Pular para o conteúdo principal

Rolé para inferno sociológico

A elite brasileira está colhendo os frutos de sua imbecilização!

A vulgaridade das periferias que ganhou espaço nos horários nobres da TV agora é a vertente mais segura para essa massa anencéfala! O que fica a título de arte na TV (arte duvidosa é claro) torna-se uma doença social nas ruas: a (des) puerilização da ostentação (não se sabe).

A bestialização de um povo começa na TV e acaba num shopping center! Não há nada de errado até aqui... A procissão sugerida pela midiatização do consumo desenfreado segue o moda e toma sua Meca!

Pronunciamentos do Estado, de sociólogos, psicólogos e afins não servem para nada se o que faltou no início das vidas da plebe foi o respeito. O caos está dado e sua única forma de solução está na mira das balas de borracha ou em seus porretes que já são usados a dezenas de anos nas partidas de futebol.

Esse novos grupos nascidos dos guetos viverá a mercê de suas ilusões; pensando que fazem parte de uma sociedade de consumo - quando muito "ávida colando as patas nas vitrines dos shoppings", que desde já, tenta renega-los.

Eis o mundo real jovens estúpidos das periferias! A sociedade os quer apenas como mão de obra barata!!!

O Estado é uma farsa e sua maior peta e manter o bem estar do povo!

A elite sempre esteve de costas para a periferia e agora vemos jovens idiotas querendo 

ser igual a esta. Isso me lembra termos como "opressor e oprimido" (Paulo Freire).

O homem de tanto viver sob a opressão assimila as características do opressor e as repete 

involuntariamente (paráfrase). Porém neste caso o misto de ignorância é tamanho que não se sabe o 

que é voluntarismo ou não.... 

Os estudiosos estão atônitos, o governo sempre esteve... No entanto para uma causa um efeito.  

Para nós a resolução de muitos problemas está na igualdade social, evitaríamos, portanto a dissenção de classes que "vivem do lixo" lambendo as "vitrines de luxo das classes abastadas". Agora também proibida de lamberem em "bando" como gostariam...

A cada dia fico mais impressionado com a limitação da elite e o frequente gosto pela grama que os pobres da periferia assumem!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Urbanização de São Paulo: Chicago ou Paris?

Em 1878 fundou-se em São Paulo o primeiro sistema de abastecimento de água a Companhia de água e esgoto Cantareira. São Paulo já estava em ebulição, era o destino preferido dos cafeicultores interioranos, também dos imigrantes europeus. 
O processo de urbanização paulistana é uma síntese de contradição copista: os primeiros barros criados para elite indicava europeização da cidade (Campos Elísios, Indianópolis e o próprio Higienópolis que remete a questão da limpeza racial) para clarificar nossa proposição de copistas às avessas havemos de lembrar que diferente do que fizeram os europeus com seus rios São Paulo os matou ou fez com que sumissem embaixo do asfalto (caso Tamanduateí e do riacho Anhangabaú – o primeiro canalizado vergonhosamente sujo e poluído, o segundo sumido da Avenida 9 de julho). Em 1912 inicia-se a canalização do Tamanduateí juntamente com um projeto de aterramento das várzeas deste e do Anhangabaú. Este foi é o primeiro episódio que marca o desastrado urbanismo paul…