Pular para o conteúdo principal

Conto democrático

Não existe mais no Brasil - há algum tempo - ideologia partidária. 
As alianças feitas de norte a sul neste momento que antecede as eleições (municipais de 2012) mostram que os partidos não buscam vitórias nos pleitos eleitorais a fim de propor a população um modelo ideológico diferente de quem se lhe opõe. 
Que grande propósito justificaria a união de partidos ditos de direita e outros fingidos de esquerda numa disputa eletiva? Se não algo que não está claramente divulgado, uma vez que - já nas assembleias - até em projetos que beneficiam o povo votam contra alegando ideologia partidária. Então ela existe, mas quando convém...
Esse modelo esquisito de falta identidade dos partidos (qual poderíamos chamar de unipartidarismo estatal) é maléfico a pretensão democrática, pois torna as eleições no país um engodo generalizado ou como costumamos dizer: um feito "para inglês ver”. 
Enquanto isso a mídia escancara as relações insólitas entre dirigentes sindicais e patrões, empresários e políticos, contraventores e políticos, homicidas e políticos, religiosos e políticos, mentirosos e políticos (ops...), antigos grevistas e eternos direitistas da elite abraçam-se formam alianças como velhos amigos deixando para traz todas as ofensas públicas da disputa anterior qual não fora possível um acordo.  Muito estranho!
Fica claro que o unipartidarismo tem um fim que não é ideológico que não é partidário que não para o bem do povo, contudo dar-se no fortalecimento de grupos que se perpetuam no poder através de conchavos, no mínimo suspeitos, pois negam suas origens estatutárias (criados talvez diante de uma febre juvenil e abandonado diante das vantagens que dão os cargos públicos: seja enquanto honraria, seja na manipulação das finanças). O que ocorre de fato é a manutenção dos postos do poder, ou seja, a eleição é um instrumento estamental diferenciado alavancado num jogo de cena onde os atores (mal comparando atores a políticos não quero ofendê-los) se alternam de forma combinada.
A constância de velhos nomes oligárquicos e suas sórdidas passagens nos tribunais em caráter de prestação contas nada alteram suas carreiras políticas - continuam buscando o poder a qualquer custo e nos deixam claro com isso que seu objeto de desejo está além das vistas do povo que vive o ledo engano da democracia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Sartre: o filósofo do nada e da decisão.

Entre as frases mais conhecidas de Sartre está a que diz que “o homem está condenado a ser livre”. Para este filosofo só o egoísmo nos explica. Não o egoísmo de Adam Smith, mas talvez se aproximasse do egoísmo hobesiano não houvesse uma distinção clara entre indivíduo e Estado respectivamente.
É através de uma necessidade egoísta que temos a obrigação de escolher “ou não” (que também é uma escolha, isto é, escolho não escolher). É ai que nasce sua certeza de que existe liberdade na ação do homem independente do seu tipo de escolha: se ação ou inação. Segundo seu pensamento o poder da decisão não é determinado pelas circunstâncias. Se assim fosse teríamos de imaginar que um mundo perfeito deveria existir com circunstancias estritamente agradáveis e imutáveis. Isso é impossível por ser um antimundo, um mundo da ideia, um mundo ilusório. Sua crítica existencialista o obriga a defender a inexistência do divino sobre o homem. Pensamento este que o aproxima de Feuerbach no sentido de dizer que…

Urbanização de São Paulo: Chicago ou Paris?

Em 1878 fundou-se em São Paulo o primeiro sistema de abastecimento de água a Companhia de água e esgoto Cantareira. São Paulo já estava em ebulição, era o destino preferido dos cafeicultores interioranos, também dos imigrantes europeus. 
O processo de urbanização paulistana é uma síntese de contradição copista: os primeiros barros criados para elite indicava europeização da cidade (Campos Elísios, Indianópolis e o próprio Higienópolis que remete a questão da limpeza racial) para clarificar nossa proposição de copistas às avessas havemos de lembrar que diferente do que fizeram os europeus com seus rios São Paulo os matou ou fez com que sumissem embaixo do asfalto (caso Tamanduateí e do riacho Anhangabaú – o primeiro canalizado vergonhosamente sujo e poluído, o segundo sumido da Avenida 9 de julho). Em 1912 inicia-se a canalização do Tamanduateí juntamente com um projeto de aterramento das várzeas deste e do Anhangabaú. Este foi é o primeiro episódio que marca o desastrado urbanismo paul…