Pular para o conteúdo principal

O olimpo esta entre nós...

Quem não gosta de cidades pequenas? Sempre ouvimos as pessoas dizendo gostar do clima, da calmaria, da tranquilidade impregnada em pequenas cidades. Diferente das metrópoles em tudo uma cidadezinha esconde todas as características e semelhanças das maiores.
Devemos lembrar que estes elementos não são imanências da cidade em si, mas das pessoas que cumprem um ritual sociológico. Logo se nota que o mérito aqui é tratar dos vícios humanos em relação ao poder.
O interlocutor aflito e apoplético logo dirá: - "como assim? Numa cidade pequena as pessoas são humildes, se cumprimentam, são amigáveis, sentam-se nos bancos das praças (ou da praça) para ver a tarde cair... Não entendo..."
No entanto existe a rotina sem tom de paisagem que o turista olha, mas não ver!
Estas cidadelas costumam ter "um juiz"; "um delegado"; "um médico"; alguns policiais e não muitos vereadores, mais dois advogados e lógico os filhos dos poderosos que parecem ter mais poder que os próprios investidos. Talvez por conta do pequeno volume de poderosos num lugar, este grupo, sem esquecer do prefeito, pensam ser os deuses locais. Não que estes sujeitos (em sua maioria) não se sinta um deus fora do olimpo e do seu tempo em qualquer lugar da face da terra, mas a propensão a magnitude divina toma azos de régulos quasímodos feudais quando esta figura é exígua no lugar.
Nestes ambientes um título vale quase boa conta bancária. O título de doutor, padre, delegado ou policial é um sinônimo de liberdade total (eu sou a lei - eles dizem ou estou no cume, dependo do ouvinte e do emissor); esses pequenos deuses modernos desbancam a "Lei" com aquela velha pergunta: - você sabe com quem está falando? Nestas plagas ter uma designação pomposa é um convite para ser soberbo, corruptor, indecente e explorador.
Porém, qual a diferença dos sujeitos da cidade grande? Está apenas nas pessoas de baixa renda que estão livres dos moldes do trabalho assalariado, desobrigados do ritmo mecânico das metrópoles, do sobe e desce e das caras iguais atrás dos óculos escuros. Ali os sujeitos permitem que aflorem seu "eu" livre dos jogos de cena que impregna as relações nas megalópoles. Onde novos semideuses sucumbem em mansões que custam milhões (sempre na perspectiva da exploração do outro de qualquer maneira que o sistema permitir...). 
Não há diferença! E se há está nos olhos de quem as deseja. O homem dentro de um sistema é equivalente em qualquer lugar do planeta. O que muda são suas ferramentas de exploração e o grau de conhecimento desenvolvido qualificado em forças centrifugas a partir das honrarias que cria para garantir a ordem de suas conquistas.
Segue o povo feliz obedecendo a seus régulos ou semideuses locais desatentos a auto gestão e anarquia que nega essa mistificação humana "conquistada através do trabalho de todos" cujo benefício é exclusivo de poucos: os que pensam serem deuses de seu pequeno olimpo.  Penso já diante de tanta impunidade e desigualdade que realmente o são.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Sartre: o filósofo do nada e da decisão.

Entre as frases mais conhecidas de Sartre está a que diz que “o homem está condenado a ser livre”. Para este filosofo só o egoísmo nos explica. Não o egoísmo de Adam Smith, mas talvez se aproximasse do egoísmo hobesiano não houvesse uma distinção clara entre indivíduo e Estado respectivamente.
É através de uma necessidade egoísta que temos a obrigação de escolher “ou não” (que também é uma escolha, isto é, escolho não escolher). É ai que nasce sua certeza de que existe liberdade na ação do homem independente do seu tipo de escolha: se ação ou inação. Segundo seu pensamento o poder da decisão não é determinado pelas circunstâncias. Se assim fosse teríamos de imaginar que um mundo perfeito deveria existir com circunstancias estritamente agradáveis e imutáveis. Isso é impossível por ser um antimundo, um mundo da ideia, um mundo ilusório. Sua crítica existencialista o obriga a defender a inexistência do divino sobre o homem. Pensamento este que o aproxima de Feuerbach no sentido de dizer que…