Pular para o conteúdo principal

Armas para servir a quem?

O uso de armas é a síntese da nossa idiotice em sociedade.
O bem e mal em favor de uma classe (a dominante devidamente bem protegida - enquanto armas oficiais matam pobres ou bandidos; pobres valentões se matam entre si - bem distantes desta realidade estão benfazejos os donos do poder e seus louvaminheiros).
O grande teatro é a rua e a única verdade é o que acontece atrás dos muros das mansões: fulcro de todas as petas ideologizantes.
As armas que caminham pelas ruas, em suas viaturas,  de olhos nos cidadãos como cães ferozes (outros mais lembram farejadores) em pouco são uteis a sociedade. Respondem a uma fantasia medieval dos feudos, hoje, sofisticados, tais quais a semiótica e o diacronismo se encarregaram em transfigurar.
Como não servem?
Perguntarão os refratários e dirão: "As armas servem para nos defender do malfeitor, do homicida, do latrocínio. etc". Porém nada disso é real. Note que as armas que pensamos nos proteger serve para suporte do capitalismo. Em nenhum outro momento são mais eficientes! Veja informe sobre o tráfico, homicídios, latrocínios, etc. Às vezes contribuem com o que deveriam evitar.
Converse com uma dessas armas em serviço e perceba que seu tom de voz é sempre ameaçadora, autoritária, robusta e incoerente com as situações dadas (sempre nivelando seu interlocutor por baixo desde que não esteja de paletó e gravata - executivo - ou uma farda com mais medalhas que a sua). Ou seja, as armas que saem as ruas reproduzem com o cidadão seu pânico quarteleiro tacanhamente hierarquizado - agimos ainda hoje como havia necessidade  de agirmos logo após a saída do homem das cavernas: supressão de instintos, pois o homem em nada será diferente dos animais selvagens - talvez pior por ser capaz de elaborar e conjurar.
É certo que a sociedade não avance pela tensão velada entre ricos e pobres, miseráveis e abençoados exploradores e explorados, porém o uso oficioso da arma é apenas um subterfúgio de proteção dos poderosos, pois 50.000 mortos anualmente (BR) não são das famílias abastadas. Não precisamos de uma sociedade armada matando mais do que se mata em guerras mundo a fora, precisamos de mais inteligência, não armas oferecidas a heróis ou mártires com "ensino médio" (analfabetos funcionais); limitados as funções mecânicas; pensando vestir-se de salvador da pátria. Ledo engano...
Enfim, armas que enchem as ruas oficialmente servem a quem? Podemos afirmar que uma sociedade ao aceitar a ação repressiva do Estado (elitista - capitalista) é um asno cego em círculo! Acho que estou falando do Brasil...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Sartre: o filósofo do nada e da decisão.

Entre as frases mais conhecidas de Sartre está a que diz que “o homem está condenado a ser livre”. Para este filosofo só o egoísmo nos explica. Não o egoísmo de Adam Smith, mas talvez se aproximasse do egoísmo hobesiano não houvesse uma distinção clara entre indivíduo e Estado respectivamente.
É através de uma necessidade egoísta que temos a obrigação de escolher “ou não” (que também é uma escolha, isto é, escolho não escolher). É ai que nasce sua certeza de que existe liberdade na ação do homem independente do seu tipo de escolha: se ação ou inação. Segundo seu pensamento o poder da decisão não é determinado pelas circunstâncias. Se assim fosse teríamos de imaginar que um mundo perfeito deveria existir com circunstancias estritamente agradáveis e imutáveis. Isso é impossível por ser um antimundo, um mundo da ideia, um mundo ilusório. Sua crítica existencialista o obriga a defender a inexistência do divino sobre o homem. Pensamento este que o aproxima de Feuerbach no sentido de dizer que…

Urbanização de São Paulo: Chicago ou Paris?

Em 1878 fundou-se em São Paulo o primeiro sistema de abastecimento de água a Companhia de água e esgoto Cantareira. São Paulo já estava em ebulição, era o destino preferido dos cafeicultores interioranos, também dos imigrantes europeus. 
O processo de urbanização paulistana é uma síntese de contradição copista: os primeiros barros criados para elite indicava europeização da cidade (Campos Elísios, Indianópolis e o próprio Higienópolis que remete a questão da limpeza racial) para clarificar nossa proposição de copistas às avessas havemos de lembrar que diferente do que fizeram os europeus com seus rios São Paulo os matou ou fez com que sumissem embaixo do asfalto (caso Tamanduateí e do riacho Anhangabaú – o primeiro canalizado vergonhosamente sujo e poluído, o segundo sumido da Avenida 9 de julho). Em 1912 inicia-se a canalização do Tamanduateí juntamente com um projeto de aterramento das várzeas deste e do Anhangabaú. Este foi é o primeiro episódio que marca o desastrado urbanismo paul…