Pular para o conteúdo principal

Brasileiros despertos* (?)

Em vários escritos desta página é possível encontrar a menção "TV oficiosa" - não havia sido mais claro porque não era necessário, pois todos sabem a "TV oficiosa no Brasil  " é a rede Globo (e não a TV Senado). Esta concessão e seu poder de manipulação sobre políticos influentes e massa de modo geral, satisfeita em bestialidades, há décadas mantém o povo refém em sua ignorância sente-se desafiada a tomar outra postura diante da concorrência em espelho, por cópias.

A globo no Brasil assim como a TV Miramar em Moçambique (Record - BR), respectivamente, apoderaram-se das mentes das pessoas e as tronaram zumbis em seus dias. Uma colocou a fé em patamares esquizofrênicos e a outra tem fé no escatológico, no amoral, no que lhe faça faturar o máximo possível (veja o segundo vídeo).

A primeira pelo gozo terreno (o prazer do agora, do bacanal desde séries com adolescentes a programas dirigidos ao sexo sem nenhuma conotação informativa; a segunda (Miramar ou Record) vende o prazer no céu, mas de antes incutir no indivíduo que este só será feliz "além túmulo" lhe arranca seus bens na forma de dízimo que mais parece um leilão.

Em alguns pontos do Brasil estão ocorrendo manifestações contra a cobertura de reportagens da TV oficiosa, porém o nosso grito de "fora" deveria ir mais longe, isto é, algo como: "Fora Globo; fora Record, fora opinião de imprensa". A imprensa está para informar, mas os vícios de poder do Sr. Marinho (fundador Globo) formou uma imprensa nacional voltada a interesses particularizados, pois fora espelho por décadas. Este é o seu prêmio. Veja!



Isso deveria ter acontecido há tempos, talvez não seja tarde para arrancarmos esse "câncer do cérebro do brasileiro". Caso ocorra nossa obrigação moral é não permitir que a Record, ou outra qualquer, queira ocupar seu espaço de formador de opinião da massa qual na prática não passa de joguete a fim manipular o povo atendendo a oligarquias (uma que diz ter fé em Deus e outra que diz ter fé no cidadão, contudo se entregam desta maneira porque a fé de ambas é no dinheiro).

Se houver conscientização ampla do "porque" está acontecendo pode ser o tempo de libertar o Brasil da modorra mental aprofundada no pelos governos militares (1964 - 1986) qual as organizações Globo, sempre bem amparada, oferecia ao povo dia após dia seu conteúdo baixo e parcial (ainda hoje), ou seja, mudaram-se as nomenclaturas de ditadura para democracia, entretanto a verdade é que o governo providencia o pão e a globo (toda vida) providencia o circo. Não o verdadeiro, mas o do horror da imbecilização da massa.

No início de carreira de Edir Macedo (dono da Igreja Universal do Reino de Deus, da Rede Record de TV, jornais, revistas, gravadoras, editora e mansões nas cidades mais cara de São Paulo: Barueri e também dono vários lotes de terrenos no Céu) ensinado seus pastores a tirar dinheiro do povo:



 Após essa denúncia que se aplicada a Lei [o Art. 283 do CP: Inculcar ou anunciar cura por meio secreto ou infalível (3 meses a 1 ano de detenção) ou Art. 284: Exercer Curandeirismo usando gestos palavras ou quaisquer outros meios (6 meses a 2 anos de detenção)] este estelionatário seria desmantelado com seus comparsas, no entanto continuou a fazer fortuna. Isso é mais uma prova viva da ignorância do brasileiro e de uma noção lassa para quem tem dinheiro. Até o conquistado da forma como mostra o Vídeo.


Enquanto isso sonhamos com isenção da imprensa; políticos mais honestos ou se condenados sejam presos; um judiciário mais inteligente; organizações não governamentais (ONG's) que existam fora do papel ou não recebam verbas públicas sem fiscalização; uma educação que valorize o homem em sua relação com a natureza - não a vontade da indústria; mais um milhão objetivos utópicos.

Assim falava um brasileiro menos otário que outros...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Sartre: o filósofo do nada e da decisão.

Entre as frases mais conhecidas de Sartre está a que diz que “o homem está condenado a ser livre”. Para este filosofo só o egoísmo nos explica. Não o egoísmo de Adam Smith, mas talvez se aproximasse do egoísmo hobesiano não houvesse uma distinção clara entre indivíduo e Estado respectivamente.
É através de uma necessidade egoísta que temos a obrigação de escolher “ou não” (que também é uma escolha, isto é, escolho não escolher). É ai que nasce sua certeza de que existe liberdade na ação do homem independente do seu tipo de escolha: se ação ou inação. Segundo seu pensamento o poder da decisão não é determinado pelas circunstâncias. Se assim fosse teríamos de imaginar que um mundo perfeito deveria existir com circunstancias estritamente agradáveis e imutáveis. Isso é impossível por ser um antimundo, um mundo da ideia, um mundo ilusório. Sua crítica existencialista o obriga a defender a inexistência do divino sobre o homem. Pensamento este que o aproxima de Feuerbach no sentido de dizer que…