão não é determinado pelas circunstâncias. Se assim fosse teríamos de imaginar que um mundo perfeito deveria existir com circunstancias estritamente agradáveis e imutáveis. Isso é impossível por ser um antimundo, um mundo da ideia, um mundo ilusório. Sua crítica existencialista o obriga a defender a inexistência do divino sobre o homem. Pensamento este que o aproxima de Feuerbach no sentido de dizer que…