Pular para o conteúdo principal

facebook ou face "burro"

Que as redes sociais são capazes de realizações incríveis: ouvimos todos os dias de especialistas, não especialistas e metidos a especialistas no assunto, mas onde estão e o que são estas realizações? Matéria difícil!
O indivíduo vai à sua imaginação, tira uma foto e posta que está muito feliz, vai a um restaurante ou bar (beber muito) e posta um selfie  (a nova onda não só de jovens - o que seria compreensível).
Numa análise não muito profunda (nem é necessário) é possível perceber que as pessoas em suas páginas (não só facebook) conversa-se com, no máximo, cinco a seis amigos quais já faziam parte de sua roda - postula (implicitamente) às demais atividades "um like" para preenchimento e realização de seu ego. Fato real é que os posts são do alter-ego, ou seja, posta-se para chamar a atenção e curte-se para agradar ou para mostrar que está ligado a isso - vaidade... Resumo: é uma falsidade sem tamanho, mas isso não vem ao caso.  
Redes sociais sempre existiram (rodas de conversas, grupo de amigos, confrarias, maçonarias, igrejas, sindicatos, etc) - o que vemos hoje é apenas uma logarimitização das possibilidades de troca. O que estão valendo estas trocas para a construção de uma sociedade melhor só o tempo vai dizer (evitarei a presunção e não pousarei de vate).
Em uma conversa Antonio dizia ter nesta rede 220 amigos, porém dialogava com dois ou três apenas - os outros, bem provável, sejam amigo do amigo do amigo... Logo passou a perceber que Facebook é um universo vazio carregado de assuntos sem direção - ou como mais nos parece: lixo espacial... Bem poderia chamar-se "inutilidade.com", no entanto diante da magnitude que tomou será um tanto demorada esta percepção. Antonio, que entrou na rede com certo descredito de sua beneficência' não tardou sua comprovação: multiplicação das formas de preconceito, desrespeito multipolarizado, incoerência, etc.,. Recentemente comentou sobre um post que pregava o preconceito de origem; em seguida um vídeo postado em que uma moça perambulando pela rua - sem roupa alguma - com problemas mentais, num filme de 5 minutos, postado, "curtido", compartilhado e comentado (onde quem parecia louco são os ditos normais). Chegou a denunciar aos administradores do Facebook, porém a resposta (veja print) é uma autentica ignominia.
Ambos os posts foram retirados do ar por iniciativa dos donos das páginas após envio de mensagens, uma vez que o Facebook não cumpre sua função de mediação.
Poderia escrevinhar mil linhas sobre o reducionismo a que nos coloca o Facebook (e similares), talvez não convencesse a ninguém de sua inutilidade, poderia denunciar que o perfil de cada um é estudado e vendido com seu e-mail (também o I.P.); nada disso adiantaria... Também não é novidade para muitos.
Então nos resta apenas apagar nosso perfil, assistir a mais esta amostra gratuita de imbecilidade implantada na sociedade e absorvida por todos como essencial para a vida. Digo "não é", pois estas redes conseguem apenas promover o isolamento das pessoas de maneira ainda mais desinteligente. É certo que seja uma possibilidade de articulação, mas é ilusória e débil. Assim como é frágil nossa capacidade de convencer a massa a sair de outros buracos obscuros criados pela bitola capitalista. Ocorre, enfim, a multiplicação do comezinho, a estratificação do ordinário, a proliferação do vulgar, do insólito num processo acelerado de arrebatamento e proselitismo para, novamente, gerarem os extratos que farão perdurar os vícios do consumo, do uso de antolhos, da usura e do olhar para o umbigo.

Zeus me dê fígado!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Urbanização de São Paulo: Chicago ou Paris?

Em 1878 fundou-se em São Paulo o primeiro sistema de abastecimento de água a Companhia de água e esgoto Cantareira. São Paulo já estava em ebulição, era o destino preferido dos cafeicultores interioranos, também dos imigrantes europeus. 
O processo de urbanização paulistana é uma síntese de contradição copista: os primeiros barros criados para elite indicava europeização da cidade (Campos Elísios, Indianópolis e o próprio Higienópolis que remete a questão da limpeza racial) para clarificar nossa proposição de copistas às avessas havemos de lembrar que diferente do que fizeram os europeus com seus rios São Paulo os matou ou fez com que sumissem embaixo do asfalto (caso Tamanduateí e do riacho Anhangabaú – o primeiro canalizado vergonhosamente sujo e poluído, o segundo sumido da Avenida 9 de julho). Em 1912 inicia-se a canalização do Tamanduateí juntamente com um projeto de aterramento das várzeas deste e do Anhangabaú. Este foi é o primeiro episódio que marca o desastrado urbanismo paul…