Pular para o conteúdo principal

Ilusões da Bílis

Os sentidos licenciaram-se! Pobres sentidos que dependem de algum tipo de prazer para alimentar o grão mestre "cérebro".
Momento de intuspecção tomado por descontentamento:
Esteve a vida na contramão. Nunca teve lugar seguro nem em si nem nos outros. Está cego mais uma vez. Um mundo louco desprovido de sim e de não. Sem a pauta da verdade ou do erro. Ah esse mundo...
As ilusões não são mais somente suas ilusões. Se tornaram pechas daquela existência; um desastre do imo sobressaindo às vistas dos que não conhecem outras formas de entendimento e se reconhecem como detentores da razão. Ah conhecimento... De nada serve o quando não há possibilidade de permutar em tempo presente. A bílis não espera! 
Os conflitos: ternos degraus da mente; companheiros mais queridos - nada diz de novo. Sobras de inúmeras incertezas podem ser úteis - talvez. Não mais ajudam a fingir porque de incertezas petrificadas soçobraram os fidos. Não se quer nada delas! Está farto!
O mundo é um grito esquálido e parvo por socorro (salvem a natureza! E a do homem também se ela existir!).
Não há vida decente, há manutenção de pretensões. Não existe porto seguro. Parece uma farsa que perde seu valor de verdade na bolha que tem como objetivo qualquer ilusão barata chamada felicidade.
As músicas; o protesto (o prazer e reforço da repulsa aos samicas); o traço do poeta ou dos cubistas já soa monótono. Nada diz a não ser que "estamos vencidos..."
A inércia pertence também a um estádio de enlevação. Pensam disso os nefelibatas enquanto não são feridos.
Solto num átimo. Coleia pelos campos. Nada encontra... Se quer a si. 
A não cegueira atinada pela convivência, a não mudez ao estupor das bestialidades consumadas em práxis: a loucura, a inconformação: as ilusões.
Revolta observar estratagemas dos abrutes desde aquele "conto de fardas". O erro é não respirar o insólito e inebriante prazer fugaz aceito e festejado. Não existe satisfação às avessas. Viver a fuga do tacanho torna desusado o ser.
Solipso! Mas para onde contrafazendo, portanto? Por que feliz deste, ou daquele modo, para quem dissimulando isso? Talvez se possa questionar: E vocês? 
Tudo bem... Já passaram...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Sartre: o filósofo do nada e da decisão.

Entre as frases mais conhecidas de Sartre está a que diz que “o homem está condenado a ser livre”. Para este filosofo só o egoísmo nos explica. Não o egoísmo de Adam Smith, mas talvez se aproximasse do egoísmo hobesiano não houvesse uma distinção clara entre indivíduo e Estado respectivamente.
É através de uma necessidade egoísta que temos a obrigação de escolher “ou não” (que também é uma escolha, isto é, escolho não escolher). É ai que nasce sua certeza de que existe liberdade na ação do homem independente do seu tipo de escolha: se ação ou inação. Segundo seu pensamento o poder da decisão não é determinado pelas circunstâncias. Se assim fosse teríamos de imaginar que um mundo perfeito deveria existir com circunstancias estritamente agradáveis e imutáveis. Isso é impossível por ser um antimundo, um mundo da ideia, um mundo ilusório. Sua crítica existencialista o obriga a defender a inexistência do divino sobre o homem. Pensamento este que o aproxima de Feuerbach no sentido de dizer que…