Pular para o conteúdo principal

Hermenêutica profissional / profissionais soberbos

Profissões são respostas as causas sociais. Isso é liquido e certo!
O ser profissional é uma causa temporal dentro duma causa social e coletiva (poucos entende-se assim: acham portentosos em suas representações).
A causa temporal é sua necessidade e o que ela represente num átimo. Então o "ser" profissional representa a si numa causa social mediante aprendizado de técnicas que embute inúmeras causas. Em suma: Os profissionais são atores em causas próprias atendendo e favorecendo uma causa coletiva. Não passam disso: Representações individualistas das causas do estômago e vítimas do status in lócus derivado do modelo mental de cada sociedade para as causas comuns e alheias. Mas!!! Não um "mas" comum e adversativo. Imagine um "mas" ubíquo.  Um que não fuja ao pedantismo de nenhum profissional - principalmente dos (profissionais) instituídos ideologicamente e sem necessidade prática (a não ser servir para manutenção do status quo e da dominação). "Mas"! Está tudo tão bem arranjado que a realidade dada parece certeira e infalível e outra realidade não seria possível: todos sente-se prontos para atuarem nesta teatrocracia.
Em todos os campos temos uma parcela desses, no entanto não podemos ir aos pormenores... Então vamos aos que se fazem (por eles) desnecessariamente especiais: 
  • Vereador: trabalha 3 dias por semana para dar nomes à ruas, hospitais e dizer sim ou não para prefeito (há notícias de que vereadores do Brasil compram projetos prontos de uma empresa especializada, pois não têm condição intelectual de redigir um projeto);
  • Prefeito: promove o endividamento da cidade mediante legislação específica com a certeza de novo sufrágio, pois garantiu o emprego de uma centena de militantes de campanha. Sua principal meta e fortalecer balelas convencionais para fundar as ladainhas federais.
  • Psicólogos:  adoecido de hibridismos profissionais não sabe se é padre, socialista, pastor evangélico, antropólogo ou paciente. Capas de bons samaritanos não sabem se esfolam ou amam seus clientes. 
  • Pedagogo: vítima de dúvidas políticas pensa que pode ser sociólogo, psicólogo, historiador, etc.,. Polimático das causas cotidianas. Vivem de um salário miserável, tornaram-se máquinas de ensinar. Sem refletir amplamente sobre seu papel aceita os ditames dos políticos que usurpam sua ascensão sem questionar. 
  • Padre: Um fantoche de um sistema dogmático proselitista de manutenção da exploração de um homem pelo outro. Filho da Igreja essa prostituta que não cessa de enriquecer. Esse monstro que se alimenta de carne alheia não de seu trabalho...
  • Pastores evangélicos: crias quasimodais dos padres, famintos e desejosos de "poder" (capital) vivem a fingir acreditar na ressurreição - uma espécie de transmigração  da alma para o próprio corpo. Metidos a vereador, psicólogo e professor.
  • Advogados: Eternos sofistas, bufões modernos. Uma prostituta jurídica. Sagrado usuário da frase: "você sabe com está falando"?! E como se não bastasse ainda estende essa pecha a família.O pedantismo tende a se agravar quando investidos do poder de um cargo público (chefes de gabinete, prefeitos, vereadores e outras formas de ser esnobe) 
  •  Prostitutas: se compararmos a políticos merecem nosso respeito - trabalham e ganham honestamente e se causam algum mal são a si.
E agora uma das piores classes:
  • Sindicalistas: Essa laia (raríssimas exceções) fortalecida após a disseminação do pensamento marxista passou a devorar-se pelo rabo para ressurgir atendendo a unanimidade capitalista. Excêntricos lideram o sindicato como se fosse uma empresa e não uma autarquia; sofrem de mal igual a elite (querem ficar ricos!). Louvaminheiros natos, pelegos traidores de suas classes trabalhistas não obstante estão milionários (vide a quadrilha do Partido dos Trabalhadores). 
Não pouparia desta pena mais uma centena de boçais que pensam ser a quintessência ( médicos, professores universitários, eleitos em geral, etc.,) ou pouco refletem sobre sua condição (parte do grupo acima e outros) porém não há necessidade, pois devido a valoração das respostas urgentes cujo momento alguns se tornam supracitados estoutros passam a ser espectros sociais. 
Enfim! Todos iguais distinguindo-se apenas pelo seu grau de soberba. Senhores de si (pretensiosos) e vítimas  da sociedade (serviçais irreflexivos, independente da graduação - quando existe). Valorados em sua importância imediata - não o fosse tornaria sombras como os demais. Mas onde estão as razões para a sustentação desta hierarquia (status e salários) tosca? Qual a diferença de um artesão para um gerente de um advogado ou um gerente de banco? No nível ganância que os governa.
Não é difícil entender a sociedade símile a uma orquestra maligna em favor de uma classe que se faz maestrina regendo as demais enaltecendo uns, sobrepujando outros, enganando a todos e profissionalizando os aptos a subserviência. E Isso não é tudo! 
  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Sartre: o filósofo do nada e da decisão.

Entre as frases mais conhecidas de Sartre está a que diz que “o homem está condenado a ser livre”. Para este filosofo só o egoísmo nos explica. Não o egoísmo de Adam Smith, mas talvez se aproximasse do egoísmo hobesiano não houvesse uma distinção clara entre indivíduo e Estado respectivamente.
É através de uma necessidade egoísta que temos a obrigação de escolher “ou não” (que também é uma escolha, isto é, escolho não escolher). É ai que nasce sua certeza de que existe liberdade na ação do homem independente do seu tipo de escolha: se ação ou inação. Segundo seu pensamento o poder da decisão não é determinado pelas circunstâncias. Se assim fosse teríamos de imaginar que um mundo perfeito deveria existir com circunstancias estritamente agradáveis e imutáveis. Isso é impossível por ser um antimundo, um mundo da ideia, um mundo ilusório. Sua crítica existencialista o obriga a defender a inexistência do divino sobre o homem. Pensamento este que o aproxima de Feuerbach no sentido de dizer que…

Urbanização de São Paulo: Chicago ou Paris?

Em 1878 fundou-se em São Paulo o primeiro sistema de abastecimento de água a Companhia de água e esgoto Cantareira. São Paulo já estava em ebulição, era o destino preferido dos cafeicultores interioranos, também dos imigrantes europeus. 
O processo de urbanização paulistana é uma síntese de contradição copista: os primeiros barros criados para elite indicava europeização da cidade (Campos Elísios, Indianópolis e o próprio Higienópolis que remete a questão da limpeza racial) para clarificar nossa proposição de copistas às avessas havemos de lembrar que diferente do que fizeram os europeus com seus rios São Paulo os matou ou fez com que sumissem embaixo do asfalto (caso Tamanduateí e do riacho Anhangabaú – o primeiro canalizado vergonhosamente sujo e poluído, o segundo sumido da Avenida 9 de julho). Em 1912 inicia-se a canalização do Tamanduateí juntamente com um projeto de aterramento das várzeas deste e do Anhangabaú. Este foi é o primeiro episódio que marca o desastrado urbanismo paul…