Pular para o conteúdo principal

Não venha a São Paulo!

São Paulo com capital de nome igual despontou nas décadas finais do Século 18 em termos de grande centro comercial para a realidade brasileira daquela época.
Hoje sua capital com cerca de 12 milhões de habitantes vive o caos em tudo que seja questão social.
Transito caótico e assassino; as mortes se aproximam anualmente, segundo pesquisas, a números de países em guerra civil.
Em São Paulo (capital) é mais gritante a desigualdade social, contudo não de fácil percepção porque o Estado e as empresas de crédito promovem a "felicidade financiada" garantindo a satisfação dos assalariados endividados. Carros e outros objetos de desejo são comprados em parcelas que duram uma infância.

A elite está blindada em automóveis e casas de milhão para cima. As classes "B" e "C" se esmeram em financiar a vida, pois a TV ensina a ter o mínimo de conforto. Os antolhos estão em muitas faces e diálogos. O povo se empurra no transporte público como animais sem nenhum respeito pelo próximo:
Note (foto abaixo) que a senhora usa uma bota ortopédica e não recebeu dos presentes a oferta de um banco (isso por 6 estações). Adolescentes e
adultos fingem sonolência para resguardarem-se sentados diante de uma
cena como esta ou na chegada de um idoso.
Como toda cidade aberta ao Kismo vive-se a sensação do salve-se quem puder. As questões humanitárias ficam no plano da boçalidade da novela ou da filantropia quinquagenária, pois as novas fundações são ONGs e estão quase todas para sugar o Tesouro Nacional com o apoio
dos técnicos políticos de plantão. Estão na onda do capital. Também é mais evidente que sindicatos são fachadas comerciais apenas. As resoluções são jogos de cartas marcadas - não tardam em criar descontos extras nos salários já estrangulados por impostos e custo de vida alto.
O pobre ganha o suficiente para sub existir em áreas cada vez mais distantes dos centros importantes. Novidade?
O estado de euforia gerado pelo exaspero do lucro individualizado, a mídia induzindo ao consumismo, as oportunidades desiguais a partir da distribuição de renda fazem desta capital um lócus da busca do lucro fácil e rápido, a educação em frangalhos, o egoísmo aparente, o medo generalizado, uma megalópole, uma face: locomotiva da ganância.
Numa ponta a elite quer garantir a lucratividade: explora os empregados, manipula dados (Paulo Preto secretário do governo José Serra separou da esposa para pagar menos impostos - ainda moram juntos), sabota, corrompe sempre que precise; na outra ponta sujeitos das classes C, D que não aceitam esta desigualdade, não acreditam no judiciário, sabem que em todas as esferas os homens são passíveis de corrupção porque o exemplo vem de cima, roubam, matam, extorquem e continuam livres assim como os membros da elite que corrompem, superfaturam, manipulam...
Enquanto isso dois grupos estúpidos se matam. O primeiro: a força repressora do Estado (homens com salários mais que dispares numa corporação) faz estes sujeitos acreditarem num sistema que ninguém acredita (boa parte deles estão a serviço do crime) os outros são homens de bem, mas se equivalem a bonecos morrendo nas ruas em troca de uma causa que não é sua. O segundo: a sociedade marginalizada por falta de opção ou por vontade própria rouba, tira a vida de inocentes, destrói lares, atormentam, apavoram, extorquem, usurpam, corrompem, manipulam.
Chegamos a uma infeliz coincidência: o bandido pratica iguais atos da elite, mas em locais e maneiras diferentes! Chagamos a uma infeliz conclusão: nada vai mudar!
As cidades grandes são as novas prisões modernas para garantia do lucro fácil de um grupo e o crime é um artefato para que esse grupo entre em cena como "salvador da pátria" de todas as semanas.
As grades gigantes nos circundam dia após dia.
O medo invade as ruas. As pessoas temem dar informação a outrem. Os adolescentes promovem escárnios, pensam ser melhores que outros povos e outras culturas (alguns são adultos com cérebro de adolescente). Motoristas não respeitam ciclistas; funcionários públicos (quando autoridades) impõem-se por medo de represálias não pelo respeito (você sabe com quem está falando?). A pobreza cresce diametralmente a riqueza de alguns. As leis (em parte) são cumpridas quando a mídia sensacionalista promove seu escarcéu de práxis. O crime é fortalecido dia após dia não se sabe por quais forças.

Assim quer o patrão nosso de todos os dias: o Sr. Kismo.

_____________  JORNAIS  ______________________



15/11/12



Oito são mortos na Grande São Paulo; três policiais são baleados

_____________________



Noite tem saldo de sete mortos e 14 feridos na Grande São Paulo;

Familiares de PMs fazem ato contra violência na Avenida Paulista;

______________


Tenente diz que não denunciou PMs por ter medo de represálias.

_______________


16 de novembro de 2012 | 13h 18

Promotor visa bloqueio de R$ 3,5 bi de Maluf.

Para promotor, decisão da Corte de Jersey abre portas para bloqueio definitivo dos bens



http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,promotor-visa-bloqueio-de-r-35-bi-de-maluf,961116,0.htm 


(eis aqui uma das piores formas de violência: corrupção)

_______________



17/11/12



Noite de violência em SP tem chacina e arrastão com ao menos 8 mortos

http://www.estadao.com.br/noticias/cidades,noite-de-violencia-em-sp-tem-chacina-e-arrastao-com-ao-menos-8-mortos,961425,0.htm

___________________________

17/11/2011

Executada com 10 tiros na frente da filha


...policial militar Marta Umbelina da Silva, de 44 anos, resolveu acompanhar a filha mais velha, Joyce, de 21, até o ponto de ônibus. Levou junto a caçula, de 11. Ela andava preocupada com a segurança da família...



http://www.estadao.com.br/noticias/cidades,executada-com-10-tiros-na-frente-da-filha,961563,0.htm

_______________________


18/11/2012 - 05h45

Governo paulista também anunciou em jornal-fantasma

http://www1.folha.uol.com.br/poder/1187128-governo-paulista-tambem-anunciou-em-jornal-fantasma.shtml

__________________________


18/11/2012 - 03h00

'São Paulo faz muita gente cultivar neuroses', diz documentarista de animais

Em 20 anos de carreira por trás das câmeras, o paulistano Lawrence Wahba, 43, já registrou de focas siberianas de água doce a gorilas em Ruanda. Os perigos da selva, porém, não o assustam como a violência da capital.



http://www1.folha.uol.com.br/saopaulo/1186238-sp-faz-muita-gente-cultivar-neuroses-diz-documentarista-de-animais.shtml

_______________________


SÃO PAULO 
17/11/2012 - 11h02



PT (partido do Lula) se cala sobre reaver verba desviada por Maluf.



A decisão contra Paulo Maluf (PP-SP) em Jersey ocorre no momento em que o deputado federal negocia com o prefeito eleito pelo PT, Fernando Haddad, cargos na Prefeitura de São Paulo.


http://www1.folha.uol.com.br/poder/1187054-pt-se-cala-sobre-reaver-verba-desviada-por-maluf.shtml

____________________
 
São Paulo 12/04/14 

São Paulo tem a quita maior taxa de homicídios do mundo:

http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2014/04/1439591-sp-tem-a-5-maior-taxa-de-homicidios-do-mundo.shtml

_____________________

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Sartre: o filósofo do nada e da decisão.

Entre as frases mais conhecidas de Sartre está a que diz que “o homem está condenado a ser livre”. Para este filosofo só o egoísmo nos explica. Não o egoísmo de Adam Smith, mas talvez se aproximasse do egoísmo hobesiano não houvesse uma distinção clara entre indivíduo e Estado respectivamente.
É através de uma necessidade egoísta que temos a obrigação de escolher “ou não” (que também é uma escolha, isto é, escolho não escolher). É ai que nasce sua certeza de que existe liberdade na ação do homem independente do seu tipo de escolha: se ação ou inação. Segundo seu pensamento o poder da decisão não é determinado pelas circunstâncias. Se assim fosse teríamos de imaginar que um mundo perfeito deveria existir com circunstancias estritamente agradáveis e imutáveis. Isso é impossível por ser um antimundo, um mundo da ideia, um mundo ilusório. Sua crítica existencialista o obriga a defender a inexistência do divino sobre o homem. Pensamento este que o aproxima de Feuerbach no sentido de dizer que…

Urbanização de São Paulo: Chicago ou Paris?

Em 1878 fundou-se em São Paulo o primeiro sistema de abastecimento de água a Companhia de água e esgoto Cantareira. São Paulo já estava em ebulição, era o destino preferido dos cafeicultores interioranos, também dos imigrantes europeus. 
O processo de urbanização paulistana é uma síntese de contradição copista: os primeiros barros criados para elite indicava europeização da cidade (Campos Elísios, Indianópolis e o próprio Higienópolis que remete a questão da limpeza racial) para clarificar nossa proposição de copistas às avessas havemos de lembrar que diferente do que fizeram os europeus com seus rios São Paulo os matou ou fez com que sumissem embaixo do asfalto (caso Tamanduateí e do riacho Anhangabaú – o primeiro canalizado vergonhosamente sujo e poluído, o segundo sumido da Avenida 9 de julho). Em 1912 inicia-se a canalização do Tamanduateí juntamente com um projeto de aterramento das várzeas deste e do Anhangabaú. Este foi é o primeiro episódio que marca o desastrado urbanismo paul…