Pular para o conteúdo principal

Drogas legais

A sociedade moderna há muito vive condicionada a drogas e não se dá conta, ao invés busca novas formas de "ser feliz agora" sem reflexão alguma.
Cada indivíduo busca uma forma de êxtase sublimado em práxis sociais:
A criança: o vídeo game, brinquedos e personagens da moda reconhecidos pelos pais;
O velho: quase todos os jogos para se livrar do ócio, da necessidade de lembrar-se que fez tudo errado e que não há como resgatar-se ou refazer-se, pois velhos não são fênix como os jovens pensam ser;
Os adolescentes: todas as formas de prazer porque acha que a vida é curta (e é de fato, porém mal vivida neste modelo social);
O padre extasia-se diante de um deus que é esperado milênio após milênio (muitos deles nem acreditam, mas é comodo ter uma vida segura sem trabalho e luxuria as escondidas - tais quais pastores e profetas ateus que fazem fortunas as custas de dizimistas sedentos de mentiras e boas-venturanças);
O político (brasileiro) sacia-se em corromper, pois não há seriedade dos poderes institucionais quando o réu tem uma boa conta corrente (isto é notório). Nos parece, estamos numa monarquia onde "para os amigos do rei: o luxo, para os inimigos: a lei";
O trabalhador assalariado (eterno neandertal) vive às voltas em mimeses elencadas pela TV (vá ao shopping, coma naquela rede de fast food, vista-se desta maneira neste verão, feriado prolongado?! Vá a praia, consuma em bares badalados, faça Networking!;
O Rico (ah este tem muitos vícios, não tenho espaço para elenca-los, mas não nos custa lembrar de um ou outro além dos ilegais...): a soberba, a prepotência, a usura e outras dezenas equivalentes, apesar da certeza do fim comum;
O pobre (este animal anacrônico que ouve o padre, um político populista ou vive de costas para tudo) anima-se com bibelôs e qualquer outra inutilidade de porte igual.
Enfim, drogas, às vezes não estão na esquina com o traficante (que paga mesada para autoridades - segundo relato da vizinhança) estão dentro de nossos arranjos, de nossas apatias, de nosso conformismo em aceitar o patético como forma sublime de viver!    

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Sartre: o filósofo do nada e da decisão.

Entre as frases mais conhecidas de Sartre está a que diz que “o homem está condenado a ser livre”. Para este filosofo só o egoísmo nos explica. Não o egoísmo de Adam Smith, mas talvez se aproximasse do egoísmo hobesiano não houvesse uma distinção clara entre indivíduo e Estado respectivamente.
É através de uma necessidade egoísta que temos a obrigação de escolher “ou não” (que também é uma escolha, isto é, escolho não escolher). É ai que nasce sua certeza de que existe liberdade na ação do homem independente do seu tipo de escolha: se ação ou inação. Segundo seu pensamento o poder da decisão não é determinado pelas circunstâncias. Se assim fosse teríamos de imaginar que um mundo perfeito deveria existir com circunstancias estritamente agradáveis e imutáveis. Isso é impossível por ser um antimundo, um mundo da ideia, um mundo ilusório. Sua crítica existencialista o obriga a defender a inexistência do divino sobre o homem. Pensamento este que o aproxima de Feuerbach no sentido de dizer que…