Pular para o conteúdo principal

Solilóquios de um lavrador (Parte II)


As instituições não estão para solucionar nem para mediar problemas, estão para contenção dos ânimos limitando os sujeitos em suas ações e em possíveis refrações ao sistema ideológico, uma vez que o formato implantado beneficia um grupo e seus aspirantes. 
Se o crime não tem cura o que justifica salários estratosféricos dos donos do poder e dessas instituições, como lavradores lhes organizamos o alimento para sua sobrevivência e temos acessos sociais minguados. Se as demandas parlamentares são tão árduas por que matam, roubam e morrem por elas? 
As instituições criam os problemas e financiam sua solução através de peças teatrais monótonas: o juiz, o advogado, o réu, as testemunhas na arquibancada sedentas de sim e de não. Isso é tudo que o povo come: punhados de sim e de não. 
A economia da cidade é pautada no protocolo, na usura, no medo, na moda, na felicidade financiada e na esquizofrenia das divisões de classes. Sendo esta última a maior e mais bem cuidada de todas as instituições sociais. 
Existe algo sórdido e inexplicável na economia: sua volubilidade tranquilamente aceita como necessidade geral.
Depois da quase total destruição do planeta a economia tem se voltado para a venda do conhecimento. É o mais controverso de todos os produtos comerciais, pois não encontra-se totalmente fora do sujeito e sua introdução completa forma bonecos sociais, comprá-lo não significa absorção dado que o conhecimento seja o produto da moda. 
O protocolismo está em todas as partes.
é basicamente desse conjunto que vive a cidade, isto é, A cria um problema; B tenta resolver; C diz que provas que A tem um álibi fortíssimo e vai provar sua inocência; J quer a resolução num tribunal; M oferece a solução mediante o consumo de um produto que acabara de inventar, F cria uma instituição para cercear o surgimento de problemas parecidos; X formula uma teoria que explica a práxis; todos dizem blá-blá-blá... Até surgir um assunto que os faça esquecer-se do anterior.
Universalmente estólida a sociedade diz progredir, compreende-se algo pregresso, nota-se a incapacidade dos indivíduos em se desapegar de valores inúteis, há incompreensão, há ausência de gestos humildes; vê-se "sujeitos preparados para vencer na vida", mas o que de errado em vencer? Nada se o modelo dado não fosse a exploração desmedida da natureza em si e da humana com padrões de submissão institucionalmente aceitos.
Era este o mundo real do primo: o cidadão bem aventurado. Não podem dizer que tudo fora visto aqui pelo prisma campestre, apenas notou-se que na cidade problemas são transformados em cavalos de batalha ou escaramuças ideológicas para fabricação de novos heróis: o policial, o prefeito, o traficante, o padre, o empresário, etc. realidades diferenciadas valorizadas burocratizadas e festejadas com ritos inaugurais, geralmente, com aplausos dos pelegos ou pelos antolhos da satisfação que acredita tudo ser responsabilidade do outro e não de cada um; como se não fosse uma proposta lógica da condição humana "o realizar".
Na casa das máquinas vive-se de encantamentos alicerçados em conceitos e preconceitos maquiados por seus diversos dogmas: Do capital ao religioso, da justiça ao descaso, da política a sua ausência, do engano ao real, da cidade versus campo, do individualismo negando o coletivo...
Sim e não, bem e mal são nossas maiores demências.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Sartre: o filósofo do nada e da decisão.

Entre as frases mais conhecidas de Sartre está a que diz que “o homem está condenado a ser livre”. Para este filosofo só o egoísmo nos explica. Não o egoísmo de Adam Smith, mas talvez se aproximasse do egoísmo hobesiano não houvesse uma distinção clara entre indivíduo e Estado respectivamente.
É através de uma necessidade egoísta que temos a obrigação de escolher “ou não” (que também é uma escolha, isto é, escolho não escolher). É ai que nasce sua certeza de que existe liberdade na ação do homem independente do seu tipo de escolha: se ação ou inação. Segundo seu pensamento o poder da decisão não é determinado pelas circunstâncias. Se assim fosse teríamos de imaginar que um mundo perfeito deveria existir com circunstancias estritamente agradáveis e imutáveis. Isso é impossível por ser um antimundo, um mundo da ideia, um mundo ilusório. Sua crítica existencialista o obriga a defender a inexistência do divino sobre o homem. Pensamento este que o aproxima de Feuerbach no sentido de dizer que…