Pular para o conteúdo principal

As hienas do Brasil

O Brasil tem um grupo enorme de pessoas viciadas em corrupção, por que será? Seria a leniência do Estado? Seria o despreparo? Seria egoísmo? Tudo isso faz parte sim, mas existe outro fator esquecido: as instituições de ensino e as famílias não mostram aos "seus" que existe o lado humano a ser desenvolvido, não apenas o desenvolvimento de habilidades impregnadas de competição pautados na gana capitalista. A escola de ontem e de hoje formou e forma pessoas para se superarem em termos econômicos.
Semana a semana a mídia nos traz denúncias e mais denúncias sobre os ataques aos cofres públicos por sujeitos de todos os níveis sociais e cargos diversos. Noventa por cento dos casos são prescritos provocando o eterno ciclo da corrupção. 
Outra situação calamitosa trata dos atentados contra a vida. Dados de jornais do ano de 2011 apontam que apenas cinco por cento dos homicídios são solucionados. Normalmente solucionam rapidamente os que ganham visibilidade internacional, aqueles que elementos da mídia se interessam sabe-se lá por qual motivo, pois não entendemos que um homicídio seja menos terrível que outro. 
Não entendemos esta vontade de ser feliz do brasileiro que emprega-se a ter filhos e mais filhos para um sistema que coxo como este: um sistema de servidão em sentido lato. Filhos para uma sociedade estritamente egoísta e mau educada. Filhos para suprir a necessidade de um Estado tosco que usa o cidadão (comum) como suporte dos eternos benefícios de elites locais e externa. Filhos para "morrerem" por 35 anos em cima de máquinas. Filhos para fazerem mais filhos e acharem que fazem parte de uma nação e que são cidadãos de verdade! Balela! 
Assistimos turbas nas comunidades (falo de um grupo de quinze mil pessoas que é um exemplo fidedigno de oitenta por cento da população brasileira). Não são capazes de estruturar um diálogo lógico, não são capazes de ouvir o outro, não entendem a vida em sociedade, não compreendem a formação nem a funcionalidade dos poderes instituídos nesta pseudo democracia, incapazes de interpretar um texto qualquer seguem rindo como hienas a troco do sorriso do outro. Se limitam a acreditar em seus deuses, no seu time de futebol, nas conversas e algaravias bradadas nos bares.
Um relativo aumento do poder de compra do brasileiro tem gerado uma população altamente alienada e consumista. Este é o cenário perfeito para os abutres de plantão que querem enriquecer rapidamente - e se for preciso matar ou corromper: que seja, pois sabem que estão no Brasil terra de ninguém -, no entanto este quadro caótico só é possível porque as pessoas não entendem-se como membros de uma nação em que deveria respeitar os limites ideais para convivência. 
Enfim, o brasileiro tem características típicas de alguns animais que não sabem viver em sociedade! Solitários ou em bandos brasileiros vivem num mundo irreal criado pelos fantoches imperialistas. Brasileiros da alegria "tipo exportação", da fome, das distorções e corrupções governamentais alicerçadas pela TV oficiosa - eis umas das mães da ignorância do povo! A rede Bobo (Globo) e suas cópias.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Sartre: o filósofo do nada e da decisão.

Entre as frases mais conhecidas de Sartre está a que diz que “o homem está condenado a ser livre”. Para este filosofo só o egoísmo nos explica. Não o egoísmo de Adam Smith, mas talvez se aproximasse do egoísmo hobesiano não houvesse uma distinção clara entre indivíduo e Estado respectivamente.
É através de uma necessidade egoísta que temos a obrigação de escolher “ou não” (que também é uma escolha, isto é, escolho não escolher). É ai que nasce sua certeza de que existe liberdade na ação do homem independente do seu tipo de escolha: se ação ou inação. Segundo seu pensamento o poder da decisão não é determinado pelas circunstâncias. Se assim fosse teríamos de imaginar que um mundo perfeito deveria existir com circunstancias estritamente agradáveis e imutáveis. Isso é impossível por ser um antimundo, um mundo da ideia, um mundo ilusório. Sua crítica existencialista o obriga a defender a inexistência do divino sobre o homem. Pensamento este que o aproxima de Feuerbach no sentido de dizer que…

Urbanização de São Paulo: Chicago ou Paris?

Em 1878 fundou-se em São Paulo o primeiro sistema de abastecimento de água a Companhia de água e esgoto Cantareira. São Paulo já estava em ebulição, era o destino preferido dos cafeicultores interioranos, também dos imigrantes europeus. 
O processo de urbanização paulistana é uma síntese de contradição copista: os primeiros barros criados para elite indicava europeização da cidade (Campos Elísios, Indianópolis e o próprio Higienópolis que remete a questão da limpeza racial) para clarificar nossa proposição de copistas às avessas havemos de lembrar que diferente do que fizeram os europeus com seus rios São Paulo os matou ou fez com que sumissem embaixo do asfalto (caso Tamanduateí e do riacho Anhangabaú – o primeiro canalizado vergonhosamente sujo e poluído, o segundo sumido da Avenida 9 de julho). Em 1912 inicia-se a canalização do Tamanduateí juntamente com um projeto de aterramento das várzeas deste e do Anhangabaú. Este foi é o primeiro episódio que marca o desastrado urbanismo paul…