Pular para o conteúdo principal

Questões sartrianas ★

Quando homem tem suas necessidades básicas satisfeitas sai de sua condição animal de luta pela existência (em sociedades modernas podemos considerar este feito como sub existência) e passa à intuspecção. Essa introspecção quando exposta é a tentativa de mostrar as chagas coletivamente aberta num grupo social, mostrar um caminho menos doloso para uma questão ou ainda suturar a carne exposta de nossas vontades que de um instante para o outro deixam de ser úteis e passam a sandices.
Dia a dia estamos expostos a elementos que vão do nobre ao escatológico em textos diversos que vão (hoje) de blogs a livros de capa dura. Para conceber a razão ou dar um valor a emoção havemos de estar, certamente, satisfeitos em nossas buscas para o organismo. Maslow? Talvez não. Sabemos disso antes de sua enumeração piramidal.  
Assim conseguimos investigar sobre a razão, a emoção, a subjetividade, etc.,.
Chegaram (alguns de nós) num estado tão puro de refinamento da emoção que o eu não está mais na condição animalesca do egoísmo. Ou seja, esse eu entende-se por um ser coletivo e tornam-se espantosas e insólitas as ações que não mostrem esse entendimento.
Numa investigação filosófica Jean Paul-Sartre (Esboço para uma teoria das emoções) afirma que a psicanalise não dá vida a emoção. O que quer dizer é que simplesmente atribui o ato ou respostas a uma "consciência implícita" qual não temos clara noção. Mas em que momento temos parte desta noção (sendo que apresenta-se como uma porta entre aberta) e a todo instante o que nos move é o caráter emocional de nossas incontáveis veleidades?
O que chamamos de racional é nada mais do que o quê cristalizamos a partir de uma prática emotiva convencionada como ideal a existência. Preciso de uma casa! Isso pode ser emocional ou racional dependendo da sociedade que estou.
A conduta emotiva em Sartre não tem função objetiva. É um meio para determinado fim. É um caminho para o equilíbrio das tensões. Sartre (p. 66) confere ao "medo passivo" o caráter de prudência. Houve uma simplificação desta ideia uma vez que um bloqueio tão intenso com a realidade caracterizado na "auto destruição" seja uma medida que não conduz a realização plena da emoção enquanto "temor extremo" dando a consciência uma carapaça de impotência e que esta fique satisfeita em aniquilar-se.
Desta forma o medo deixa de ser um apenso da emoção e podemos caracterizá-lo  como "padrão reflexivo" (isolamento) ou elemento paradoxal a cólera nas vias de fuga do real.
Se a emoção caracteriza-se por impaciência (cf. Sartre, p. 70) onde colocamos a satisfação que impregna seus estados positivos que não são puramente impaciência, mas gozo? Haveríamos de traçar mais que um formato ou dissecar a emoção em positiva e negativa com nomenclaturas próprias e distintas em sua semiótica, também deixar de atribuir algumas sensações a emoção, mas integrá-las tão somente "as consciências.
Que motivação tem a falsa alegria? Ou seja, a reação falsa sobre uma resposta que A entende B esperar (que é uma simbolização de uma emoção) concebe-se um formato adequado na consciência  de A. Logo B percebe que a satisfação de A não é real, no entanto tolera. A falsidade (que é um pechisbeque emocional) convencionou-se como instrumento para obtenção dos desejos que a emoção propõe tanto A como B. Reconhecem esse jogo implicitamente. Logo a emoção entra nas esferas da luta pela sub existência de maneira sutil com a validade de todos.
O que é emoção? Seria puramente a consciência das coisas? Ou só "é" (emoção) se lhe conferirmos um sentido? Não há uma resposta prática e contundente para isso, mas inúmeras verificações que nos ajudam delimitar-nos sobre a linha tênue de nossas ações dia-após-dia. A emoção evita a violência como num jogo de regras ou "como um jogo de regras" que venha fazer parte das necessidades básicas da vida. Por outro lado o  desapego as regras encaminha a emoção para formas violentas. Aqui não há emoção em questão, mas uma forma egocêntrica de trazer equilíbrio à consciência. Esse novo instrumento ou a percepção clara dele divide o humano em dois polos: o que sabe jogar (e ganhar) e "o que sabe perder" por não entender o jogo.
Poderíamos então afirmar que emoção não tem caráter sólido e comum ao lócus e classifica-la somente como um estado de respostas as nossas veleidade? Não sabemos ★.


SARTRE, Jean Paul. Esboço para uma teoria das emoções. L & P M. Porto Alegre, RS. 2006

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Sartre: o filósofo do nada e da decisão.

Entre as frases mais conhecidas de Sartre está a que diz que “o homem está condenado a ser livre”. Para este filosofo só o egoísmo nos explica. Não o egoísmo de Adam Smith, mas talvez se aproximasse do egoísmo hobesiano não houvesse uma distinção clara entre indivíduo e Estado respectivamente.
É através de uma necessidade egoísta que temos a obrigação de escolher “ou não” (que também é uma escolha, isto é, escolho não escolher). É ai que nasce sua certeza de que existe liberdade na ação do homem independente do seu tipo de escolha: se ação ou inação. Segundo seu pensamento o poder da decisão não é determinado pelas circunstâncias. Se assim fosse teríamos de imaginar que um mundo perfeito deveria existir com circunstancias estritamente agradáveis e imutáveis. Isso é impossível por ser um antimundo, um mundo da ideia, um mundo ilusório. Sua crítica existencialista o obriga a defender a inexistência do divino sobre o homem. Pensamento este que o aproxima de Feuerbach no sentido de dizer que…

Urbanização de São Paulo: Chicago ou Paris?

Em 1878 fundou-se em São Paulo o primeiro sistema de abastecimento de água a Companhia de água e esgoto Cantareira. São Paulo já estava em ebulição, era o destino preferido dos cafeicultores interioranos, também dos imigrantes europeus. 
O processo de urbanização paulistana é uma síntese de contradição copista: os primeiros barros criados para elite indicava europeização da cidade (Campos Elísios, Indianópolis e o próprio Higienópolis que remete a questão da limpeza racial) para clarificar nossa proposição de copistas às avessas havemos de lembrar que diferente do que fizeram os europeus com seus rios São Paulo os matou ou fez com que sumissem embaixo do asfalto (caso Tamanduateí e do riacho Anhangabaú – o primeiro canalizado vergonhosamente sujo e poluído, o segundo sumido da Avenida 9 de julho). Em 1912 inicia-se a canalização do Tamanduateí juntamente com um projeto de aterramento das várzeas deste e do Anhangabaú. Este foi é o primeiro episódio que marca o desastrado urbanismo paul…