Pular para o conteúdo principal

Vale Tudo, Deveras Nada Vale!

Após mais uma dessas lutas brutais (resquícios das arenas romanas: uma das formas mais arcaicas do pensamento  europeu sustentando ainda a demonstração do atraso mental das sociedades capitalistas - a começar pela sociedade norte americana que fora a maior patrocinadora desta e de outras formas de massacre da inteligência alheia) um site dito esportivo lança a seguinte fotografia, no balão espera-se sugestões dos internautas sobre o que teria pensado, naquele momento, o derrotado. Seu afoito público não tarda em preencher... Risos, escárnios de toda sorte; tudo que espera um caçador quando nota que a seva foi consumida... Não faço parte deste grupo que considera o bárbaro, a demonstração gratuita de violência um tema esportivo, mas não pude conter o "ante" pensar do que foi sugerido.  

NÃO PENSOU. "Logo mais terão milhões de imbecis satisfeitos com esse show de horror... Felizes com a desgraça de um combate de boçais, carregados por um riso plástico(patético)e sardônico. Discutindo essa demonstração de força e brutalidade como algo útil, apenas tornado vantajoso para corporações financeiras e meia dúzia de panacas dispostos a bater ou apanhar; outros milhares prontos a pagarem por tamanha bestialidade. Aqui sou uma vítima dos meus desejos e da gana das empresas que me promovem..." sei não pensou! Voltará ao ringue em breve para alimentar outra rodada de violência e investimentos. 
foto e promoção:http://cornetafc.blogosfera.uol.com.br

Essa ideia de vale tudo é a síntese do mercado que mata a possibilidade de tornarem as pessoas melhores, ao invés disso promove a luta livre por emprego e sobrevivência. O ringue é a síntese dos desejos mais sombrios e recônditos destes cidadãos das plateias e dos promotores deste espetáculo dantesco.   
Depois se queixam da desumanidade em outros campos da sociedade se nada fazem diferente de escarnecerem e zombarem cenas tribais como estas. A sociedade tem o que merece! Um bando de animais lutando para ficar rico, roubando, matando, explorando, batendo, estuprando, corrompendo, rindo das desgraças planejadas, felizes com suas religiões de mentiras que também esperam vingança de algo, outros prontos para verem a próxima babaquice que a TV vai lançar... "Não quero mais pertencer ao grupo de humanos! Vocês são os verdadeiros selvagens"! 







Derrotados somos todos nós que temos de aguentar a selvageria ter conotação de celebridade, as sandices da TV ser o mote das rodas de conversas; derrotados somos todos por viver o tosco chamando de arte ou de esporte.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Urbanização de São Paulo: Chicago ou Paris?

Em 1878 fundou-se em São Paulo o primeiro sistema de abastecimento de água a Companhia de água e esgoto Cantareira. São Paulo já estava em ebulição, era o destino preferido dos cafeicultores interioranos, também dos imigrantes europeus. 
O processo de urbanização paulistana é uma síntese de contradição copista: os primeiros barros criados para elite indicava europeização da cidade (Campos Elísios, Indianópolis e o próprio Higienópolis que remete a questão da limpeza racial) para clarificar nossa proposição de copistas às avessas havemos de lembrar que diferente do que fizeram os europeus com seus rios São Paulo os matou ou fez com que sumissem embaixo do asfalto (caso Tamanduateí e do riacho Anhangabaú – o primeiro canalizado vergonhosamente sujo e poluído, o segundo sumido da Avenida 9 de julho). Em 1912 inicia-se a canalização do Tamanduateí juntamente com um projeto de aterramento das várzeas deste e do Anhangabaú. Este foi é o primeiro episódio que marca o desastrado urbanismo paul…