Pular para o conteúdo principal

Morte aos ídolos!



     A idolatria se confunde com a história da humanidade independente do lugar, fim social ou época. Isso já é saber de todos principalmente dos sujeitos que estão fartos desse vício no erro, isto é, o autodesapego ou medo, a projeção no espectro de uma veleidade ou a inveja icária do inadmissível, a transmigração do desejo ou a insatisfação consigo terminam por fundar os elementos de construção dos ídolos. Devem existir outras tantas dezenas de antíteses que conflagrem esse desastre do pensamento, mas não nos cabe nem seria inteligível enumera-los por isso fiquemos no plausível. Neste contexto é fato que o "ídolo" seja para muitos o alimento do corpo etéreo¹: o anelo da "alma" projetado num ser real ou imaginário. 
     O corpo etéreo ou alma (nada mais que pensamento) tem características não sensíveis que dependem do corpo físico, mas somente quando estão dissecados por conceitos dogmatizados. Contrário disso amalgamados não teme o além; reconhecem a capacidade comum ao humano; despreza qualquer tipo de adulação; sejam a cantores, atores, políticos, clérigos, músicos, patrões nossos de todos os dias e afins; busca entender as ideias tal como um escultor lapida sua obra. Note que quem tem estes elementos (ídolos) como fim não irá além de sua meta que é estar próximo daquilo ou no máximo ser aquilo. 

     A liberdade mental está na filáucia equilibrada num nível que não pretenda soberba nem solipsismo, no momento da autoconfiança sem recorrência alhures consolos fantástico. Àqueles que se desintegraram da rocha há mais de um século agora negam a metáfora do camelo e da agulha, daqueles que sabem dizer o caminho, mas não sabem ir... Dos que dizem que tudo vai dar certo se for por aqui... Não existe caminho certo ou errado. Existem vivências que só serão plenas sem idolatria. Negar as diversas formas de idolatrias e sugerir um caminho qualquer não é honesto, sigamos apenas o mensurável. Idiolatria que o inverso da idolatria é outra tolice às avessas: cuidado! Podes vir a ser um pelego dos modismos a praticar mimeses; cacoetes modais enobrecidos pela práxis convencionalmente lucrativa para uns (ou um em cada nove).
    Não existe melhor viver que um viver sem culpa, sem penitências, sem medos, sem apego tosco a indivíduos boçais que se pretendem virtuosos - ou - feitos por terminologias miraculosas frutos de inspirações espetaculares de coetâneos ou distantes. Ou ainda produtos midiáticos da atualidade. Para um "viver bem" afaste de seus pensamentos os ídolos. Eles não ressuscitarão. EU VI! Eles só nos servem mortos, Nos servem na condição de inúteis. E isso não é nada iconoclasta. Isso é uma vontade de socialização das capacidades humanas libertas de trocas, submissão ou pressão. Enfim, estou bem! Eles não estão aqui... Estão todos mortos em mim e por mim obliterados!
 _____________________________________________________________
     Nota:
        1. Corpo etéreo e alma são apenas sínteses do nosso pensamento. Mais uma resposta totemista que buscamos em nós (considere Claude Lévi-Strauss) - uma base de identificação a fim de nos assegurar de nossa razão. Para não deitarmos achando que somos o que queríamos ou não "ser." Num propósito mais estranho diria: para que se sonharmos que somos Napoleão Bonaparte não acordamos, um dia, satisfeitos em ser o seu cavalo.

Comentários

  1. Pra variar, tive que me valer do Houaiss pra ler a sua crônica sobre os ídolos. rs... não sou tão boa Pedagoga como vc. Gosto da liberdade com que escreve. E que liberdade! É como se vivesse em outro planeta. Se eu concordo? Bem, penso que líderes, (esses que a mídia ou a juventude de hj elegeu) em nada contribui ao menos, se contribuisse... seria válido para uma boa influência, enfim. Mas, ocorre o inverso. Quanto a liberdade (pra pensar, ok), no palpável, creio que tudo pode ter um limite. Alma não é só um pensamento, ela é real, rs... quanto ao resto concordo sim... Os ídolos de nada servem...

    ResponderExcluir
  2. Revisitei este texto mais uma vez... Parece que a cada dia somos um... Não que tenha mudado minha forma de pensar, mas me parece que hoje não teria ânimo para para ser tão duro quanto pareço ter sido. Penso que a idade atenue nossa iracividade e passemos a tolerar tudo que achamos ser maledicências dos outros. Sabe lá...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Urbanização de São Paulo: Chicago ou Paris?

Em 1878 fundou-se em São Paulo o primeiro sistema de abastecimento de água a Companhia de água e esgoto Cantareira. São Paulo já estava em ebulição, era o destino preferido dos cafeicultores interioranos, também dos imigrantes europeus. 
O processo de urbanização paulistana é uma síntese de contradição copista: os primeiros barros criados para elite indicava europeização da cidade (Campos Elísios, Indianópolis e o próprio Higienópolis que remete a questão da limpeza racial) para clarificar nossa proposição de copistas às avessas havemos de lembrar que diferente do que fizeram os europeus com seus rios São Paulo os matou ou fez com que sumissem embaixo do asfalto (caso Tamanduateí e do riacho Anhangabaú – o primeiro canalizado vergonhosamente sujo e poluído, o segundo sumido da Avenida 9 de julho). Em 1912 inicia-se a canalização do Tamanduateí juntamente com um projeto de aterramento das várzeas deste e do Anhangabaú. Este foi é o primeiro episódio que marca o desastrado urbanismo paul…