Pular para o conteúdo principal

Bom dia Brasil!

A farsa, a soberba, as patranhas e todo tipo de enganação é o "estado de direito" instituído por qualquer tipo de Estado governamental (ditadura, comunismo, democracia ou teocracia).
Em qualquer destes o homem é treinado para servir a algum "senhor". Se na ditadura seu senhor é o general facínora auto nomeado chefe de Estado; se no comunismo muda-se os termos não os modos e refinamentos de tortura; se na democracia extirpasse as torturas e dá-se ao homem um modelo de liberdade condicional cujo indivíduo embevecido de sua liberalidade umbilical não observa os lideres de seus país, pois tem sua liberdade para cuidar (...); se numa teocracia, nos dirão: óbvio, seu senhor é algum Deus escolhido pelo povo! Ledo engano. Na teocracia o deus do povo é apenas um instrumento judiciário e moral para execução de tal governo.   
Enquanto os vários poderes ideologizados por alguém nos moldam os dias, a ida e volta do trabalho para casa, para o shopping, ou a praia (como bovinos mansos) como se isso fosse algo magistral,  tendemos a mecanização de nossas práxis - não irá muito - logo seremos meros robôs que obedecem...
A ideologia dominante faz de nossa realidade um sono suave, um voo de cruzeiro, um mundo onde nos sentiremos satisfeitos se não pararmos de obedecer... Enquanto dormimos (partidos, quadrilhas, empresários e governos eleitos)  inescrupulosos ajustados com o conhecimento da inanição mental do povo, não menos conhecedores da má vontade de um judiciário escroto e estafermo, "apanham" o erário, seu bem estar e nos transformam em eternos mendigos do terceiro mundo...
Mais uma vez! Está na hora de mostrarmos que o povo é dono e mantenedor do Estado e não ao contrário.
Não é o Estado que nos alimenta, que nos dá trabalho, que nos dá prazer... Somos nós organizados por este que levamos comida à boca da elite que dá rumo ao Estado nos ditando sub liminarmente suas regras... O que queremos serve para o próximo? Quais são nossos objetivos pessoais e coletivos?
Nós temos objetivos pessoais e coletivo? Nossos objetivos por acaso coincidem com os objetivos da indústria de automóveis ou com a preservação da fauna e da flora? Nos ensinaram a viver em sociedade em casa ou na escola? Ou como o filho do juiz, do traficante*, do empresário, do governante nós também só olhamos para nosso umbigo?
Uma sociedade que olha apenas para o agora (para seu umbigo) no máximo será uma sociedade capenga e tosca! Bom dia Brasil!
 ___________________

*Lamentavelmente temos de por o termo "traficante" em equivalência aos outros poderosos, pois a mofina, a avidez dos primeiros líderes deram espaço ao crescimento as máfias e seus novos modelos em guetos ou cadeias abandonados aos infortúnios.

Comentários

  1. Quanta baboseira, você deveria ser um monge, abdicar de tudo que existe para subsistência humana.

    ResponderExcluir
  2. Entende assim, certamente, por ser ou pretender ser um explorador, viajar todos os anos para a Disney (rico vive de mimeses), ver a novela todas as noites,torcer para um time, votar num partido de sua classe, comprar o que a moda sugere,ser um pelego, acredita na vida após a morte e ainda diz que é feliz apesar de tanta desigualdade provocada por disputas inúteis (quais critico). Se for um pobre assalariado "anônimo" - tenho dó de você também...

    Considero baboseira os extremos que vemos nesta sociedade: pobres imbecis formando-se tecnicamente ganhando o básico para subsistir, acreditando neste sistema tosco e corrupto.

    Lamento não seguir seu sábio conselho, pois o monge é um coitado que aceita dois sistemas hipócritas (O estado e a religião). Não vou te dizer o que deves fazer de sua vida, pois o (a) respeito. Aqui apenas lamento tantas desgraças sobre uns, que manipulados, não achegam de nada. Não tomo dimensões pessoais (pois não o conheço e se não te negaria minha opinião nem minha face).

    O que chama de subsistência humana? Condicionamento? Trabalho semi escravo? Acha mesmo que precisamos de tantas injustiças (promovida por governos que mais atendem a vontade de indústrias ainda que matem a natureza dia após dia), acha que isso seja necessidade do povo? Juro que não entendi sua indignação em me sugerir um convento... Chego a pensar que não leu o texto para lançar sua queixa. Em alguns casos a dislexia é imperdoável. Se leu, ótimo, fique tranquilo, reformule a crítica, pois "faz parte" quando não tomam o contexto de pessoalidade. OU seja, lhe faltaram argumentos.

    Até mais!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Urbanização de São Paulo: Chicago ou Paris?

Em 1878 fundou-se em São Paulo o primeiro sistema de abastecimento de água a Companhia de água e esgoto Cantareira. São Paulo já estava em ebulição, era o destino preferido dos cafeicultores interioranos, também dos imigrantes europeus. 
O processo de urbanização paulistana é uma síntese de contradição copista: os primeiros barros criados para elite indicava europeização da cidade (Campos Elísios, Indianópolis e o próprio Higienópolis que remete a questão da limpeza racial) para clarificar nossa proposição de copistas às avessas havemos de lembrar que diferente do que fizeram os europeus com seus rios São Paulo os matou ou fez com que sumissem embaixo do asfalto (caso Tamanduateí e do riacho Anhangabaú – o primeiro canalizado vergonhosamente sujo e poluído, o segundo sumido da Avenida 9 de julho). Em 1912 inicia-se a canalização do Tamanduateí juntamente com um projeto de aterramento das várzeas deste e do Anhangabaú. Este foi é o primeiro episódio que marca o desastrado urbanismo paul…