Pular para o conteúdo principal

Drogas legais

A sociedade moderna há muito vive condicionada a drogas e não se dá conta, ao invés busca novas formas de "ser feliz agora" sem reflexão alguma.
Cada indivíduo busca uma forma de êxtase sublimado em práxis sociais:
A criança: o vídeo game, brinquedos e personagens da moda reconhecidos pelos pais;
O velho: quase todos os jogos para se livrar do ócio, da necessidade de lembrar-se que fez tudo errado e que não há como resgatar-se ou refazer-se, pois velhos não são fênix como os jovens pensam ser;
Os adolescentes: todas as formas de prazer porque acha que a vida é curta (e é de fato, porém mal vivida neste modelo social);
O padre extasia-se diante de um deus que é esperado milênio após milênio (muitos deles nem acreditam, mas é comodo ter uma vida segura sem trabalho e luxuria as escondidas - tais quais pastores e profetas ateus que fazem fortunas as custas de dizimistas sedentos de mentiras e boas-venturanças);
O político (brasileiro) sacia-se em corromper, pois não há seriedade dos poderes institucionais quando o réu tem uma boa conta corrente (isto é notório). Nos parece, estamos numa monarquia onde "para os amigos do rei: o luxo, para os inimigos: a lei";
O trabalhador assalariado (eterno neandertal) vive às voltas em mimeses elencadas pela TV (vá ao shopping, coma naquela rede de fast food, vista-se desta maneira neste verão, feriado prolongado?! Vá a praia, consuma em bares badalados, faça Networking!;
O Rico (ah este tem muitos vícios, não tenho espaço para elenca-los, mas não nos custa lembrar de um ou outro além dos ilegais...): a soberba, a prepotência, a usura e outras dezenas equivalentes, apesar da certeza do fim comum;
O pobre (este animal anacrônico que ouve o padre, um político populista ou vive de costas para tudo) anima-se com bibelôs e qualquer outra inutilidade de porte igual.
Enfim, drogas, às vezes não estão na esquina com o traficante (que paga mesada para autoridades - segundo relato da vizinhança) estão dentro de nossos arranjos, de nossas apatias, de nosso conformismo em aceitar o patético como forma sublime de viver!    

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Urbanização de São Paulo: Chicago ou Paris?

Em 1878 fundou-se em São Paulo o primeiro sistema de abastecimento de água a Companhia de água e esgoto Cantareira. São Paulo já estava em ebulição, era o destino preferido dos cafeicultores interioranos, também dos imigrantes europeus. 
O processo de urbanização paulistana é uma síntese de contradição copista: os primeiros barros criados para elite indicava europeização da cidade (Campos Elísios, Indianópolis e o próprio Higienópolis que remete a questão da limpeza racial) para clarificar nossa proposição de copistas às avessas havemos de lembrar que diferente do que fizeram os europeus com seus rios São Paulo os matou ou fez com que sumissem embaixo do asfalto (caso Tamanduateí e do riacho Anhangabaú – o primeiro canalizado vergonhosamente sujo e poluído, o segundo sumido da Avenida 9 de julho). Em 1912 inicia-se a canalização do Tamanduateí juntamente com um projeto de aterramento das várzeas deste e do Anhangabaú. Este foi é o primeiro episódio que marca o desastrado urbanismo paul…