Pular para o conteúdo principal

Análise tautológica ou prolepse?



Tudo é a mesma coisa? Ou não?

Por outras páginas deste sítio se encontrar a palavra "mesmo", suas variações ou o termo "coisa" vais me dar conta de terrível lapso de memória.

Queria, certa vez, tratar de paragrafação, diagramação, estrutura textual, etc..

Disse então aos presentes:

- Antes de entrar neste assunto quero que risquem de suas mentes as palavras mais faladas em toda a terra, nem por isso significativas. Na realidade não dizem absolutamente NADA. São elas: "mesma e coisa".

Não sou filólogo, mas tenho a impressão que foram criadas por políticos, pois encobrem dezenas de outras possibilidades linguísticas e verdades possíveis.

O burburinho de contrários e favoráveis me levou a deixar de lado a diagramação e partir para (particulares) razões lexicais de exterminador de palavras toscas:

- Na linguagem oral, talvez, pela nossa incapacidade de arranjar termos condizentes e precisos instantaneamente elas (mesma e coisa) se tornam úteis e para alguns necessárias.

"Mesmo" (a) é um pleonasmo de tudo, pois indica uma volta sem razão ao ponto original. E tudo é a mesma coisa? Há quem diga que não. Então não é só um pleonasmo: é uma mentira linguística. "Coisa" não é nome de vazio e em concomitância nomeia "tudo". Note que nem tudo é a "mesma coisa" e se fosse não precisaríamos de nomes para mais nada. Logo nada também seria a mesma coisa.

Quando digo: faça a si! Não preciso dizer: faça a si mesmo! Quando assim falo gero um pleonasmo sem porque.

Para quem defenda que "tudo é a mesma coisa" e seu uso digno. Havemos de dizer que se promoveu com isso, somente, uma "locução" ou um longo antônimo para o termo "nada".

"Mesma e coisa" são partes de uma colônia de bactérias. No uso oral é vicariante, não inteligente, supre, não resolve com clareza necessária.

Coisa e mesma são exames tautológicos do que não se sabe dizer; metonímia do abstrato; razão do ininteligível; eufemismo do inimaginável; catacrese do falar - instante de insuficiência mnemônica, etc.

Contentaria pensassem não necessitar dos termos supracitados e poderem enriquecer o vocabulário (estão ditas as razões).

É um caminho para sair da estagnação e dar a mente desafios mais agradáveis. Esta é a pretensão de ler e escrever.

Quanto a paragrafação...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Sartre: o filósofo do nada e da decisão.

Entre as frases mais conhecidas de Sartre está a que diz que “o homem está condenado a ser livre”. Para este filosofo só o egoísmo nos explica. Não o egoísmo de Adam Smith, mas talvez se aproximasse do egoísmo hobesiano não houvesse uma distinção clara entre indivíduo e Estado respectivamente.
É através de uma necessidade egoísta que temos a obrigação de escolher “ou não” (que também é uma escolha, isto é, escolho não escolher). É ai que nasce sua certeza de que existe liberdade na ação do homem independente do seu tipo de escolha: se ação ou inação. Segundo seu pensamento o poder da decisão não é determinado pelas circunstâncias. Se assim fosse teríamos de imaginar que um mundo perfeito deveria existir com circunstancias estritamente agradáveis e imutáveis. Isso é impossível por ser um antimundo, um mundo da ideia, um mundo ilusório. Sua crítica existencialista o obriga a defender a inexistência do divino sobre o homem. Pensamento este que o aproxima de Feuerbach no sentido de dizer que…