Pular para o conteúdo principal

Análise tautológica ou prolepse?



Tudo é a mesma coisa? Ou não?

Por outras páginas deste sítio se encontrar a palavra "mesmo", suas variações ou o termo "coisa" vais me dar conta de terrível lapso de memória.

Queria, certa vez, tratar de paragrafação, diagramação, estrutura textual, etc..

Disse então aos presentes:

- Antes de entrar neste assunto quero que risquem de suas mentes as palavras mais faladas em toda a terra, nem por isso significativas. Na realidade não dizem absolutamente NADA. São elas: "mesma e coisa".

Não sou filólogo, mas tenho a impressão que foram criadas por políticos, pois encobrem dezenas de outras possibilidades linguísticas e verdades possíveis.

O burburinho de contrários e favoráveis me levou a deixar de lado a diagramação e partir para (particulares) razões lexicais de exterminador de palavras toscas:

- Na linguagem oral, talvez, pela nossa incapacidade de arranjar termos condizentes e precisos instantaneamente elas (mesma e coisa) se tornam úteis e para alguns necessárias.

"Mesmo" (a) é um pleonasmo de tudo, pois indica uma volta sem razão ao ponto original. E tudo é a mesma coisa? Há quem diga que não. Então não é só um pleonasmo: é uma mentira linguística. "Coisa" não é nome de vazio e em concomitância nomeia "tudo". Note que nem tudo é a "mesma coisa" e se fosse não precisaríamos de nomes para mais nada. Logo nada também seria a mesma coisa.

Quando digo: faça a si! Não preciso dizer: faça a si mesmo! Quando assim falo gero um pleonasmo sem porque.

Para quem defenda que "tudo é a mesma coisa" e seu uso digno. Havemos de dizer que se promoveu com isso, somente, uma "locução" ou um longo antônimo para o termo "nada".

"Mesma e coisa" são partes de uma colônia de bactérias. No uso oral é vicariante, não inteligente, supre, não resolve com clareza necessária.

Coisa e mesma são exames tautológicos do que não se sabe dizer; metonímia do abstrato; razão do ininteligível; eufemismo do inimaginável; catacrese do falar - instante de insuficiência mnemônica, etc.

Contentaria pensassem não necessitar dos termos supracitados e poderem enriquecer o vocabulário (estão ditas as razões).

É um caminho para sair da estagnação e dar a mente desafios mais agradáveis. Esta é a pretensão de ler e escrever.

Quanto a paragrafação...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Urbanização de São Paulo: Chicago ou Paris?

Em 1878 fundou-se em São Paulo o primeiro sistema de abastecimento de água a Companhia de água e esgoto Cantareira. São Paulo já estava em ebulição, era o destino preferido dos cafeicultores interioranos, também dos imigrantes europeus. 
O processo de urbanização paulistana é uma síntese de contradição copista: os primeiros barros criados para elite indicava europeização da cidade (Campos Elísios, Indianópolis e o próprio Higienópolis que remete a questão da limpeza racial) para clarificar nossa proposição de copistas às avessas havemos de lembrar que diferente do que fizeram os europeus com seus rios São Paulo os matou ou fez com que sumissem embaixo do asfalto (caso Tamanduateí e do riacho Anhangabaú – o primeiro canalizado vergonhosamente sujo e poluído, o segundo sumido da Avenida 9 de julho). Em 1912 inicia-se a canalização do Tamanduateí juntamente com um projeto de aterramento das várzeas deste e do Anhangabaú. Este foi é o primeiro episódio que marca o desastrado urbanismo paul…