Pular para o conteúdo principal

Filosofia ponderiana? Isso existe?


Circula na internet esta frase atribuída ao filósofo tupiniquim Luiz Filipe Pondé. Caso seja comprovada sua origem nós atribuímos um ícone ao próprio e aos que concordam com suas asneiras.

Temos a considerar:

Esse é o grande nome da filosofia do Brasil: "Pondé" e suas sentenças que parecem obviedades!? Mas esta não é uma obviedade comum, esta passa por um misto de adoração e alienação histórica que joga para de baixo do tapete todo sangue que derramou aquela nação para construir seu império. Seja em guerras por territórios, seja em guerras por commodities, seja semeando o terror e a intriga na AL (ditaduras).
Atras das cortinas do sucesso americano existe o livro documento chamado "As veias abertas da América Latina". Quem o lê entenderá como, onde e porque estão "bem"; existe também seus embaixadores... 
Um homem simples falar ou pensar o que se atribuí a Pondé seria aceitável, pois não tem a largura de um "filósofo". Ou que se espera ter um filósofo! Esse cara é mais um artífice (como Paulo Coelho) fabricado pela mídia carente de estrelas"! 
Mas por que temos brasileiros capazes de entender que os americanos tem algum exemplo para nos dar?
A vida de uma sociedade começa na escola! Não temos! Começa com modelos de família. Não temos! Começa com vontade política, não temos! (Talvez nestes, não sei, mas temos exemplos melhores na Europa...). Só não podemos fechar os olhos e aceitar cometários de filósofos de araque sem visão holística. Ou daqueles limitados que não aceitam que a verdade tem dois lados: o oficial e o real. Há partes que os livros contam e partes que omitem.
Os reacionários levantar-se-ão como meninos que entregavam jornal: A verdade é única! Extra, extra!
Notaremos: limitados não entenderão que a verdade passa pelo fato histórico e pelo registro. E que prevalece é o registro sempre dependente dos poderes oficiosos do que da verdade de fato. Logo...

Talvez quando nosso povo for menos bitolado em estrelas vãs, consumistas, elitistas, egoístas e levar a política a sério teremos outro país, não como eterno copistas dos EUA, mas como nós mesmos.
Quem sabe quando tivermos filósofos de verdade! Escolas de verdade, políticos de verdade, cidadãos de verdade...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Urbanização de São Paulo: Chicago ou Paris?

Em 1878 fundou-se em São Paulo o primeiro sistema de abastecimento de água a Companhia de água e esgoto Cantareira. São Paulo já estava em ebulição, era o destino preferido dos cafeicultores interioranos, também dos imigrantes europeus. 
O processo de urbanização paulistana é uma síntese de contradição copista: os primeiros barros criados para elite indicava europeização da cidade (Campos Elísios, Indianópolis e o próprio Higienópolis que remete a questão da limpeza racial) para clarificar nossa proposição de copistas às avessas havemos de lembrar que diferente do que fizeram os europeus com seus rios São Paulo os matou ou fez com que sumissem embaixo do asfalto (caso Tamanduateí e do riacho Anhangabaú – o primeiro canalizado vergonhosamente sujo e poluído, o segundo sumido da Avenida 9 de julho). Em 1912 inicia-se a canalização do Tamanduateí juntamente com um projeto de aterramento das várzeas deste e do Anhangabaú. Este foi é o primeiro episódio que marca o desastrado urbanismo paul…