Pular para o conteúdo principal

O que é informação?



Para que servem os veículos de comunicação? Ou a pergunta deveria ser: a quem servem os veículos de comunicação?

Ciente de que não teremos uma resposta convincente resolvemos fazer também um resumo desta semana TOSCA em relação a mídia do Brasil que trata o lixo como luxo (salvo raríssimas exceções).

Três exemplos de notícias inúteis que cansaram a paciência de brasileiros aptos a pensar: Ronaldo Gaúcho (do futebol: instrumento de alienação de massa), Daniel ( participante do reality show da TV oficiosa que se institui como suprema) e aquele boçal esnobe da Paraíba que numa propaganda não perdeu a oportunidade de se mostrar elite, logo virou chacota nas redes sociais (Só faltou o jargão humorístico: "Paraíba! Está aqui o meu cartão").

No primeiro caso (Ronaldo) percebe-se a construção, sustentação e espera da exemplificação regular do “mito” (aqui comercial, afinal o jogador tem de dar bons exemplos para que os novos favelados tenham objetivos de vida...).

O herói do povão não pode falhar...

No segundo (Daniel) a reação orgânica foi superior as convenções, ou seja, uma das múmias confinadas (Big Brother Brasil) para alegria da massa (anencéfala) responde aos instintos mais animais que convencionais (a vida humana é estomago e volúpia o que passa disso é protocolo), mas na sociedade ocidental que tem a ética e a moralidade como espectro surgido o escândalo é transformado em prazeres com gosto de vingança clerical; lembra inveja, mas é sempre uma parodia limitada a ridicularização geral, logo elevados a notícia do dia. Para fechar o espetáculo o Estado diz querer entender o que aconteceu... Enquanto na vida real as instituições estatais não estão tão aplicadas assim... (veja o texto: Ação, reação: inação).

Para a garota paraibana que teve seus 15 minutos de fama vendida na soberba de seu pai: um típico explorador e mantenedor da desigualdade social visto que seu pedantismo aflora no prazer do destaque e da ostentação resta a esperança de uma vida supérflua. Prova disso fora o rápido atendimento aos chamados comezinhos para aparecimentos fugazes. 

Coitados de todas estas personagens! Utilidades mercadológicas a fim de um quinhão "bem aventurado".

Coitados de nós obrigados a receber o lixo que produzem em suas vidas como se nos fosse útil.

Tudo isso nos mostra uma mídia incapaz ou sem vontade de refletir sobre a importância de suas veiculações e um povo acrítico preso a vontade desesperadora do presenteísmo, do gozo onanístico e na gana capitalista sobrepujando o bom senso. Já não se sabe diferenciar informação de espetáculo midiático.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Sartre: o filósofo do nada e da decisão.

Entre as frases mais conhecidas de Sartre está a que diz que “o homem está condenado a ser livre”. Para este filosofo só o egoísmo nos explica. Não o egoísmo de Adam Smith, mas talvez se aproximasse do egoísmo hobesiano não houvesse uma distinção clara entre indivíduo e Estado respectivamente.
É através de uma necessidade egoísta que temos a obrigação de escolher “ou não” (que também é uma escolha, isto é, escolho não escolher). É ai que nasce sua certeza de que existe liberdade na ação do homem independente do seu tipo de escolha: se ação ou inação. Segundo seu pensamento o poder da decisão não é determinado pelas circunstâncias. Se assim fosse teríamos de imaginar que um mundo perfeito deveria existir com circunstancias estritamente agradáveis e imutáveis. Isso é impossível por ser um antimundo, um mundo da ideia, um mundo ilusório. Sua crítica existencialista o obriga a defender a inexistência do divino sobre o homem. Pensamento este que o aproxima de Feuerbach no sentido de dizer que…