Pular para o conteúdo principal

Prostituta pobre e a educação brasileira



Educação no Brasil ou a falta dela!? Poderia também começar afirmando: "PERIFERIA INFERNO DE GENTE VIVA!". Antes é interessante justificar porque a educação que falam num plano geral não é igual a oferecida na rede de educação privada, mas tão somente público, pois os filhinhos da elite estão próximos das médias internacionais em escolas que lhes custam mensalidades equivalente a salários de três ou mais professores da rede pública.
Podemos inferir que o salário do professor não passa de uma mesada de um filho do rico. 
O que justifica tanta discrepância além da gana da elite e de sua sede poder?  Por conta desse padrão a ausência de Educação na periferia, onde vivem a maior parte dos analfabetos funcionais, tem se tornado inferninhos - palcos das alegrias vãs - agora alardeadas até pela TV oficiosa (rede Globo) em suas chulas novelas. As castas também se dão no ramo do conhecimento, já sabemos. 
Enquanto isso governadores dos Estados de Mato Grosso do Sul, Goiás, Piauí, Rio Grande do Sul, Roraima e Santa Catarina¹ lutam na justiça para não conceder um mísero aumento aos professores e corroboram que preferem a educação em frangalhos.
Por outro lado o governo federal mostra uma propaganda mentirosa sobre o último senso educacional. Os índices foram mascarados. Mostrou-se somente a parte relevante que não é nada em comparação a outros países mais pobres e melhores colocados.
Não é só nos testes escolares que podemos perceber a falta de educação dos brasileiros: o transporte público, o trânsito, as instituições públicas onde é tratado com desdém se não aparentar bem financeiramente ou não tiver um sobrenome estrangeiro, pois aqui o de fora é nobre... (Não sou jacobino, apenas não tolero acepção de pessoas, porém não me privo de dizer que brasileiro é uma prostituta pobre!)
A falta de respeito ao próximo é gritante, principalmente, na periferia. O sujeito da periferia é aquele que mal consegue concluir o ensino médio e quando consegue não domina a escrita que dirá interpretar de textos. 
A "periferia é um inferno de gente viva"! Érebo da alegria desvairada e doentia de uma gente sem perspectiva diferente do que lhe é imposto. A satisfação desse "povo do agora" sem educação é poder fazer churrascos com bebedeiras e som alto todo final de semana. 
Como acreditar na melhora da educação do Brasil se quem "educa" a maioria destas crianças são estas pessoas que nada querem nada sabem além festejar o NADA (o quê não sei...). Esta massa falida e acéfala que não respeita a natureza, a si ou ao próximo. Serve, apenas, como "bucha" de consumo! Favorecendo uma educação prostituída num eterno gozo onanístico.
Como acreditar que o Brasil (brasileiro) vai ser melhor se o egoísmo e a usura é o seu forte?! Talvez herança da lentidão dos portugueses...
Não dá para acreditar nas falácias dos dirigentes, pois estão ali para usufruir das benesses dos cargos (novos régulos). Temos até senadores de aluguel... Que dirá de outros cargos menos importantes? A maior parte vendidos a quem financiou sua campanha. Prontos para surrupiar o erário, pois a lei possibilita a prescrição dos crimes dos políticos... Jamais prescrevem-se crimes de outros mortais.
Não se acredita mais em nada! A cidadania marciana salvará os não alienados que só querem paz! Que apenas querem respeito as artes consagradas - agora lançadas ao limbo para um gozo comercial ou por lascívia de seus agentes. O Brasil vive a síndrome de um caos instituído na desordem da busca dos prazeres diários: o nordeste é um antro a céu aberto, um inferno sonoro assim como as periferias dos grandes centros urbanos, o sudeste faz  trilha equivalente com a amoralidade do “funk” (uma sonoridade aleijada tomando os cérebros dos jovens) das periferias e até os centros das principais cidades. O sul, o norte e o centro-oeste estão em vias de ser... Um paradigma dessa situação pode ser sintetizado da seguinte forma: imagine um truão que ganha na loteria e quer gastar tudo antes de sua morte. Está é a síntese do brasileiro feliz com seu mísero salário e sem educação.  
Por favor... Queria ter nascido ser índio! Já dizia um velho cacique: "Selvagem é o branco". No nosso caso selvagem é o mestiço. Somos mestiços que lambe o rabo dos europeus e dos americanos: nossos exploradores oficiais com o apoio de uma "elitezinha" vagabunda e soberba que dá tudo para aparecer na TV. 
Estou farto deste Brasil pobre de espírito! Ignavo! Sem compromisso com a natureza, sem compromisso com educação de seus filhos! Farto desses zumbis que tomam as cidades se achando humanos porque estão consumindo como manda o Estado a espreita de impostos e empresários ávidos por lucros exorbitantes. 
Todavia para que não sejam mal vistos ambos fingem vem "preocupações com questões sociais. Enfim a massa se assemelha a uma prostituta pobre, a elite, como haveria de ser, uma puta rica e o Estado Brasileiro gigolô de ambas em relação as potências externas no  comércio e nos consórcios educacionais.
__________________________________________________________

Base para comentário:

A realidade brasileira e sua alienação.
______________________________

1 - http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,ministro-critica-judicializacao-da-lei-do-piso-dos-professores,926825,0.htm

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Sartre: o filósofo do nada e da decisão.

Entre as frases mais conhecidas de Sartre está a que diz que “o homem está condenado a ser livre”. Para este filosofo só o egoísmo nos explica. Não o egoísmo de Adam Smith, mas talvez se aproximasse do egoísmo hobesiano não houvesse uma distinção clara entre indivíduo e Estado respectivamente.
É através de uma necessidade egoísta que temos a obrigação de escolher “ou não” (que também é uma escolha, isto é, escolho não escolher). É ai que nasce sua certeza de que existe liberdade na ação do homem independente do seu tipo de escolha: se ação ou inação. Segundo seu pensamento o poder da decisão não é determinado pelas circunstâncias. Se assim fosse teríamos de imaginar que um mundo perfeito deveria existir com circunstancias estritamente agradáveis e imutáveis. Isso é impossível por ser um antimundo, um mundo da ideia, um mundo ilusório. Sua crítica existencialista o obriga a defender a inexistência do divino sobre o homem. Pensamento este que o aproxima de Feuerbach no sentido de dizer que…