Pular para o conteúdo principal

Por que somos assim?!

A sociedade brasileira se queixa o tempo todo da "sociedade brasileira". Tudo muito estranho poderíamos e seria lógico nos queixarmos de outras sociedades tal qual peruanos de chilenos, bolivianos de peruanos e de chilenos e chilenos destes e de outros.
Mas nós não! Nos queixamos de nós. Como se fôssemos várias sociedades numa só!
Bom, depois do escrito acima creio que posso dizer: maktub! Também eureca! Ou qualquer frase pronta que signifique que aí está a verdade. Ou que por estar implícito estivesse escrito no nosso gene.
Sim, pois "as sociedades brasileiras" sofrem de divisões políticas partidárias, genealógicas, raciais, religiosas, profissionais, regionais, etc. (Não me privo de falar que esta última é tão velada quanto gritante).
Isso explica o brasileiro? Sim e não.
Explica os energúmenos presos a estas questões de cunho particular (explica aquele ser desapegado do todo social), uma vez que nenhum sujeito escapa de suas particularidades. Isso não significa que tenha razão, pois o indivíduo sem pensamento holístico não atinge sua plenitude cidadã e se torna apenas um sectário dos vícios alheios, um membro de uma raça ou apenas mais um profissional bem ou mal sucedido.
De forma mais simples podemos distinguir outras divisões da sociedade brasileira que cheia de si cheira a um polimatismo de ouropel, falso e esquálido!
Seriam as distinções que fazemos entre povo, políticos e poder público.
As relações são claramente patéticas com ofensas e trocas de acusações.
O povo acusa o político, o político acusa as instituições públicas, estas por sua vez não acusa o povo, mas aos políticos de, entre outras verdades, larápios do erário, com certa raridade, mas pouco mais presente nas manchetes dos jornais e revistas não parceiras daqueles.
A verdade não vista é que todos negligenciam a realidade em prol de respostas aos seus guetos deixando o todo, a visão holística dos fatos de lado. Por interesse ou incapacidade o gestor, o povo, as instituições falam línguas diferentes atendendo a objetivos escusos de multinacionais ou a desejos secretos. Políticos e afins condenam o povo a eternos modelos de servidão e a uma intensa escuridão pautada no analfabetismo. Quanto ao NÃO EXPLICA a formulação é por sua conta e risco.
Esse é nosso histórico, nosso legado: o servilismo, analfabetismo funcional e atendimento a oligarquias.
Não haverá paz nem progresso numa nação onde instituições públicas servem a interesses suspeitos, onde políticos não sabem o seu papel, onde o povo está contra o povo.
O porquê de sermos assim temos explicações para encher páginas de livros. Mas isso não vem ao caso. Importa o "agora" ardente: a resoluções das farsas nos moldes ou pelo prisma dos poderosos!
Proclamo o fim do que nunca existiu: a nação brasileira!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Urbanização de São Paulo: Chicago ou Paris?

Em 1878 fundou-se em São Paulo o primeiro sistema de abastecimento de água a Companhia de água e esgoto Cantareira. São Paulo já estava em ebulição, era o destino preferido dos cafeicultores interioranos, também dos imigrantes europeus. 
O processo de urbanização paulistana é uma síntese de contradição copista: os primeiros barros criados para elite indicava europeização da cidade (Campos Elísios, Indianópolis e o próprio Higienópolis que remete a questão da limpeza racial) para clarificar nossa proposição de copistas às avessas havemos de lembrar que diferente do que fizeram os europeus com seus rios São Paulo os matou ou fez com que sumissem embaixo do asfalto (caso Tamanduateí e do riacho Anhangabaú – o primeiro canalizado vergonhosamente sujo e poluído, o segundo sumido da Avenida 9 de julho). Em 1912 inicia-se a canalização do Tamanduateí juntamente com um projeto de aterramento das várzeas deste e do Anhangabaú. Este foi é o primeiro episódio que marca o desastrado urbanismo paul…