Pular para o conteúdo principal

Educação competitiva

Vez em sempre corre na mídia nacional brasileiros nascidos a sudeste discriminando brasileiros não nascidos ao sul (ou ao próprio sudeste).
Onde podemos encontrar uma explicação para isso? Pensemos em muitas variáveis, porém as mais gritantes são a educação que essas pessoas tiveram e seus fins. Aqui está tudo resumido. Educação e fim determinam a personalidade do indivíduo (não falamos somente de educação escolar, mas a familiar que é a mais importante). 
Em casa a educação deste futuro cidadão ou cidadã é voltada para um projeto de sucesso da família: desde cedo o sujeito tem de "ser o melhor" e é estimulado diuturnamente a competir - na escola a condição de permanência é a adquirição de notas. Depois de tecnicamente formado, com um canudo em mão, das academias que o prepararam (unicamente) para o trabalho e o ganho, uma vez que quem o deveria forma-lo para vida é sua família, o cidadão ou cidadã estão prontos para a sociedade: uma ideia de mundo distorcida pela competitividade empresarial e uma visão de humanidade fixada nos parâmetros financeiros.
Supostamente prontos! Pois são essas pessoas devidamente graduadas são as primeiras a ofender e menosprezar seus patrícios – deixando claro que a ideologia que lhe fora encucada não é local e sim algo exógeno. Frutos de uma educação competitiva e comparativa qual busca o melhor e o pior a todo instante. Em seu imo o sujeito vítima desta educação vive seu êxtase: se "ele" não é melhor que "eu" é pior, se é "pior" dane-se, se "é melhor" tenho de supera-lo...  
Como classificar pessoas que julgam-se ou buscam ser superiores a outras? Todos os nossos problemas começam com a educação ou a falta dela! Estes, como muitos - inclusive no nordeste, sentem-se superiores uns aos outros por uma simples razão: sua posição social ou seu poder aquisitivo amparados na educação empregalista que não é democrática como diz o Estado.
Agora onde a educação ou a falta dela se relaciona com os casos de ofensas a outras culturas? O sujeito em boa posição social pensa-se como um lume para a sociedade (não passa de uma farsa, um produto vítima da eterna antinomia: explorador e explorado). 
Então quem não está acima deste sujeito não merece seu respeito (é assim que pensam os operadores do sistema em geral: acadêmicos rotundos e orgulhosos por terem um canudo, saberem que terão um emprego garantido - se quer olham sua servidão perene ao um sistema maior). Por sua vez o sujeito ignorante (por ignorar - não estúpido) vive sua felicidade febril em torno do ordinário lhe cabendo, no máximo, viver na defensiva - tudo isso patrocinado pelo Estado que o corrompe em suas novas formas de estamentos... Não tem argumentos lógicos para rebater as injúrias que sofre, às vezes até porque não as entende... 
E ai continuaremos com essa educação longe de preceitos humanistas voltada para o perde e ganha dos escritórios, das bolsas de valores, etc. Uma educação eternamente presa ao colear das eleições em ideologias ridículas que se prestam ao atendimento das empresas e não da natureza e do homem (num formato em que o homem se entenda parte da natureza e não seu dono).

Quem é esse cidadão que em redes sociais, em emissoras de TV, rádios, empresas, etc. pronuncia suas asneiras subestimando seus patrícios "se não" um representante de uma renomada e poderosa empresa? Será que seus amigos pensam diferente dele? Será que seus chefes serão capazes de puni-lo? Casos se repetem sem punição alguma... Sem mudança nas bases da educação (familiar ou escolar). E nada mais teremos diferente do que presenciamos se aceitarmos o presente...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Urbanização de São Paulo: Chicago ou Paris?

Em 1878 fundou-se em São Paulo o primeiro sistema de abastecimento de água a Companhia de água e esgoto Cantareira. São Paulo já estava em ebulição, era o destino preferido dos cafeicultores interioranos, também dos imigrantes europeus. 
O processo de urbanização paulistana é uma síntese de contradição copista: os primeiros barros criados para elite indicava europeização da cidade (Campos Elísios, Indianópolis e o próprio Higienópolis que remete a questão da limpeza racial) para clarificar nossa proposição de copistas às avessas havemos de lembrar que diferente do que fizeram os europeus com seus rios São Paulo os matou ou fez com que sumissem embaixo do asfalto (caso Tamanduateí e do riacho Anhangabaú – o primeiro canalizado vergonhosamente sujo e poluído, o segundo sumido da Avenida 9 de julho). Em 1912 inicia-se a canalização do Tamanduateí juntamente com um projeto de aterramento das várzeas deste e do Anhangabaú. Este foi é o primeiro episódio que marca o desastrado urbanismo paul…