Pular para o conteúdo principal

Achismos: ou tão achados quanto perdidos?


Dia desses notei a fala de uma figura dita importante, aparecia um invariável "achismo" que não condizia com a proeminência daquela personagem.
Observei a prolação de outras tantas "figuras importantes" e lá estava o cabalístico achismo.
Bom! Talvez o "eu acho" seja um vício de linguagem que, felizmente, não está presente no pensamento dos físicos, astrônomos, poucos médicos e alguns intelectuais. Ao menos estes não vivem presos a achismos e por isso nos dê tantas razões para admirar seu trabalho. Já as figuras da moda na TV...
Lembro que quando falamos de intelectuais a referência não é válida aos que escrevem livros de autoajuda (alquimistas do capital).
"EU ACHO!"
Nesta frase  aparentemente simples escondem-se vários embustes ou sempre uma pretensão estoicista e tola. Ao dizer "eu acho" o sujeito admite explicitamente que  não está certo do que diz e por isso procura achar.. Ainda não encontrou nenhuma resposta lógica e expõe o que pensa numa incerteza clássica.
Também achava! Agora não acho mais nada... Sempre que achava não percebia que me perdia. Sempre que me sentia perdido procurava encontrar algum sentido "achando".  Apesar da sombra que paira numa conversa em que se "acha" algo não se preocupam que o "achar" não acrescenta nada e só mete dúvida.
Além disso, o problema do achismo é o vazio permanente piorado na resposta em tom equivalente. Algo como "eu acho que não" ou "eu também acho!."
Achismo além de nada dizer é uma metáfora coleante, num espaço sem referência, isto é, sem gravidade, sem ponto de referência.
Começar uma frase com "eu acho" só não é pior que começar uma frase que com "veja bem!" Quando o individuo assim procede está nas entrelinhas o seguinte: "Também não sei o que estou dizendo, mas pense que sei porque também, assim como você, quero acreditar muito no que digo".
Enquanto a primeira forma ocorre a admissão da dúvida e (lembro) é estoica; a segunda nutre-se de um pedantismo ineficiente e burlesco próprio de alguns lideres.
Costumava achar que o que achava tivesse algum sentido, nunca teve, pois não sabia se o que dizia achando carregava algum valor de objetividade, falhava não via que é uma expressão desvalorizada de introspecção, incapaz de satisfazer a realidade ou a questão dada. Tão superficial quanto inócua.
O que você acha?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Urbanização de São Paulo: Chicago ou Paris?

Em 1878 fundou-se em São Paulo o primeiro sistema de abastecimento de água a Companhia de água e esgoto Cantareira. São Paulo já estava em ebulição, era o destino preferido dos cafeicultores interioranos, também dos imigrantes europeus. 
O processo de urbanização paulistana é uma síntese de contradição copista: os primeiros barros criados para elite indicava europeização da cidade (Campos Elísios, Indianópolis e o próprio Higienópolis que remete a questão da limpeza racial) para clarificar nossa proposição de copistas às avessas havemos de lembrar que diferente do que fizeram os europeus com seus rios São Paulo os matou ou fez com que sumissem embaixo do asfalto (caso Tamanduateí e do riacho Anhangabaú – o primeiro canalizado vergonhosamente sujo e poluído, o segundo sumido da Avenida 9 de julho). Em 1912 inicia-se a canalização do Tamanduateí juntamente com um projeto de aterramento das várzeas deste e do Anhangabaú. Este foi é o primeiro episódio que marca o desastrado urbanismo paul…