Pular para o conteúdo principal

Carta de Prometeu.




Cidade de Santa Imbecilidade, 30 de setembro de 2011.

Tok - tok - tok - tak - tok tak......
A cada dois minutos e vinte e três segundos a cena se repete nas estações de embarque: Um grupo sobe, uma vaga desce;  nas escadas ou corredores dar-se o enfrentamento diário - parece começar ali a luta pelo emprego, Alguns perpassam com tamanha sobriedade que intimamente nos faz questionar: onde estão os hipócritas, os usurentos, os pelegos, os falsos santos? O segredo das bocas, olhares que fogem uns dos outros, faces carregadas, o espasmado sigilo dos lábios dá tom de templo às estações - nada difere, pois são essas figuras que lá se encontram para curar-se do tédio e da monotonia da vida em sociedade carregado de protocolos.
Este segredo é quebrado por estalos dos saltos femininos e pelo constante pianista voluntário junto aos bloqueios; quis parar, ouvir uma interpretação de Nicolai Korsakov dia desses, mas o dever me arrastava. De lado o solo dissonante (calçados e piano) sobra o silêncio aterrador das faces soberbas certas de que tem algo muito importante a realizar nesse dia igual ao de ontem e nada diferente de amanhã ao menos pelos próximos 30 anos (tempo médio para aposentar e morrer).
Seguem se trilhas, o ir e vir, movimentos ritualizados, momices que assemelham a um arrebatamento, ausência,  ou simplesmente empáfia, não se sebe o que há sob a tez enervada e rígida do proletariado.
Esta conjuntura me lembra de duas situações do campo. I - a vida das formigas que trilham caminhos infinitos com determinação equivalentes a dos leões, determinadas - nada pode detê-las; II - a lida com o gado, a forma com que as pessoas caminham, a determinação no passo a cada instante mais firme, a capacidade de manter-se distante um do outro como que em estado alheamento, sem, contudo debandar da circunferência; essa é a condição do gado.
Nas estações de embarque ficamos muito parecidos estes dois elementos da natureza, mais próximos do vacum por conta da incapacidade de reordenação, do vício autômato em transferir a responsabilidade para quem a queira; quanto as formigas no sentido do amplexo as atribuições: o humanóide trabalhador da cidade grande sabe seu papel e usa de habilidades inimagináveis para realizar suas tarefas. Diga-se de passagem, acho que as formigas são tayloristas ao extremo, acho também que poderíamos chamar o taylorismo de “formiguismo”. Outra situação que nos faz sentir um vacum nas estações de embarque são as cercas, os corredores e os empurrões que nos colocam na outra lateral do carro ao tempo de dois movimentos (involuntários claro) de um pitosga.
Tudo lembra a vida na roça, o problema é que aqui faço parte da manada e não a comando.
Rumamos em horários sistematicamente definidos, nos portamos (e temos de nos portar) obedecendo a estereótipos fabricados pelo taylorismo e outros "ismos". `Parece efeito extensivo do que se aprende no trabalho; nos corredores das estações já ensaiamos a ação dos principais métodos de Taylor: Evitar comportamento supérfluo, não desperdiçar tempo e aumentar a produtividade (andar rápido), entre outros; tais conceitos tomam conta da mente assim que encontramo-nos nas estações como tropel, não se tem mais nada na cabeça a não ser não chegar atrasado e evitar a cara torcida do gerente que também ensinado por Taylor julga-se, realmente, superior em todos os aspectos. Este não compreende a semelhança das relações humanas ao plexo e a partir disso a vantagem fabricada por circunstâncias diversas sua posição (Se for gerente e não entender de imediato esta frase abandone o cargo vá para a linha de produção).
A ausência, a incompreensão da realidade se dá (às vezes) pela vida inteira dos indivíduos. Os sintomas que apontam à inexistência  de autonomia mental passam, entre outras, por consumismo, modismos, peleguismo e novas variantes de 'ismos".
Para atenuar os efeitos dessa concepção que, inevitavelmente, tem limitado os indivíduos inclusive em suas relações interpessoais surgiram paradigmas alicerçados em correntes psicológicas humanistas bem aceitas pelo empresariado, pois um funcionário feliz rende mais... Esse Ieieieiê não ajuda se o proletariado entender as frias intenções colocadas na base do estímulo - reposta; para os que não entendem... "tudo é lindo e vivas ao capitalismo"!
A tenção dos estalões é minimizar a mecanização da mente.
Constantemente alicerçada em peças mercadológicas de igualdade social para convencer o empregado que seu feito é motivo para alegria, pois vives cidadão na conquista de plenos direitos; tem um emprego, deve ser  e estar bem a partir disso e se não o tem deves te preparar com dezenas de diplomas, pois o mercado é exigente; basta ceder aos movimentos dos fabricantes dos títeres.
Além disso, temos três grandes movimentos agressivos e daninhos a autonomia dos sujeitos que de fato são os fabricantes das marionetes sociais; naturalizados parecem o melhor caminho: O primeiro o Estado e seu positivismo economicista; o segundo os livros de auto ajuda com sua dubiedade, proposições não se sabe se materiais ou celestiais; o último alimentado das ideias de Taylor[1], carregado do positivismo estatal e dúbio como a insuficiência dos professores do sorriso fácil (ou "falso": profissional da auto ajuda): É o positivismo empregatício defendido no canal oficioso como mais um reality show.
Essas mentalidades são apoiadas em várias vertentes sociais fixadas no ideal de homem e sociedade produtiva maquilada na pecha invisível (ou visível a poucos) homem serviçal do Estado.
A questão colocada é: se nós somos o Estado temos de entregar nossa mente também e para quê? Para que em seguida tenhamos de suplicar seus favores? Novamente a concentração das vantagens conturbando o bem que não é comum.
Do taylorismo mascarado em outras formas de se dizer que “renda mais” os indivíduos da atualidade soçobram na idiolatria ou na idolatria, a segunda é mais frequente, isto é, a primeira é para os ricos a outra é para os pobres que presos a obediência pouco reflete sobre si e sua condição de construtor de riquezas alheias.
Noutra ponta o Estado se diz laico, mas serve-se muito bem das limitações gerenciadas pela idolatria. Adora-se de deuses diversos a times de futebol – estes têm o Estado como principal patrocinador, logo a máquina estatal aproveita-se da bolha de ignorância em que permanecem esses grupos.
O campo de visão do fanático são as eventualidades de sua causa maior: Sua fé no sobre natural ou no heroísmo dos 12 gladiadores numa arena indo e voltando atrás de bolas e centenas de dinheiros buscando o estrelato, meteórico quase sempre (felizmente!) e dando mote a uma população absorta e estática.
Diante do positivismo estatal penso que Vespasiano ainda está entre nós (daí um bom tributo para que tenhas alegrias: pão e circo para todos). Esta é a função do Estado fazer com que funcione a engrenagem e às vezes somente deixar funcionar para que todos se sintam bem. Os que ganham, os que querem ganhar e os que pensam que estão ganhando, todos embevecidos dos seus próprios desejos caminham bem combinados pela vida.
Para os indivíduos que não se enquadram em nenhum tipo de fanatismo são oferecidos em prateleiras suspeitas (a baixo custo) livros de autoajuda – todos de conteúdos ambíguos: um cruzamento de um bom samaritano com uma patricinha emergente, isto a bondade e a vontade de ficarem ricos – amalgamados. O resultado é algo monstrengo, um ser com duas faces, indeciso, não sabe se esfola ou ama o próximo.
Certo dia a pedido de uma amiga que sabe de minha aversão a livros deste caráter e tenta me convencer do contrário li duas páginas: piorou. Augusto Curi. Um nome da moda deste balaio dizia horrores sobre como portasse para conquistar a felicidade interior e em seguida a material. É pura contradição: diz ser acadêmico, mas confronta sua formação com religião e coloca a ciência em xeque diante da fé. Deveria ser apóstolo; mas não pode ser apostolo porque defende a busca da boa aventurança fazendo um silogismo tosco onde o caminho seria a resignação, a entrega e consequentemente as conquistas, principalmente as materiais, vislumbradas em narrações alegóricas; também não deveria dizer-se acadêmico, subjuga sua formação não deviria gabar-se dela: É confuso. Esquece ou não sabe que a ciência não compete com a fé para justificar-se. Dá receitas diversas de felicidades, mas não conta sua rotina nos livrecos oníricos, pois não segue, nem vive o que prega, sua fala falsifica antigos numes (santos). Ocorre-me que estes elementos são outros tipos de proselitistas que dizem o que seu povo quer ouvir no intuito de “faturar o seu” e que tais leituras podem servir bem a analfabetos funcionais que pouco querem ou podem refletir sobre o que foi dito, porém esta é só uma das bases que mantém os operários longe dos questionamentos complexos e inserido no condicionamento vacum. Poderia escrever sobre a emancipação política do indivíduo, sobre o ocaso do planeta, não deve ser capaz, talvez não venda tanto...
O positivismo empregatício alardeado pela mídia e pelo Estado é outra base. Temos sempre um Mestre – estrela do canal oficioso – na verdade o canal oficioso forma o monopólio ideológico para atingir o povo de cá de Santa Imbecilidade. Nisto  Max Gehringer é o alter ego do patronato. Suas ideias produzem bonecos melíficos para responderem as dinâmicas no momento da seleção de emprego. Quando este faz suas aparições todos ficam atentos; usam seus famosos vídeos em empresas para dizer ao funcionário o que deve fazer para “ser feliz” ali, pois suas ideias são infalíveis. Excelente conselheiro condiciona o sujeito da entrevista às decisões a tomar no dia a dia - se fica ou numa na empresa. Na prática o que se ensina são respostas hipócritas a seres autômatos completos da falsidade exigida nas relações de trabalho. Não podemos obliterar o apoio sindical que cria contribuições mil esfacelando ainda mais o "salário micro" alegando defesa do trabalhador, vai saber...
Preferir as ideias de Marx, Althusser (a tradução mais completa e controversa do marxismo) ou Nicolau Maquiavel (discordo de nada que ele diz, mas vejo as lideranças o assimilam como doutrina) denota não gostar do "jogo de faz de contas" das relações trabalhistas - constantemente impregnadas dos três padrões de positivismo (citados aqui) qual dão base ao modelo atual - não agrada. Ler Maquiavel o livro do patrão e rejeitar Max Gehringer criador do manual do empregado, não entender Augusto Curi ou Paulo Coelho para ser um truão bem executado, deixar a realidade de lado e viver seu onirismo estólido numa sociedade (pré-moldada) viciada na vantagem - significa estar fora da bolha da felicidade. Onde esquecemos que a divisão de classes pauta-se nas relações fundadas a partir do trabalho e todos fingem que estão se ajudando, porém na verdade é mais um jogo - o jogo da realidade: o  da exploração.
O diferencial desta sociedade é que não é tanto estamental como as anteriores, no entanto apenas refinou seu modelo de suprimir o outro com requinte fazendo o indivíduo pensar-se governo de suas causas.
Para que digo isso? Quem quer saber de ontologia?
Essa rendição ao positivismo da exação, empregatício ou da auto ajuda seria impraticável para um socialista-verde que não considera nenhum ser superior ao outro e entende que na pretensão de superioridade nasçam as ignominiosas (por que eles dizem saber dum caminho melhor que o seu, quem os guiou?); também o apego inútil a bens materiais projetores de poder nada vale se a consciência não está leve. Todo "ter" é inútil se os semelhantes não usufruírem também. Para um socialista o materialismo dialético é o melhor caleidoscópio e seu único sentido é o bem comum.
De onde vem esse encanto positivista que dá mote a um mundo calhorda que não desiste de sua utopia e torna utopia o que é simples o que é humilde o que é justo? Mas o que é simples, humilde e justo?
Bom! É hora: Ouvir o tok tok dos sapatos e saltos no piso das estações, entrar nos corredores, ser empurrado, assistir o desenvolvimento das ideias dos positivistas, zombar os mandamentos dos pelegos, rir e lamentar tanta alienação, lembrar de teóricos e escrever para um amigo imaginário marciano e comunista até que surjam novas realidades herculanas.

Abraço

Prometeu n° 12031973



[1] Frederick Winlow Taylor (1856 - 1915).
[2] Augusto Curi, Paulo Coelho, Max Gehringer. Figuras da moda na sociedade do consumo para ser feliz: Livros de auto ajuda e manual do empregado (boneco).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Sartre: o filósofo do nada e da decisão.

Entre as frases mais conhecidas de Sartre está a que diz que “o homem está condenado a ser livre”. Para este filosofo só o egoísmo nos explica. Não o egoísmo de Adam Smith, mas talvez se aproximasse do egoísmo hobesiano não houvesse uma distinção clara entre indivíduo e Estado respectivamente.
É através de uma necessidade egoísta que temos a obrigação de escolher “ou não” (que também é uma escolha, isto é, escolho não escolher). É ai que nasce sua certeza de que existe liberdade na ação do homem independente do seu tipo de escolha: se ação ou inação. Segundo seu pensamento o poder da decisão não é determinado pelas circunstâncias. Se assim fosse teríamos de imaginar que um mundo perfeito deveria existir com circunstancias estritamente agradáveis e imutáveis. Isso é impossível por ser um antimundo, um mundo da ideia, um mundo ilusório. Sua crítica existencialista o obriga a defender a inexistência do divino sobre o homem. Pensamento este que o aproxima de Feuerbach no sentido de dizer que…

Urbanização de São Paulo: Chicago ou Paris?

Em 1878 fundou-se em São Paulo o primeiro sistema de abastecimento de água a Companhia de água e esgoto Cantareira. São Paulo já estava em ebulição, era o destino preferido dos cafeicultores interioranos, também dos imigrantes europeus. 
O processo de urbanização paulistana é uma síntese de contradição copista: os primeiros barros criados para elite indicava europeização da cidade (Campos Elísios, Indianópolis e o próprio Higienópolis que remete a questão da limpeza racial) para clarificar nossa proposição de copistas às avessas havemos de lembrar que diferente do que fizeram os europeus com seus rios São Paulo os matou ou fez com que sumissem embaixo do asfalto (caso Tamanduateí e do riacho Anhangabaú – o primeiro canalizado vergonhosamente sujo e poluído, o segundo sumido da Avenida 9 de julho). Em 1912 inicia-se a canalização do Tamanduateí juntamente com um projeto de aterramento das várzeas deste e do Anhangabaú. Este foi é o primeiro episódio que marca o desastrado urbanismo paul…