Pular para o conteúdo principal

Sangue de político


O povo merece os políticos que tem! 
Me consta que não devemos ofender nem bradar contra políticos, pois sua origem não é estrangeira, nem extraterrestre, a origem desse político é esse povo. Carregado de ignorância, alienado em suas causas pequenas, sem abertura para um entendimento coletivo, sem capacidade de refletir sobre o futuro, a eugenia. Um povo preso ao umbigo e as necessidades fisiológicas.
O político de hoje é o povo de ontem. É um filho quasímodo do cruzamento de Adam Smith com as patranhas socialistas. É um monstro forjado na veleidade keynesiana. Esses sujeitos levam o povo as suas formas mais toscas de ver a vida: fazem da política um dogma e não uma instituição social para as casas da vida. Por outro lado alimentam o afastamento de um grupo do povo que se enoja desse teatro de horrores e falcatruas. 
Com isso todos perdemos. O status quo permanece: de um lado os gananciosos, do outro povo querendo ser feliz a qualquer custo acreditando nas pechas de um estudo caso de um agrupamento comunitário a partir de uma escola ou ainda acreditando que "é assim" e nada dará outro jeito. 
Afirmo que a história nos ensina: quando não vemos saída para algo é porque está na hora de sentirmos cheiro de revolução (comecemos com corruptores).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Urbanização de São Paulo: Chicago ou Paris?

Em 1878 fundou-se em São Paulo o primeiro sistema de abastecimento de água a Companhia de água e esgoto Cantareira. São Paulo já estava em ebulição, era o destino preferido dos cafeicultores interioranos, também dos imigrantes europeus. 
O processo de urbanização paulistana é uma síntese de contradição copista: os primeiros barros criados para elite indicava europeização da cidade (Campos Elísios, Indianópolis e o próprio Higienópolis que remete a questão da limpeza racial) para clarificar nossa proposição de copistas às avessas havemos de lembrar que diferente do que fizeram os europeus com seus rios São Paulo os matou ou fez com que sumissem embaixo do asfalto (caso Tamanduateí e do riacho Anhangabaú – o primeiro canalizado vergonhosamente sujo e poluído, o segundo sumido da Avenida 9 de julho). Em 1912 inicia-se a canalização do Tamanduateí juntamente com um projeto de aterramento das várzeas deste e do Anhangabaú. Este foi é o primeiro episódio que marca o desastrado urbanismo paul…