Pular para o conteúdo principal

A TV e a Educação S/A

A TV Brasileira está (mais uma vez) naturalizando a burrice, a ignominia de uma nação, de famintos, de doentes mentais que não sabem o que é viver em sociedade (estou falando dos shows da fé, dos enlatados cinematográficos, dos programas de sábado e domingo a tarde, não falo mais das repetitivas novelas, dos jornalecos - que com intuito claro de ludibriar -  mostra somente aquilo que interessa ao "dono da emissora"). Não falo das propagandas subliminares impostas nas programações hora após hora; falo dos resultados disso: alienação total de uma nação em causas efêmeras.
Quem perde com isso? A arte (de onde poderá sair artistas se os jovens estão preocupados com a marcha da canabis sativa); a política (os filhos da burguesia querem subir na vida estudam nas empresas de Educação S/A formam-se técnicos, bacharéis ou especialistas; os mais atrevidos fundam novos partidos inúteis), as ciências (passam a depender do investimento de grupos fechados - capitalistas - sem a ação do estado que está privatizado após entregar suas, mais uma vez, a grupos de financiamento estrangeiro), mas (terrivelmente) a educação, pois a massa não a conhecendo não há nada a fazer além de obedecer a um sistema hipócrita que mantem uma ciência bamba, instituições de políticos quasímodos e uma Arte... Arte? O que é arte? Educação? Ah! Malfadada educação mãe de tudo que é digno qual onde falta é razão de todos os males sociais!

No entanto, existe sim um modelo que funciona em meio a tudo isso. O modelo particular de pessoas autodidatas ou daqueles em que as escolas custam vários salários de um trabalhador. Em resumo. Para o povo sobra apenas o circo, para alguns o pão e o circo, para outros o pão, o circo e os chicotes para guiar as azêmolas devidamente posta em seus antolhos... 
E vão... Todos felizes às inutilidades públicas semanais, as babaquices S/A, aos títeres LTDA, aos risos sardônicos de si (inconscientemente) pelas mãos de uma mídia de "astros" boçais.
Mais uma vez: que Zeus me dê fígado!!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Urbanização de São Paulo: Chicago ou Paris?

Em 1878 fundou-se em São Paulo o primeiro sistema de abastecimento de água a Companhia de água e esgoto Cantareira. São Paulo já estava em ebulição, era o destino preferido dos cafeicultores interioranos, também dos imigrantes europeus. 
O processo de urbanização paulistana é uma síntese de contradição copista: os primeiros barros criados para elite indicava europeização da cidade (Campos Elísios, Indianópolis e o próprio Higienópolis que remete a questão da limpeza racial) para clarificar nossa proposição de copistas às avessas havemos de lembrar que diferente do que fizeram os europeus com seus rios São Paulo os matou ou fez com que sumissem embaixo do asfalto (caso Tamanduateí e do riacho Anhangabaú – o primeiro canalizado vergonhosamente sujo e poluído, o segundo sumido da Avenida 9 de julho). Em 1912 inicia-se a canalização do Tamanduateí juntamente com um projeto de aterramento das várzeas deste e do Anhangabaú. Este foi é o primeiro episódio que marca o desastrado urbanismo paul…