Pular para o conteúdo principal

Nome aos bois II

Nos aproximaríamos mais da verdade se fosse eufônico e palatável pudéssemos escrever "nomes aos porcos", contudo não seria inteligível no sentido que queremos dizer. Menos ainda se quiséssemos chamar a atenção para essa choldraboldra intitulando este escrito como um termo mais distante de sua semiologia, porém muito próximo da realidade, isto é: "Nome aos javalis". Senhores javalis não nos matem, libertem-nos! Sabemos que o javali é um porco selvagem, um monstro pré-histórico, uma representação da fúria e sagaz assassino. Nada muito distante dos homens que vamos apresentar.
Não temos tempo nem espaço para falar dos sanguinários pré-europeus, asiáticos, babilônicos, persas, romanos, galeses nem da santa amada Igreja ou de casos mais recentes como a conquista dos espanhóis que dizimaram populações imensas de indígenas (com o santo apoio do papa), nem vamos a miúde do que fizeram os norte americanos em suas conquistas mundo a fora, ou entrar nos detalhes das ações em que os portugueses eram marionetes no governo de terras brasileiras (quando "não fantoches" desprovidos de nacionalismo prontos a servirem as ricas metrópoles europeias). Nem falar de Hitler, Stalin ou Lenin e seus séquitos dementes.
Deixando a História (um pouco) de lado o que nos inspira é o "agora e um passado recente".
Vejam estes casos. Quando o sujeito não é um assassino do corpo pretende-se um homicida da mente alheia:
Vladimir Putin (Rússia: "projeto de ditador - comum e retrogrado" criado nos tubos de ensaio da KGB; no presente, juntamente com seu braço direito a Igreja Ortodoxa limita a arte e a crítica a seu governo. É vexatório o que a sociedade russa faz ao Pussy Riot: grupo punk politizado e antagônico);
Hugo Chaves (Venezuela: ditador, manipulador, também luta para calar a imprensa e se tornou uma língua morta no combate ao imperialismo);
Luiz Inácio Lula da Silva (Brasil: aderiu com grande afinco a leis criadas em 2010 para suprimir a liberdade de imprensa em seu país. O partido qual fundou e é presidente de honra está envolvido no num dos maiores escândalos de corrupção em nível nacional. Fã de Fidel Castro e Hugo Chaves que é amigo de Putin);
Jorge W. Busch e seus pares (USA: terroristas atabalhoado, sem comentários);
Fidel Castro (Cuba: ditador vitalício, traidor, assassino. Matou seus amigos de trincheiras "o comandante Ianque e outros" para um fundar um regime de terror equivalente ao de Batista. Este por sua vez marionete dos americanos. Fidel Cérebro de Pedra endureceu a mente dos cubanos por décadas);
Garrastasu Médici  (Brasil: participou do golpe militar de 1964, presidente de 1969 a 1973 - período de endurecimento do regime com milhares de mortos e desaparecidos);
Ernesto (Che) Guevara (Argentina: revolucionário toleirão, cúmplice de Fidel Castro) E por último (não muito atual, mas o símbolo da hipocrisia e da mentira que se constrói uma sociedade moderna típica na falta de respeito aos patrícios onde mais vale o poder e a exploração como bem maior):
D. Pedro II (Brasil: Imperador 1841-1889 manteve a escravatura oficial e extraoficial enquanto pode, serviu de títere aos ingleses juntamente com os governos uruguaio e argentino na guerra do Paraguai - de 1864 a 1870 - momento em que dizimaram quase toda população paraguaia, inclusive mulheres e crianças.
Ou seja, é nossa obrigação ter atenção ao agora e a essas histórias que os livros didáticos oficiais jamais comentaram ou contarão, pois a verdade é um vexame e não um ato de heroísmo como pitam os filmes ou documentários saudosistas. A verdade é o que as Cruzadas implantaram é busca pelo poder em detrimento da liberdade do outro; a verdade é o que a Santa inquisição deixou de herança (a ignorância geral e a falta de respeito que é basicamente o que prega veladamente todas as religiões braços de Estados). A verdade é o silencio do outro!
Por fim temos de dar vivas aos bons!
Viva a Gorbachev! Salvou os russos das trevas e de um comunismo sanguinário (um comunismo distante do que pregava Marx, mas por enquanto presos a "Cérebros" quimicamente tratados nos laboratórios da KGB).
Viva a Sandino! Guatemala. Lutou por reformas e pela dignidade dos pobres. Traído e morto por compatriotas a mando dos USA.
Carlos Lamarca. Abandonou o exército brasileiro para ficar do lado povo. Foi morto covardemente.
Viva a Emiliano Zapata (México: Grande exemplo de líder traído por compatriotas... O resto da história você já desconfia... 
Viva a Carlos Mariguela! Lutou contra opressão no Brasil até a morte em 1969. Opressão subvencionada por USA. Ainda hoje brasileiros ignavos (especialmente os paulistas e mineiros) mais parecem pederastas passivos quando falam da América do Norte.
José Artigas! Reformador uruguaio 1812-1820. Pouco lembrado fez a primeira e única reforma agrária da América do Sul. Os feitos para este assunto depois dele são emplastros.
E entre outros de estirpe equivalente não citados, não menos dignos:
Vivas ao grandioso Túpac Amaru! Líder latino se rebelou contra a exploração espanhola aos indígenas nas minas onde morriam em sete anos de escravidão - morto em 1781. Inquirido a delatar seus companheiros disse: "aqui mão há mais cúmplices além de mim e de ti; tu como opressor e eu como libertador, merecemos a morte". (VALCARCEL apud GALEANO 1978)¹.
O inferno político levado para um jogo oligárquico e maquiavélico (manipulador) nos faz lembrar a poesia de Mayakoviski que está mais viva que ontem:
"Na primeira noite eles se aproximam


e nos roubam uma flor

do nosso jardim.

E não dizemos nada.

Na segunda noite, já não se escondem;

pisam as flores,




matam nosso cão e não dizemos nada.
Até que um dia,
o mais frágil deles
entra sozinho em nossa casa,
rouba-nos a luz, e,
conhecendo nosso medo,
arranca-nos a voz da garganta.
E já não podemos dizer mais nada".



Mayakoviski; Brecht.

Enfim: Libertem o Pussy Riot! A arte, a música, a crítica, o pensamento tem de ser livre! Chaga dessa teatrocracia governamental para beneficência de duas classes (as putas e os filhos das putas)!


GALEANO, Eduado. As veias abertas da América Latina. L&MP Editores. Porto Alegre. 2011.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Sartre: o filósofo do nada e da decisão.

Entre as frases mais conhecidas de Sartre está a que diz que “o homem está condenado a ser livre”. Para este filosofo só o egoísmo nos explica. Não o egoísmo de Adam Smith, mas talvez se aproximasse do egoísmo hobesiano não houvesse uma distinção clara entre indivíduo e Estado respectivamente.
É através de uma necessidade egoísta que temos a obrigação de escolher “ou não” (que também é uma escolha, isto é, escolho não escolher). É ai que nasce sua certeza de que existe liberdade na ação do homem independente do seu tipo de escolha: se ação ou inação. Segundo seu pensamento o poder da decisão não é determinado pelas circunstâncias. Se assim fosse teríamos de imaginar que um mundo perfeito deveria existir com circunstancias estritamente agradáveis e imutáveis. Isso é impossível por ser um antimundo, um mundo da ideia, um mundo ilusório. Sua crítica existencialista o obriga a defender a inexistência do divino sobre o homem. Pensamento este que o aproxima de Feuerbach no sentido de dizer que…