Pular para o conteúdo principal

Entenda o Capitalismo*

CAPITALISMO IDEAL - O sujeito tem duas vacas. Vende uma e compra um touro. Eles se multiplicam e a economia cresce. Vende o rebanho e aposenta-se rico!


CAPITALISMO AMERICANO - O sujeito tem duas vacas. Vende uma e força a outra a produzir o leite de quatro vacas. Fica surpreso quando esta morre.
 
CAPITALISMO JAPONÊS - O carinha tem duas vacas. Redesenha-as para que tenham um décimo do tamanho de uma vaca normal e produzam leite 20 vezes mais que as normais. Depois cria desenhinhos de vacas chamados "vaquimon" e os vende para o mundo inteiro.


CAPITALISMO BRITÂNICO - O sujeito tem duas vacas. As duas são loucas.


CAPITALISMO ALEMÃO - Hans tem duas vacas (acho que todo alemão se chama Hans, nada pessoal). Elas produzem leite regularmente seguindo rigorosos padrões de qualidade: quantidade e horário previamente estabelecido de forma precisa e lucrativa. Mas o que queria, de fato, era criar porcos.
 
CAPITALISMO RUSSO - O sujeito, ainda não revolucionário, tem duas vacas. Conta-as e vê que tem 5 vacas. Conta de novo e vê que tem 42 vacas. Conta novamente e vê que tem 12 vacas. Para de contar e abre outra garrafa de vodca.


CAPITALISMO ESPANHOL - El Hombre tem muito orgulho de ter duas vacas.


CAPITALISMO PORTUGUÊS - O caboclo ou mouro (não sei...) tem duas vacas. E reclama porque seu rebanho não cresce.


CAPITALISMO BRASILEIRO - O projeto de cidadão (sempre analfabeto funcional) tem duas vacas. Uma delas é roubada. O governo cria a CCPV - Contribuição Compulsória pela Posse de Vaca. Um fiscal faz uma visita e lhe autua, porque embora o "cidadão tupiniquim" tenha recolhido corretamente a CCPV, o valor era pelo número de vacas presumidas e não pelo de vacas reais.
A Receita Federal (outro órgão competente da nação) por meio de dados também presumidos do consumo: leite, queijo, sapatos de couro, botões, infere que existam 200 vacas no sítio (apesar simplório) aplica-lhe nova multa por sonegação, pois o imposto da vaca roubada não fora pago nos últimos dois anos. Para se livrar da encrenca o homem que nunca conseguirá ser um cidadão pleno dá a última vaca para o fiscal... E assim segue uma nação tirando de quem não tem para garantir o funcionamento do Estado.

_______________

*Adaptação de "autor desconhecido" (caso alguém o conheça, nos avise, daremos os créditos).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Sartre: o filósofo do nada e da decisão.

Entre as frases mais conhecidas de Sartre está a que diz que “o homem está condenado a ser livre”. Para este filosofo só o egoísmo nos explica. Não o egoísmo de Adam Smith, mas talvez se aproximasse do egoísmo hobesiano não houvesse uma distinção clara entre indivíduo e Estado respectivamente.
É através de uma necessidade egoísta que temos a obrigação de escolher “ou não” (que também é uma escolha, isto é, escolho não escolher). É ai que nasce sua certeza de que existe liberdade na ação do homem independente do seu tipo de escolha: se ação ou inação. Segundo seu pensamento o poder da decisão não é determinado pelas circunstâncias. Se assim fosse teríamos de imaginar que um mundo perfeito deveria existir com circunstancias estritamente agradáveis e imutáveis. Isso é impossível por ser um antimundo, um mundo da ideia, um mundo ilusório. Sua crítica existencialista o obriga a defender a inexistência do divino sobre o homem. Pensamento este que o aproxima de Feuerbach no sentido de dizer que…