Pular para o conteúdo principal

Conto democrático

Não existe mais no Brasil - há algum tempo - ideologia partidária. 
As alianças feitas de norte a sul neste momento que antecede as eleições (municipais de 2012) mostram que os partidos não buscam vitórias nos pleitos eleitorais a fim de propor a população um modelo ideológico diferente de quem se lhe opõe. 
Que grande propósito justificaria a união de partidos ditos de direita e outros fingidos de esquerda numa disputa eletiva? Se não algo que não está claramente divulgado, uma vez que - já nas assembleias - até em projetos que beneficiam o povo votam contra alegando ideologia partidária. Então ela existe, mas quando convém...
Esse modelo esquisito de falta identidade dos partidos (qual poderíamos chamar de unipartidarismo estatal) é maléfico a pretensão democrática, pois torna as eleições no país um engodo generalizado ou como costumamos dizer: um feito "para inglês ver”. 
Enquanto isso a mídia escancara as relações insólitas entre dirigentes sindicais e patrões, empresários e políticos, contraventores e políticos, homicidas e políticos, religiosos e políticos, mentirosos e políticos (ops...), antigos grevistas e eternos direitistas da elite abraçam-se formam alianças como velhos amigos deixando para traz todas as ofensas públicas da disputa anterior qual não fora possível um acordo.  Muito estranho!
Fica claro que o unipartidarismo tem um fim que não é ideológico que não é partidário que não para o bem do povo, contudo dar-se no fortalecimento de grupos que se perpetuam no poder através de conchavos, no mínimo suspeitos, pois negam suas origens estatutárias (criados talvez diante de uma febre juvenil e abandonado diante das vantagens que dão os cargos públicos: seja enquanto honraria, seja na manipulação das finanças). O que ocorre de fato é a manutenção dos postos do poder, ou seja, a eleição é um instrumento estamental diferenciado alavancado num jogo de cena onde os atores (mal comparando atores a políticos não quero ofendê-los) se alternam de forma combinada.
A constância de velhos nomes oligárquicos e suas sórdidas passagens nos tribunais em caráter de prestação contas nada alteram suas carreiras políticas - continuam buscando o poder a qualquer custo e nos deixam claro com isso que seu objeto de desejo está além das vistas do povo que vive o ledo engano da democracia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Sartre: o filósofo do nada e da decisão.

Entre as frases mais conhecidas de Sartre está a que diz que “o homem está condenado a ser livre”. Para este filosofo só o egoísmo nos explica. Não o egoísmo de Adam Smith, mas talvez se aproximasse do egoísmo hobesiano não houvesse uma distinção clara entre indivíduo e Estado respectivamente.
É através de uma necessidade egoísta que temos a obrigação de escolher “ou não” (que também é uma escolha, isto é, escolho não escolher). É ai que nasce sua certeza de que existe liberdade na ação do homem independente do seu tipo de escolha: se ação ou inação. Segundo seu pensamento o poder da decisão não é determinado pelas circunstâncias. Se assim fosse teríamos de imaginar que um mundo perfeito deveria existir com circunstancias estritamente agradáveis e imutáveis. Isso é impossível por ser um antimundo, um mundo da ideia, um mundo ilusório. Sua crítica existencialista o obriga a defender a inexistência do divino sobre o homem. Pensamento este que o aproxima de Feuerbach no sentido de dizer que…