Pular para o conteúdo principal

Amor: Convenção social número III



    Não demora muito e começa-se a entender a vida de uma maneira muito particular.
    Entrando na fase racional da vida o indivíduo se sente extasiado ao lembrar-se da poesia épica de Camões e entende todo aquele apogeu vicejante de suas palavras como uma verdade suprema. Afinal o amor parece de fato "fogo que arde e não se vê ferida que dói e não se sente", mas até onde isso é verdade?
    Onde acaba o "amor" sonho lírico sustentáculo do desejo? Ou a questão seja só ‘onde acaba o desejo? Talvez acabe na convivência, no jogo de poder que se desenvolve, implicitamente, em algumas relações, nas incompatibilidades descobertas na rotina ou na simples mudança de ponto de vista de um dos sujeitos da união.
    O que molda as atitudes não é exatamente o amor, mas o desejo, a excitação que precisa tomar uma nova cara, uma fórmula de acordo com um "certo" contorno que privilegia o ego dos envolvidos. Então o amor é troca? O amor não é se dá por completo? Se troca é um negócio, se dar-se plenamente: ausência de filáucia. Se não tens amor próprio como diz amar o outro? Está para ser uma inequação: desigualdade que só é verdadeira em certos valores das variáveis. Está ai uma resposta que talvez caiba.
    O amor é vendido socialmente como qualquer outro produto. Uma das formas de vendê-lo é através da farsa do casar para ser feliz, casar-se para isso ou aquilo. Seja hetero, seja homo o vínculo criado corresponde a uma convenção socialmente aceita (ou não). Este amor é o tipo fracassado dos relacionamentos que precisam de um contrato firmado, testemunhado e ser até publicamente festejado. No entanto para este amor, que pode (e deve) deixar de existir, assim que acabe as lembranças da lua de mel já estão de prontidão outras instituições sociais, que não são exatamente cemitérios, mas facilitam o saimento deste cadáver. 
    Não se compreende por que a sociedade tende chamar relacionamentos para casamento de amor; será que é só para atender algum tipo de indústria? Quem sabe para dar um sabor às vidas sem brilho dos trabalhadores que o percebem nisso a maior realização de suas histórias? Ou ainda por entender que essa é a única forma de prender os instintos selvagens dos humanos? O certo é que não se tem uma resposta definitiva para nada.
    Se este tipo de “amor ajustado” tem tantas pechas sobra beleza no amor genético (quando existe), ou seja, "o amor é um altruísmo genético" quando possível. Então casa-se para ter crias, amá-las e ter o gosto de sentir o amor? Não se sabe. Pense na versão do amor. 
    O que faz um indivíduo desejar outro são suas equivalências que somadas ao nível de reciprocidade determina a persistência do desejo, caso não haja resposta, busca-se equivalência noutro elemento até chegar-se a algum tipo de realização. O que é ou onde está o amor num casamento? Está no sexo e dura alguns minutos!
    Amor é uma causa social dentro de outra. Pobres amam pobres; ricos amam ricos; hienas amam hienas e assim sucessivamente.
    Logo o amor só tem lugar no sexo que precisa ser cuidadosamente organizado na manutenção da moral social. Amor é sub ideologia da práxis travestida de beleza pela poesia, pela religião e recontada pelos romancistas, aceitas por transeuntes sociais. Cada sujeito com seu propósito diferente de "amar" chamando de amor. Sugiro um sinônimo para o termo amor: Utopia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Urbanização de São Paulo: Chicago ou Paris?

Em 1878 fundou-se em São Paulo o primeiro sistema de abastecimento de água a Companhia de água e esgoto Cantareira. São Paulo já estava em ebulição, era o destino preferido dos cafeicultores interioranos, também dos imigrantes europeus. 
O processo de urbanização paulistana é uma síntese de contradição copista: os primeiros barros criados para elite indicava europeização da cidade (Campos Elísios, Indianópolis e o próprio Higienópolis que remete a questão da limpeza racial) para clarificar nossa proposição de copistas às avessas havemos de lembrar que diferente do que fizeram os europeus com seus rios São Paulo os matou ou fez com que sumissem embaixo do asfalto (caso Tamanduateí e do riacho Anhangabaú – o primeiro canalizado vergonhosamente sujo e poluído, o segundo sumido da Avenida 9 de julho). Em 1912 inicia-se a canalização do Tamanduateí juntamente com um projeto de aterramento das várzeas deste e do Anhangabaú. Este foi é o primeiro episódio que marca o desastrado urbanismo paul…