Pular para o conteúdo principal

Brasil futebol clube

As generalizações, em princípio, são terrenos perigosos. Por que não dizer pantanosos. Mas algumas são tão difíceis de serem negadas que se assemelham a verdade.
Devemos dizer verdade porque verdade, assim como a realidade, é também algo falso e provocado, quase ilusório. 
Então generalizar é provocar algo latente a sua circunstância impura ou contrária ao gosto da maioria. Isto é, não classifica-se um todo generalizado quando esse "todo"  é positivo. Apenas se classifica com este ou aquele adjetivo.
Se dissermos que determinado povo ou nação é alienada, além da falta de respeito com este povo, estaremos nivelando a todos por baixo. Uma forma de generalização corriqueira e sentenciosa, às vezes não absolutamente falsa ou em seu todo verdadeira.
No entanto o que dizer de um país que se entrega a uma paixão qualquer como uma criança a um doce?
Não se diz nada, pois "que" tanto os doces quanto as paixões têm os seus sabores.
É possível notar, em dias de "paixonite aguda" parte desta nação se comportar nas ruas, nas empresas, no transporte, nos semáforos em seus carros como crianças ávidas para a hora da merenda ou a liberação dos portões às 11h00 (hora de ir embora da escola).
Desta forma vimos um país, literalmente, parar para assistir uma partida...
Coincidentemente lia Durkheim que dizia (em As regras do método sociológico): "que tente o indivíduo opor-se a uma destas manifestações coletivas, e os sentimentos que nega voltar-se-ao contra ele. (...) Somos, então, vítima de  uma ilusão que nos faz acreditar termos sido nós quem elaborou aquilo que se nos impôs do exterior."
Das palavras de Émile Durkheim: qualquer semelhança com um país que considera uma partida de futebol mais importante que uma eleição para presidente e que se chama Brasil não é mera coincidência...    

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Sartre: o filósofo do nada e da decisão.

Entre as frases mais conhecidas de Sartre está a que diz que “o homem está condenado a ser livre”. Para este filosofo só o egoísmo nos explica. Não o egoísmo de Adam Smith, mas talvez se aproximasse do egoísmo hobesiano não houvesse uma distinção clara entre indivíduo e Estado respectivamente.
É através de uma necessidade egoísta que temos a obrigação de escolher “ou não” (que também é uma escolha, isto é, escolho não escolher). É ai que nasce sua certeza de que existe liberdade na ação do homem independente do seu tipo de escolha: se ação ou inação. Segundo seu pensamento o poder da decisão não é determinado pelas circunstâncias. Se assim fosse teríamos de imaginar que um mundo perfeito deveria existir com circunstancias estritamente agradáveis e imutáveis. Isso é impossível por ser um antimundo, um mundo da ideia, um mundo ilusório. Sua crítica existencialista o obriga a defender a inexistência do divino sobre o homem. Pensamento este que o aproxima de Feuerbach no sentido de dizer que…