Pular para o conteúdo principal

Doença literária

A autoajuda antes de ser uma pecha social do pós-modernismo é uma doença literária que ataca escritores e leitores. Se pretende antídoto, no entanto é o próprio malefício. Uma indefinição de si outorgada a outrem a tentativa de se planificar num modelo dado e acabado, ou seja, o sujeito reconhece a dificuldade de se encontrar em sua indefinição existencial forjar-se num padrão que negue as aventuras naturais das auto descobertas e pauta-se num modelo estrategicamente aceito pela maioria como meio de sobrevivência: a mentira! O lodo do lago essencialista.
A vida é nada de formas perfeitas e bem ordenadas, nada de padrão, apenas uma ordem a seguir: a ordem do desejo que é tão inconstante quanto a perfeição que se impõem nos paradigmas, seja isso, anteposição e planificação que são por si mordaças imputadas confluídos nos moldes institucionais.
Dizem os profissionais da autoajuda: “seja feliz agora”; “o possível é o que você pensa de você”. E muitas outras frases de efeito motivacional amparadas em respostas práticas casadas no agora e no além-túmulo.
Todo modelo motivacional esconde a verdade helenista, isto é, tornaram-se um plágio escabroso do pensamento pitagórico: “o homem é a medida de todas as coisas”. Os profissionais da felicidade insistem em maquiar textos bíblicos, filosóficos, expressões populares, axiomas, máximas, apotegmas e o que podem na tentativa de vender suas “belas” parábolas baseadas em estudos neurolinguísticos e afins - escamoteando outra verdade gritante entre os homens: a desigualdade de oportunidades. Escondem o sistema dado e colocam o motor “nos fundos” do indivíduo que é o único culpado por suas desditas.
Escritores de livros de autoajuda sintetizam os sintomas do atraso ideológico de um povo. Limitam-nos a vereda de sua crença, tornam o social mítico - traçam uma realidade baseada exclusivamente na passividade e na leniência. Isto é, esses escritores metidos a profetas fazem  seus leitores cúmplices de seus próprios males. (O mal a ser corrigido não está no sujeito que não sabe o que “é”, no que não se encontrou, não tem lócus ou não crer no futuro, mas naqueles que provocam esses danos aos outros).
O engodo geral é perpetrado na máscara que o Estado oferece ideologicamente como verdade necessária a ordem.
 Como “o possível é o que penso de mim” se “o que penso me é dado” por outrem neste eterno momento de levitação e abdução nas ideias dos adivinhadores da felicidade, os profetas que nada mais querem além de fama e milhares de dinheiros? Hipócritas! Quando pensar careço pensar por ser instigado para responder as necessidades reais ou ações que me são plausíveis – não a um modelo neurolinguístico motivacional criado num laboratório (sendo, sempre, uma amostra tosca da realidade). Esta metodologia de enriquecer dizendo curar os males das almas alheias pauta-se na padronização de eufemismos, de frases bem acabadas para encobrir uma verdade: a sua! É dissertação de uma patranha sobre o real sob forma de demanda social. Autoajuda é uma farsa literária concebida a partir de parasitoses religiosas.
O que lhe sobra então? A escolha de ser um títere feliz ou construir “suas verdades” sozinho, pois o que vem de fora não lhe é particular... Somente a imanência é capaz de nos tornar sólidos. Isso foi óbvio para quem não suporta o "bla bla blá" da autoajuda e confuso para quem precise dela. Isso não é tudo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Urbanização de São Paulo: Chicago ou Paris?

Em 1878 fundou-se em São Paulo o primeiro sistema de abastecimento de água a Companhia de água e esgoto Cantareira. São Paulo já estava em ebulição, era o destino preferido dos cafeicultores interioranos, também dos imigrantes europeus. 
O processo de urbanização paulistana é uma síntese de contradição copista: os primeiros barros criados para elite indicava europeização da cidade (Campos Elísios, Indianópolis e o próprio Higienópolis que remete a questão da limpeza racial) para clarificar nossa proposição de copistas às avessas havemos de lembrar que diferente do que fizeram os europeus com seus rios São Paulo os matou ou fez com que sumissem embaixo do asfalto (caso Tamanduateí e do riacho Anhangabaú – o primeiro canalizado vergonhosamente sujo e poluído, o segundo sumido da Avenida 9 de julho). Em 1912 inicia-se a canalização do Tamanduateí juntamente com um projeto de aterramento das várzeas deste e do Anhangabaú. Este foi é o primeiro episódio que marca o desastrado urbanismo paul…