Pular para o conteúdo principal

Asno de engenho II

Olhai para o Estado (até o Estado democrático de direito). Continue a olhar e sinta a não linearidade da sua utilidade em relação ao bem-estar do cidadão. Nenhum deles.  Especialmente daqueles que utiliza como trincheira contra o crime (polícia, seu braço executor). 

A sociedade precisa de gente para engendrar e fomentar o PIB. Como sinto falta de ouvir falar de Malthus!!!

Ao sujeito vítima das novas sociedades estamentais modernas cabe o subemprego. Aos líderes cabem a honrarias de dia e propinas a noite.
Aqui no chão da fábrica ou no quartel -  devido aos inúmeros graus de classificação em cada profissão - o indivíduo imagina poder evoluir e deixa de entender sua condição de boneco, marionete social jurando buscar a satisfação plena enquanto "ser" da tal sociedade. Nisto constitui sua primeira cova: a projeção de uma profissão em que julga usar seus poderes de homem da para o bem de todos; pensa poder salvar a humanidade da vilania de uns.
Na prática de suas funções percebe que existe mais que um "algo errado": não há ninguém para salvar ou que valha seus esforços de "super homem da lei".
O nosso herói fabricado pela ineficiente escola pública torna-se um serviçal do Estado. Decepcionado por não ter encontrado nenhum exemplo melhor que a si próprio (por sua visão de mundo) deteriora-se. Funda seu modelo particular de sobrevivência nos moldes do crime, aceita o teatro do funcionalismo ou abandona sua arena chamada corporação.
O super homem da lei enquanto cidadão frustrado pode ser o pior dos criminosos, pois sabe mais que um criminoso comum. Pensa já não ser mais um asno de engenho como os demais cidadãos comuns. Isso não deixa de ser uma verdade, pois como outros milhares seus benefícios sociais, em detrimento a milhões, estão garantidos. Depreende-se que o Estado é o profeta que não salva, o pastor que não conduz; tal qual profetas, tal qual pastores. O Estado é uma falsa idéia de sociedade baseada no poder de poucos para privilégios de alguns e escravidão de todos que estejam distantes do seu veio: vivendo a numa nuvem de fumaça jogada na cidade pelos eleitos do dia;  à moda dos mágicos: seguimos as vontades alheias.

A única verdade válida é a fundada por seu alter ego, as outras, desconfie.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Sartre: o filósofo do nada e da decisão.

Entre as frases mais conhecidas de Sartre está a que diz que “o homem está condenado a ser livre”. Para este filosofo só o egoísmo nos explica. Não o egoísmo de Adam Smith, mas talvez se aproximasse do egoísmo hobesiano não houvesse uma distinção clara entre indivíduo e Estado respectivamente.
É através de uma necessidade egoísta que temos a obrigação de escolher “ou não” (que também é uma escolha, isto é, escolho não escolher). É ai que nasce sua certeza de que existe liberdade na ação do homem independente do seu tipo de escolha: se ação ou inação. Segundo seu pensamento o poder da decisão não é determinado pelas circunstâncias. Se assim fosse teríamos de imaginar que um mundo perfeito deveria existir com circunstancias estritamente agradáveis e imutáveis. Isso é impossível por ser um antimundo, um mundo da ideia, um mundo ilusório. Sua crítica existencialista o obriga a defender a inexistência do divino sobre o homem. Pensamento este que o aproxima de Feuerbach no sentido de dizer que…