Pular para o conteúdo principal

Mundo corporativo

As empresas funcionam como micro reinos...
Isso não é novidade para bons observadores.
Se ainda não a vê desta forma reflita sobre a seguinte frase: "para os amigos do rei o luxo; para os inimigos, a lei".
Ou Tome o caminho da observação para notar a similitude dos lambedores do rei com os empregados modernos (o Duque que pensa ser conde, o rei que julga-se Deus...):
O coordenador que quer ser chefe, o superintendente que pensa ser Deus e vangloria-se de sua posição, pois nem precisou estudar para isso, os próceres que desconhecem concordância verbo-nominal; o bacharel em direito (qual vai às nuvens ao ser chamado de doutor sem o sê-lo), Diretores que barbarizam ou praticam solecismos diuturnamente; a secretária que está pronta para abrir o sorriso após ironizada ou ridicularizada; o vice diretor louvaminheiro com aquele sorriso plástico e uniforme aos do seu interesse. O operário (a mula da tropa) que tudo faz, mas não tem caminhos abertos por não ter poder de persuasão, por não dizer o querem ouvir... ou simplesmente pelo preconceito a sua origem (porém, após sua demissão entram em prática suas propostas). Ou seja, para os amigos do chefe: facilidades - para "os" não amigos: regulamentos!
No reino, os favores são partes dos interesses políticos de sua majestade, nas empresas os favoritos são os que promovem a autoestima do presidente (lembrando que autoestima, aqui, não é lucro).
Em reinos conseguem-se títulos, nas empresas buscam-se promoções (uma forma de enobrecimento moderno).
Enfim, um escritório pode ser comparado, também, a um álbum de figurinhas onde permanecem somente as devidamente padronizadas em cor, tamanho, classe, contemporaneidade. As diferentes são olvidadas num canto da gaveta, os diferentes são relegados a estagnação salarial, sobretaxados e dispensados em momento oportuno. Demonstrando a inutilidade dos programas de R.H. baseados em preceitos psicológicos, nas teorias toscas de Max Gehrigher ou nos modelos boçais de Augusto Cury. Eis o mundo das corporações.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Urbanização de São Paulo: Chicago ou Paris?

Em 1878 fundou-se em São Paulo o primeiro sistema de abastecimento de água a Companhia de água e esgoto Cantareira. São Paulo já estava em ebulição, era o destino preferido dos cafeicultores interioranos, também dos imigrantes europeus. 
O processo de urbanização paulistana é uma síntese de contradição copista: os primeiros barros criados para elite indicava europeização da cidade (Campos Elísios, Indianópolis e o próprio Higienópolis que remete a questão da limpeza racial) para clarificar nossa proposição de copistas às avessas havemos de lembrar que diferente do que fizeram os europeus com seus rios São Paulo os matou ou fez com que sumissem embaixo do asfalto (caso Tamanduateí e do riacho Anhangabaú – o primeiro canalizado vergonhosamente sujo e poluído, o segundo sumido da Avenida 9 de julho). Em 1912 inicia-se a canalização do Tamanduateí juntamente com um projeto de aterramento das várzeas deste e do Anhangabaú. Este foi é o primeiro episódio que marca o desastrado urbanismo paul…