Pular para o conteúdo principal

Universo Paralelo


Idêntico a muitos procurando respostas nas veleidades alheias.
A rigidez protocolar, a desfaçatez, a soberba incomodam.
Qualquer forma de submissão ou peleguismo é intolerável.
Haja fígado!
Não se pretende encontrar certezas miraculosas para nada nem oferece-las a ninguém.
Orgulho da simplicidade dos homens da terra, simplicidade não é ingenuidade. Essa é lamentável.
Apenas trocar ideias; pois as verdades não são absolutas assim como nós não somos.
Quais são os valores das verdades se fomos e somos nós que as inventamos?
Elas valem pouco. Exatamente como inventamos a nós o valor da verdade é o valor da relatividade que funda nossa subjetividade. Logo não existem verdades definitivas, sim uma relatividade instalada numa linha caótica dentro dum torvelinho estático externamente, desajustado em seu cerne: a vida, as relações sociais, as mentiras que contamos uns aos outros para pensarmos que somos felizes.
Somente assim somos bem aventurados. Fingindo que está tudo bem, sendo "resiliente" (termo da física, polissêmico, levado para o meio social para significar capacidade de fingir que está tudo certo e de dizer amém com um sorriso plástico) como pretendem as fantasias dos departamentos de recursos humanos (R.H.) das empresas - amparados em modelos televisivos  do seja feliz agora - do tecnicismo digital, das fundações que te garantem a vida após a morte, e ainda de maneira mais ampla, amparados na bolha que a sociedade cria para sentenciarmos  que só podemos sobreviver dentro dela. A velha fabriqueta de marionetes saiu dos porões da Igreja e dos castelos, agora enchem os cenários de todo o planeta oferecidos em baixelas de Plasma ou LCD.
Existe um universo paralelo... Se é caótico também? Não sei. Mas bem está em não obedecer modelos boçais de vida - padrões que parecem saltar das vitrines para as ruas ou saírem dos fornos do poder ideológico. Obriga-se apenas questões irrefutáveis (necessidades básicas) porque é justo ser pesado a ninguém... Um caminho impérvio construído fora da ordem do bem e do mal é o mais sábio deles. Planos mais amplos que essa polaridade flagelada abrem-se para um novo horizonte. Talvez quisesse um mundo comunista, mas ele já se mostrou inútil. Talvez quisesse um mundo anárquico, mas grande parte dos homens não são capazes de viver do autogoverno. Estão acostumados receber o que consideram "graças" de outrem, (o emprego e outras patranhas sociais). Isso faz crer que anarquia é uma utopia. Então vive-se em si, não das petas sociológicas.


                                         Vida é o ato de repensar-se ininterruptamente...

A. Souza. BA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Urbanização de São Paulo: Chicago ou Paris?

Em 1878 fundou-se em São Paulo o primeiro sistema de abastecimento de água a Companhia de água e esgoto Cantareira. São Paulo já estava em ebulição, era o destino preferido dos cafeicultores interioranos, também dos imigrantes europeus. 
O processo de urbanização paulistana é uma síntese de contradição copista: os primeiros barros criados para elite indicava europeização da cidade (Campos Elísios, Indianópolis e o próprio Higienópolis que remete a questão da limpeza racial) para clarificar nossa proposição de copistas às avessas havemos de lembrar que diferente do que fizeram os europeus com seus rios São Paulo os matou ou fez com que sumissem embaixo do asfalto (caso Tamanduateí e do riacho Anhangabaú – o primeiro canalizado vergonhosamente sujo e poluído, o segundo sumido da Avenida 9 de julho). Em 1912 inicia-se a canalização do Tamanduateí juntamente com um projeto de aterramento das várzeas deste e do Anhangabaú. Este foi é o primeiro episódio que marca o desastrado urbanismo paul…