Pular para o conteúdo principal

Anagramas: Pensei fosse poesia...


                                                               K:

Vislumbre flor
Singeleza gama
Fito opor
Doudivana voo
Desentendo amor
Antonomásia Ana
Solipsismo reservado a mim “cor”
Eikos dulcíssimo anagrama
Púbere dissabor
Desconhece maleita insana
Levam-na esplêndido andor 
Okies ver-te-ei ama
Ausência seu calor
Corpo flama.

________________________


S: 

Sobre ela:
Doce olhar
Paralaxe
A extasiar
Fino lábio
(ausência)
Tomo fantasiar
(reminiscência)
Cores, um lugar
Doce lábio
Fino olhar.

________________________


E:
Egéria meso oriente
Tua presença me arrefece
Por seu nefelibatismo 
Ceve-me
Singelo ventre
Me aquece
Farto amplexo
Me fortalece.
Fina estampa
Tece-me
Grenhas ao vento
 Verve
Olhar prisioneiro
Me Liberte!

________________________


O:

Senti
Sem fim
Sem ti
Sem sim
Em ti
Senal
Senti
Sina
Sem ti 
Sensabor
Senti
Em fim
Sine die
Em mim

________________________

Anagrama I: derradeiro.
Sobre a fantasia:
De chofre elas chegam. Nos tomam de sentimentos. Não nos sentimos aptos a imaginar sua origem tão menos prever seu fim...
Sobre desejar:
Crepúsculo aparentemente perene findado num luscofusco solipso.
Sobre o fim do desejo:
Sim e não. Aurora a arrazoar o plausível. A razão tende a operar sobre a emoção. Do contrário seria uma história do que chamamos de amor... O que é amor afinal? Seria um desejo intenso? Resumir-se-ia a um desejo com projetos de toda sorte? Desejo físico, atração, tesão? Ou um desejo em desejar especificamente "uma forma de desejar" alguém porque este alguém é a materialização do seu desejo? Nada sei sobre o desejo além de notar que não realizado é sagaz incomodo que tende a dirimir-se tanto no "sim" quanto "não". 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Sartre: o filósofo do nada e da decisão.

Entre as frases mais conhecidas de Sartre está a que diz que “o homem está condenado a ser livre”. Para este filosofo só o egoísmo nos explica. Não o egoísmo de Adam Smith, mas talvez se aproximasse do egoísmo hobesiano não houvesse uma distinção clara entre indivíduo e Estado respectivamente.
É através de uma necessidade egoísta que temos a obrigação de escolher “ou não” (que também é uma escolha, isto é, escolho não escolher). É ai que nasce sua certeza de que existe liberdade na ação do homem independente do seu tipo de escolha: se ação ou inação. Segundo seu pensamento o poder da decisão não é determinado pelas circunstâncias. Se assim fosse teríamos de imaginar que um mundo perfeito deveria existir com circunstancias estritamente agradáveis e imutáveis. Isso é impossível por ser um antimundo, um mundo da ideia, um mundo ilusório. Sua crítica existencialista o obriga a defender a inexistência do divino sobre o homem. Pensamento este que o aproxima de Feuerbach no sentido de dizer que…