Pular para o conteúdo principal

BNDES: banco da elite X Bolsa família: banco de pobre

A nação não abandona seu azo tacanho, vê-se um povo dissecado numa representação simples e embevecida não como lutas de classes que imaginavam comunistas oníricos, mas na aceitação do caótico: os ricos continuam em seus Burgos, hoje palacetes que tomam as antigas fazendas pelos interiores, os pobres pensam que são cidadãos respeitam o Estado e o louvam quando recebem estas esmolas.
Não podemos nos distinguir deste povo, imbecil e desinformado, até porque estamos aqui: onde reina a miséria, a exploração. Onde ainda velhos fazendeiros parecem senhores feudais... (mandam matar se julgarem necessário).
Todos somos vítimas deste sistema falido, ou seja, este capitalismo keynesiano às avessas (o Estado não empresta: doa). O Estado como banco da elite (financiamentos milionários pelo BNDS às empresas estrangeiras ou aos donos do Brasil: Votorantim, Globo, etc.) e das migalhas dos pobres (Bolsa Família para garantir que o pobre não saia de onde nasceu, fique quieto e tenha seu voto direcionado). Este é o Brasil de hoje:


Alguns meses depois de escrever o bla-bla-blá acima encontramos isso: http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2013/08/1331760-presidente-do-bndes-e-chamado-no-senado-para-esclarecer-emprestimos-a-empresas-de-eike.shtml

mais isso:

Para quem não conhece este hospital pobre não tem acesso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Sartre: o filósofo do nada e da decisão.

Entre as frases mais conhecidas de Sartre está a que diz que “o homem está condenado a ser livre”. Para este filosofo só o egoísmo nos explica. Não o egoísmo de Adam Smith, mas talvez se aproximasse do egoísmo hobesiano não houvesse uma distinção clara entre indivíduo e Estado respectivamente.
É através de uma necessidade egoísta que temos a obrigação de escolher “ou não” (que também é uma escolha, isto é, escolho não escolher). É ai que nasce sua certeza de que existe liberdade na ação do homem independente do seu tipo de escolha: se ação ou inação. Segundo seu pensamento o poder da decisão não é determinado pelas circunstâncias. Se assim fosse teríamos de imaginar que um mundo perfeito deveria existir com circunstancias estritamente agradáveis e imutáveis. Isso é impossível por ser um antimundo, um mundo da ideia, um mundo ilusório. Sua crítica existencialista o obriga a defender a inexistência do divino sobre o homem. Pensamento este que o aproxima de Feuerbach no sentido de dizer que…