Pular para o conteúdo principal

Profissional bonsai

Não é segredo para ninguém a humanidade se considera "tal" por ter abandonado sua condição animalesca e a partir dai moldado incontáveis modos de convivências. De sistemas políticos a sistemas religiosos; não faltam sistemas dúbios, sem contudo, desvirtuar os seus fins: ostentação, defesa ideológica, busca infrene de algum tipo de prazer (voluptuoso ou fraternal, conquistador ou vingativo, de sobreposição ou anteposição), etc., Os prazeres vertidos em ações têm por fim trazer recompensa aos sentidos. Tornam-se buscas que encaminham subitamente as relações sociais a arquétipos cristalizados de ordenação e hierarquização. Entre outros seus sustentáculos são os diversos tipos de arte e força. O primeiro impele ao homem buscas por prazeres estéticos; o segundo (a força) impõem-se ao homem pelo coletivo para o prazer de um grupo (veja o que dizem Durkheim e Althusser - cada um com uma razão e fim).
Assombrosamente encontramos a unificação destes modelos operando em um tipo de arte e concomitantemente ser mimese nas relações de trabalho hoje e sempre. Do escravo das civilizações antigas ao operário do presente as técnicas para evitar sua ascensão permanecem equivalentes.
Daqui nos ocorre a ideia de relacionar o trabalhador (do operário ao diretor) com “plantas em bandeja” conforme indica a cultura oriental: o bonsai.
Em equivalência ao empregado as técnicas de controle  para que não evoluam se dão por economia de nutrientes, limitação do espaço das raízes, poda e outros cuidados. Agora observe uma família de baixa renda. Breve síntese explicativa para manutenção do status quo, ou seja, algumas pessoas nascem para serem os bonsais, outras para podá-los, controlar seu crescimento e racionar seu campo de atuação. Tudo isso com um modelo simples de intervenção: “salário e centralização da renda”.
Mais humano seria lhes cortassem os testículos ou extirpassem seu útero para não proliferar gente sedenta de emprego, de consumo desarvorado, de comida, gente que serve de base para outros viverem bem... Saltariam os defensores dos direitos humanos locados nas portas das cadeias quando isso fosse dado a um marginal qualquer: “isso é desumano”! Responda: Quem é mais desumano com a massa? A Elite ou os marginais? Sei que um nos assalta a mão armada e outro nos rouba com uma mão em nosso ombro e outra em nosso bolso. Ao pobre faminto só resta o "prazer do sexo" e (consequentemente) fazer mais filhos para alimentar este sistema idiota esperando a enganosa ajuda dos céus.
Este escrito poderia ter diversos títulos: Profissional manietado, p. explorado, p. mumificado, p. agrilhoado ou outros tantos, mas nenhum deles sintetizaria tão bem a relação de trabalho hoje e sempre. Outro fato aterrador é tal profissional estar ligado a uma estrutura de baixa intelectualidade. Disso que não se perturbe a ideia do termo e da ação sobre a arvorezinha se ligar diretamente as ações manifestas nas empresas e em órgãos públicos quais as lideranças tendem e “devem” garantir a lucratividade seja como for. O processo já naturalmente sistematizado impede que o pobre compreenda além do que é oferecido. Por outro lado já disseram-lhe que se "fizer errado" (negar a superestrutura) pode sofrer dos castigos divinos ou terrenos. O doce mal do homem.
Mas o sistema cresce e precisa de novos artesãos para dar cabo da mega  floresta de miniaturas humanas. Momento que se pode ver que o avanço de uns poucos não significam crescimento do sujeito enquanto ser social se pensado em eugenia, mas simples remanejamento para organização da produção. O Xadrez explica: nem no tabuleiro nem na vida real ninguém se torna rei ou rainha (se sim vai sofrer do passado), no entanto todos se sacrificam a seu serviço. A similaridade do xadrez com a sociedade não é casual é reflexa e já não soa insólita, porém naturalmente infundida pela ideologia do “conquiste você também”!
Partindo do modelo  “faça a sua parte “ além da paga obrigatória e moral as empresas urbanas promovem uma sensação de bem estar entre os indivíduos para não permitir que morram de tédio. São os bônus legais, mimos e festejos. A participação nos lucros e resultados (PLR) sempre ligada a metas inatingíveis previamente estudadas dá o tom nas aberturas da reuniões administrativas do começo do ano, contudo a de fechamento (final do ano) é sempre plantada de que próximo ano será melhor... No auditório um grupo de bonsais indignados, outros não, ainda assim todos em silêncio para não perder o exíguo dinheiro do pão (o profissional aqui é símile daquele cão do desenho animado correndo atrás da linguiça levado por um carro).
Deste contexto surge a floresta dos “profissionais bonsais”.
Uma contradição: floresta não tem cuidadores ou manipuladores, certo? Então a conclusão óbvia seja a de que excetuando-se os donos do sistema todos os profissionais são bonsais em seus estágios diferenciados de maturação.
Como disse há pouco são diversas as formas de cultivar este sujeito, havia falado do modo sistematizado não de suas práxis por não haver necessidade nem espaço para isso, todavia podemos apontar que a ferramenta mais importante no cultivo do profissional bonsai: a "palavra". Com ela o sujeito pode deixar de ser bonsai e passar a ser artesão sem deixar seu lado mesquinho de gente reduzida a uma circunstância, quero dizer, passar para a diretoria: ser um grande bonsai. Aos velhos bonsais cabe estimularem aos novatos serem grandes bonsais do futuro ou continuar pagando mal àquele que não seja muito agradável a seus olhos. Os diretores bonsais estão satisfeitos, viajam o mundo em suas férias e se sentem grandiosos exemplares de sua espécie.
Esse pedantismo quando aflorado é o instrumento técnico na limitação dos bonsais egressos por idade ou por mudança de local (empresa).
Cito apenas um exemplo de soberba que se torna prova incontestável quanto é manietado o profissional em qualquer empresa.
Dizia um grande bonsai a seu imediato:
- Solicitei um desconto na loja de lustres e só me deram $ 500 dinheiros de desconto. Pode? $ 500...  Não dá nem para jantar decentemente.
Nada de errado se o salário deste bonsai que vos fala não fosse duas vezes $ 500 dinheiros, ou seja, se um grande bonsai paga $ 500 num jantar qual é seu salário? Disse então que com seu jantar, mensalmente, é capaz de pagar os salários de uma empresa com 15 bonsais. Uma pequena empresa. O que justifica termos de aguentar essas afrontas? Ganhar o mínimo para sobreviver! O empegado deve sustentar sua "equilibrada família" com que o chefe gasta em dois jantares num restaurante esnobe. O que é o "justo social" além da fala melífica dos eternos candidatos? Aspirantes e aspiradores do bem público! Quem deu tanto direito ao homem anular o outro como quiser? Se acreditares em Deus terá de admitir que deus é injusto, pois tudo é de seu consentimento, se acreditar no homem haverás de admitir que ele é uma farsa, pois faz de seus iguais mero instrumentos de sua volúpia.
A parte as razões originais da estrutura de corrupção e crenças o dito evidencia a disparidade salarial entre os profissionais (além do que se vê nas ruas), isto é, os grandes bonsais amigos do sistema põem em prática as ações que maninham os níveis subsequentes, apesar disso não fogem dos estigmas pelos quais foram forjados. Raríssimas exceções escapam; certeza é que por mais endinheirados que sejam os indivíduos não deixam de ser um molde tosco do sistema, um bonsai em busca de prazer subjulgando e explorando temendo ou se aliando a outras formas de domínio do próximo. Chamando tudo isso de progresso (considero justo seu contrário por entender e abominar o que defendem e claro encontrar o aniquilamento do outro sujeito). Tudo isso é apadrinhado pelo Estado que cria os modelos mais sutis de exação e pela mídia que todos os dias institui um super herói para ofuscar o desenvolvimento intelectual da massa, mas ainda tem um porém: talvez a massa não queira, talvez seja mais fácil ser um bonsai! Portanto... Está tudo resolvido e naturalizado. Em nenhum momento a sociedade deixou de ser estamental. Somente os tolos que satisfazem-se com as migalhas despendidas pela elite em formas disfarçadas de investimento dão-se por satisfeitos e vitoriosos pelo seu "bom emprego, seu apartamento e carro financiados até o final de suas vidas." Estes não se sentem mais os bonsais, são os parasitas do "sistema do salve-se como puder." 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Sartre: o filósofo do nada e da decisão.

Entre as frases mais conhecidas de Sartre está a que diz que “o homem está condenado a ser livre”. Para este filosofo só o egoísmo nos explica. Não o egoísmo de Adam Smith, mas talvez se aproximasse do egoísmo hobesiano não houvesse uma distinção clara entre indivíduo e Estado respectivamente.
É através de uma necessidade egoísta que temos a obrigação de escolher “ou não” (que também é uma escolha, isto é, escolho não escolher). É ai que nasce sua certeza de que existe liberdade na ação do homem independente do seu tipo de escolha: se ação ou inação. Segundo seu pensamento o poder da decisão não é determinado pelas circunstâncias. Se assim fosse teríamos de imaginar que um mundo perfeito deveria existir com circunstancias estritamente agradáveis e imutáveis. Isso é impossível por ser um antimundo, um mundo da ideia, um mundo ilusório. Sua crítica existencialista o obriga a defender a inexistência do divino sobre o homem. Pensamento este que o aproxima de Feuerbach no sentido de dizer que…

Urbanização de São Paulo: Chicago ou Paris?

Em 1878 fundou-se em São Paulo o primeiro sistema de abastecimento de água a Companhia de água e esgoto Cantareira. São Paulo já estava em ebulição, era o destino preferido dos cafeicultores interioranos, também dos imigrantes europeus. 
O processo de urbanização paulistana é uma síntese de contradição copista: os primeiros barros criados para elite indicava europeização da cidade (Campos Elísios, Indianópolis e o próprio Higienópolis que remete a questão da limpeza racial) para clarificar nossa proposição de copistas às avessas havemos de lembrar que diferente do que fizeram os europeus com seus rios São Paulo os matou ou fez com que sumissem embaixo do asfalto (caso Tamanduateí e do riacho Anhangabaú – o primeiro canalizado vergonhosamente sujo e poluído, o segundo sumido da Avenida 9 de julho). Em 1912 inicia-se a canalização do Tamanduateí juntamente com um projeto de aterramento das várzeas deste e do Anhangabaú. Este foi é o primeiro episódio que marca o desastrado urbanismo paul…