Pular para o conteúdo principal

Zeus me dê fígado!

Que há falta racionalidade à maioria dos humanos não nos restam dúvidas: guerras, escaramuças, intempestividade, fanatismo, proselitismo, usura e outros "ismos" dão o tom das sociedades de antes e de hoje.

Noutras esferas espanta observar a proliferação da burrice, antes restrita a TV e aos palacetes, agora fazendo parte do universo político (antes hermético - sempre corrupto - hoje sorridente), mantendo-se firme no meio artístico (televisivo)  e para nossa surpresa também entre "homens de negócios" veja:

Candidato a senador (precisa aparecer a qualquer custo), imagina-se;

Ridículo!

Apresentadora de TV (não precisa de exposição, mas quer fazer-se parte);

 Patético!

Parece ser um boçal diferenciado: usa uma gambiarra, talvez, inventada por Leonado da Vinci - rsrs;
 Boçal com estilo!

Anônima que fotografou-se frente ao caixão de Eduardo Campos (viajou no tempo em memes);
 No sense!

Mark Zuckerberg: não satisfeito em criar o facebook criou também o "banho gelado anti mesquinharia" que serviu como forma coletiva de auto promoção; 
 Interesses suspeitos!

E pasmem! Este é Paulo Maluf (procurado pela Interpol e candidato a deputado federal)
usando a puerilidade guampuda de Mark Zuckerberg.
Mais interesses escusos!

 Vespasiano viveria dias de confusão diante de cenas como estas tal que no "circo" está tanto o povo quanto a "psedo elite" que vive a necessidade de buscas idênticas - para: sabem os demônios quais fins! Quem seria o mais imbecil de todos? A mulher que fotografou-se junto do caixão de Eduardo Campos ou todos que seguiram a cartilha de Mark Zuckerberg tirada de sua "genial" criancice! Quem? Quem? Senhores e senhoras! Suas apostas!

De passos patéticos caminha a humanidade! 

Zeus me dê outro fígado!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Sartre: o filósofo do nada e da decisão.

Entre as frases mais conhecidas de Sartre está a que diz que “o homem está condenado a ser livre”. Para este filosofo só o egoísmo nos explica. Não o egoísmo de Adam Smith, mas talvez se aproximasse do egoísmo hobesiano não houvesse uma distinção clara entre indivíduo e Estado respectivamente.
É através de uma necessidade egoísta que temos a obrigação de escolher “ou não” (que também é uma escolha, isto é, escolho não escolher). É ai que nasce sua certeza de que existe liberdade na ação do homem independente do seu tipo de escolha: se ação ou inação. Segundo seu pensamento o poder da decisão não é determinado pelas circunstâncias. Se assim fosse teríamos de imaginar que um mundo perfeito deveria existir com circunstancias estritamente agradáveis e imutáveis. Isso é impossível por ser um antimundo, um mundo da ideia, um mundo ilusório. Sua crítica existencialista o obriga a defender a inexistência do divino sobre o homem. Pensamento este que o aproxima de Feuerbach no sentido de dizer que…