Pular para o conteúdo principal

Salve o eufemismo!



O vício na claudicação (com a face de mais vantagem¹) ganhou nomes que vão para lá de agradáveis numa sociedade capitalista e organizada. 
Salve s sociedade capitalista e organizada mãe de quase todas as bestialidades humanas!
O roubo de um político não é exatamente um “roubo” é quebra de decoro parlamentar;
O desacerto linguístico numa música é uma licença poética;
A desobediência ao plano de metas de um órgão público não qualifica pilhagem, sim má versação do dinheiro público;
Carestia, ágil, preços abusivos não são extorsão nem exploração, mas inflação;
A moda do empréstimo é a licença da usura, etc,.
Salve o eufemismo mercadológico, político e artístico!
Irascível, eu?
Só não quero ser um atleta que carrega o nome de uma empresa nas nádegas para brilhar diante das câmeras da TV oficiosa respondendo as perguntas óbvias dos repórteres que parecem ter fugido das aulas de seu idioma e de raciocínio lógico; não quero ser a calipígia que mostra seu anus e quase o clitóris aos vermes masculinos da lascívia por 500 dinheiros. Menos o analfabeto funcional (o tolo das novas arenas Vespasianas) que corre atrás de onze homens e uma bola para ser chamado herói da pátria de chuteiras. Ainda menos o parvo que consome livros  motivacionais (autoajuda) para ter uma meta na vida ou porque precisa crer em alguma entidade, nem jamais ser desses apóstolos mercadológicos investidos de escritores (Paulo Coelho, Augusto Curi, Max Gehringer e os novos bispos do povo: os protestantes ricos) com manuais perfeitos para a vida dos bonecos sociais do trabalho e da fé. Nem tendo ser o verme que pintei há pouco.
A arte e a vida que a farsa não compra está no submundo ou num plano superior ausente da manipulação de mercado, poucos conseguem vislumbrar.
Não, não estou no ninho de águia! Ainda procuro! Tanto o ninho como ficar longe das farsas que moldam essa sociedade das patranhas mensuráveis, dos projetos sesquipedais em função do benefício de uma classe social, da teatrocracia mambembe, não obstante de soberba refinada na suas próprias fraquezas.






1 - Alusão a ideia de mais valia de Marx.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Urbanização de São Paulo: Chicago ou Paris?

Em 1878 fundou-se em São Paulo o primeiro sistema de abastecimento de água a Companhia de água e esgoto Cantareira. São Paulo já estava em ebulição, era o destino preferido dos cafeicultores interioranos, também dos imigrantes europeus. 
O processo de urbanização paulistana é uma síntese de contradição copista: os primeiros barros criados para elite indicava europeização da cidade (Campos Elísios, Indianópolis e o próprio Higienópolis que remete a questão da limpeza racial) para clarificar nossa proposição de copistas às avessas havemos de lembrar que diferente do que fizeram os europeus com seus rios São Paulo os matou ou fez com que sumissem embaixo do asfalto (caso Tamanduateí e do riacho Anhangabaú – o primeiro canalizado vergonhosamente sujo e poluído, o segundo sumido da Avenida 9 de julho). Em 1912 inicia-se a canalização do Tamanduateí juntamente com um projeto de aterramento das várzeas deste e do Anhangabaú. Este foi é o primeiro episódio que marca o desastrado urbanismo paul…