Pular para o conteúdo principal

Black blocs para quê?

Ações parvas e sem coordenação do Black Blocs farão com que as manifestações percam sua legitimidade. A manada (mascarada) não sabe o caminho (isso não pode ser confundido com anarquia)!
Os resultados esperados:
O Estado reagirá com violência igual ou maior; a população calará; os mascarados responderão até pelos crimes que não cometeram. Tudo ficará como está: corruptos a solta, a elite faturando alto, o pobre recebendo a bolsa subsistência, o Estado comandando o teatro constitucional, o judiciário atrasado em 20 anos, o funcionalismo público ávido pela eterna sinecura, a população a parte do seu poder, os jovens rotundos em sua gana de mudar o imutável, as crianças sonhando com os super-heróis fabricados pela TV ou cinema, outra parte da população apta perambular neste mundo para viver eternamente noutro póstumo, os velhos compreendendo o incompreensível, etc.,. Nada mudará com tirania tupiniquim do Black Blocs.

O antídoto capaz de mudar uma sociedade deve ser retirado da própria, não de fora, nem imputada com violência.
Este movimento jamais será ouvido, assim como nunca foram levados a sério outros movimentos crassos (Sendero Luminoso, FARCS,Taleban, etc., não que o Black Blocs tenha essa magnitude, mas se não repensado pode ser tão inútil quanto).
Dizem querer ser ouvidos. Serão apenas pelas delegacias quando capturados!
A mídia erroneamente os chamam de anarquistas, porém os pressupostos proudhonianos não competem com que se entende por anarquia hoje, menos ainda com as ações deste grupo.
A matéria tem valor simbólico e substituível no capitalismo de nada adianta destruir. A mudança só vira com a destruição das raízes do apego a gana; da sede de poder, de domínio e outros vícios mais. Ou seja, nunca! Pois no homem o egoísmo é algo nato.
Em síntese, o Black Blocs é uma fagulha que nasceu apagada. Um tanto similar a um feto acéfalo: seu tempo de vida depende da vontade da estrutura maior. Em toda sua existência - este movimento como age atualmente - não passará de um embrião anencéfalo, quando muito.  


http://www.estadao.com.br/noticias/geral,violencia-em-atos-em-sp-ofusca-movimentos-pacificos,1092795,0.htm

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Sartre: o filósofo do nada e da decisão.

Entre as frases mais conhecidas de Sartre está a que diz que “o homem está condenado a ser livre”. Para este filosofo só o egoísmo nos explica. Não o egoísmo de Adam Smith, mas talvez se aproximasse do egoísmo hobesiano não houvesse uma distinção clara entre indivíduo e Estado respectivamente.
É através de uma necessidade egoísta que temos a obrigação de escolher “ou não” (que também é uma escolha, isto é, escolho não escolher). É ai que nasce sua certeza de que existe liberdade na ação do homem independente do seu tipo de escolha: se ação ou inação. Segundo seu pensamento o poder da decisão não é determinado pelas circunstâncias. Se assim fosse teríamos de imaginar que um mundo perfeito deveria existir com circunstancias estritamente agradáveis e imutáveis. Isso é impossível por ser um antimundo, um mundo da ideia, um mundo ilusório. Sua crítica existencialista o obriga a defender a inexistência do divino sobre o homem. Pensamento este que o aproxima de Feuerbach no sentido de dizer que…