Pular para o conteúdo principal

A TV e a Educação S/A

A TV Brasileira está (mais uma vez) naturalizando a burrice, a ignominia de uma nação, de famintos, de doentes mentais que não sabem o que é viver em sociedade (estou falando dos shows da fé, dos enlatados cinematográficos, dos programas de sábado e domingo a tarde, não falo mais das repetitivas novelas, dos jornalecos - que com intuito claro de ludibriar -  mostra somente aquilo que interessa ao "dono da emissora"). Não falo das propagandas subliminares impostas nas programações hora após hora; falo dos resultados disso: alienação total de uma nação em causas efêmeras.
Quem perde com isso? A arte (de onde poderá sair artistas se os jovens estão preocupados com a marcha da canabis sativa); a política (os filhos da burguesia querem subir na vida estudam nas empresas de Educação S/A formam-se técnicos, bacharéis ou especialistas; os mais atrevidos fundam novos partidos inúteis), as ciências (passam a depender do investimento de grupos fechados - capitalistas - sem a ação do estado que está privatizado após entregar suas, mais uma vez, a grupos de financiamento estrangeiro), mas (terrivelmente) a educação, pois a massa não a conhecendo não há nada a fazer além de obedecer a um sistema hipócrita que mantem uma ciência bamba, instituições de políticos quasímodos e uma Arte... Arte? O que é arte? Educação? Ah! Malfadada educação mãe de tudo que é digno qual onde falta é razão de todos os males sociais!

No entanto, existe sim um modelo que funciona em meio a tudo isso. O modelo particular de pessoas autodidatas ou daqueles em que as escolas custam vários salários de um trabalhador. Em resumo. Para o povo sobra apenas o circo, para alguns o pão e o circo, para outros o pão, o circo e os chicotes para guiar as azêmolas devidamente posta em seus antolhos... 
E vão... Todos felizes às inutilidades públicas semanais, as babaquices S/A, aos títeres LTDA, aos risos sardônicos de si (inconscientemente) pelas mãos de uma mídia de "astros" boçais.
Mais uma vez: que Zeus me dê fígado!!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Sartre: o filósofo do nada e da decisão.

Entre as frases mais conhecidas de Sartre está a que diz que “o homem está condenado a ser livre”. Para este filosofo só o egoísmo nos explica. Não o egoísmo de Adam Smith, mas talvez se aproximasse do egoísmo hobesiano não houvesse uma distinção clara entre indivíduo e Estado respectivamente.
É através de uma necessidade egoísta que temos a obrigação de escolher “ou não” (que também é uma escolha, isto é, escolho não escolher). É ai que nasce sua certeza de que existe liberdade na ação do homem independente do seu tipo de escolha: se ação ou inação. Segundo seu pensamento o poder da decisão não é determinado pelas circunstâncias. Se assim fosse teríamos de imaginar que um mundo perfeito deveria existir com circunstancias estritamente agradáveis e imutáveis. Isso é impossível por ser um antimundo, um mundo da ideia, um mundo ilusório. Sua crítica existencialista o obriga a defender a inexistência do divino sobre o homem. Pensamento este que o aproxima de Feuerbach no sentido de dizer que…