Pular para o conteúdo principal

Sartre: o filósofo do nada e da decisão.

Entre as frases mais conhecidas de Sartre está a que diz que “o homem está condenado a ser livre”. Para este filosofo só o egoísmo nos explica. Não o egoísmo de Adam Smith, mas talvez se aproximasse do egoísmo hobesiano não houvesse uma distinção clara entre indivíduo e Estado respectivamente.
É através de uma necessidade egoísta que temos a obrigação de escolher “ou não” (que também é uma escolha, isto é, escolho não escolher). É ai que nasce sua certeza de que existe liberdade na ação do homem independente do seu tipo de escolha: se ação ou inação.
Segundo seu pensamento o poder da decisão não é determinado pelas circunstâncias. Se assim fosse teríamos de imaginar que um mundo perfeito deveria existir com circunstancias estritamente agradáveis e imutáveis. Isso é impossível por ser um antimundo, um mundo da ideia, um mundo ilusório.
Sua crítica existencialista o obriga a defender a inexistência do divino sobre o homem. Pensamento este que o aproxima de Feuerbach no sentido de dizer que homem inventou a deus e não deus ao homem. Sartre vai mais adiante: Em sua proposta aponta que somente a existência e capaz de gerar um estado de coisas. Imaginamos que queira dizer com isso que somente um contexto criado através das relações sociais seja capaz de criar, modificar ou se destruir as coisas. Sejam o que forem metafísicas ou não. De outra maneira podemos dizer que Deus é uma ideia, uma instituição projetada pelo homem.
Se couber ao homem decidir sobre fazer ou não fazer o mundo dado através das instituições culturais “são” uma apenas uma imposição do “fazer” instituído negando o não “ser” em nome de outras instituições do pensamento que priorizam um tipo de essência existencial dum modo de “ser”. Então a decisão está no “ser” e como este pretende como lhe suceda sua existência através de sua escolha.
Para o nada ou niilismo vai de encontro às verdades estabelecidas pela Igreja que prima por sociedade sem manchas, sem nódoas, livre de ideias que perturbem está pretensão de paz. Neste sentido seu ateísmo fere objetivamente um ramo petrificado em vários setores e classes de todas as sociedades: além das religiões, obviamente, também as instituições camufladas com a máscara do Estado.

Como em qualquer sociedade europeia a França em tempos não muito distante também fazia parte dos conchavos da Igreja com seus dirigentes, ou seja, até a formação dos Estados laicos em todo o mundo. Em outros termos todas as sociedades sobrevivem da exploração da fé em “algo” e não haveria de ser diferente na França. Verdade é que sua importância para esta sociedade não o livrou de críticas duras e da proibição de seus livros na lista da Igreja católica para seus fieis.
O mundo sartriano é o mundo da matéria, do palpável, do empirismo. Sua resposta às críticas destes setores foi em pronunciar que “o existencialismo é um humanismo”. Esta definição é muito ampla para os que aceitam sua teoria porque nela temos a possibilidade de defender toda ação (ação como causa existencial) humana que esteja voltada para uma nova forma de existir no sentido material e de melhoramento desta humanidade individualizada.
Da mesma forma que o sujeito de Sartriano não pode se ressentir de um mundo com obrigação de escolhas. Sartre não impõe a necessidade de que Deus não exista. Quando assim diz nos faz pensar que Deus é também uma circunstância assim como o Diabo também pode ser. A alternativa para religião e transferir a realidade para um plano fora do homem na ideia de bem e mal, tornar mítica e menos dolorosa a vida dos homens. A solução em Sartre é entender a realidade fundada no sujeito da ação. A lenda serve para esta ou aquela idade até que se alcance a idade da razão.
Sartre nos pôs entre “nada e o nada”, “ir e ficar”, “escolher e não escolher”. Diferentemente das instituições da fé que nos obriga a optar entre Deus e o Diabo.
A filosofia de Sartre não é nova, mas sua firmeza e as circunstancias que determinaram sua escolha o tornaram de grande importância para o mundo contemporâneo. Em resposta a esta frase ele diria que as circunstâncias não determinam as ações, mas que o sujeito seja detentor das circunstâncias na proporção que toma diferentes ações como medida de decisão, porém como a filosofia é uma porta aberta para qualquer hipótese não conseguiremos entender de fato se o certo é aceitar as circunstâncias como formadora do pensamento ou entender o pensamento como formador das circunstancias.
O que sabemos e podemos compreender com facilidade é que se a circunstância possibilitar liberdade e “não dor” esta é a opção primeira de qualquer indivíduo. Desta forma caracterizamos o egoísmo no sentido que Sartre da à liberdade e notado por uma forma até simplista caso não analisarmos Sartre, além disso, mas não esqueçamos que não há limites para o pensamento: somente quando o impomos a uma forma ideológica qualquer...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Urbanização de São Paulo: Chicago ou Paris?

Em 1878 fundou-se em São Paulo o primeiro sistema de abastecimento de água a Companhia de água e esgoto Cantareira. São Paulo já estava em ebulição, era o destino preferido dos cafeicultores interioranos, também dos imigrantes europeus. 
O processo de urbanização paulistana é uma síntese de contradição copista: os primeiros barros criados para elite indicava europeização da cidade (Campos Elísios, Indianópolis e o próprio Higienópolis que remete a questão da limpeza racial) para clarificar nossa proposição de copistas às avessas havemos de lembrar que diferente do que fizeram os europeus com seus rios São Paulo os matou ou fez com que sumissem embaixo do asfalto (caso Tamanduateí e do riacho Anhangabaú – o primeiro canalizado vergonhosamente sujo e poluído, o segundo sumido da Avenida 9 de julho). Em 1912 inicia-se a canalização do Tamanduateí juntamente com um projeto de aterramento das várzeas deste e do Anhangabaú. Este foi é o primeiro episódio que marca o desastrado urbanismo paul…