Pular para o conteúdo principal

Expressão do que? Ah nem sei...


Imagine um tubo de ensaio. Elementos se misturando para formar algo novo. Algo que fundamente novas ações em outros seres, experimentos que determinam novas circunstâncias, ideias que curam - soluções para novas soluções. Infusão. Imagine um coletivo, um tubo de ensaio não com uma só ideia e um fim, mas milhares. Sujeitos querendo se misturar, querendo provar ao outro que já sabem muito... Que suas ações são incríveis, que suas ações são antídotos contra dores da alma porque em algum momento superou a todos em felicidade. Que suas viagens foram as mais “mais”...  Ideias não mais para cura, mas para mostrar altivez. Um mundo a parte (de aparências). O coletivo é um tubo de ensaio às avessas. Os sujeitos parecem querer provar a seu interlocutor que deram certo de alguma forma, contudo só lhes contam em alto e bom tom suas pseudo vantagens, conquistas, viagens, etc.,.
Ouvia coletivamente um diálogo desses. Dois advogados. Pareciam querer vingar-se da regra culta de usual em sua profissão, abusavam das gírias bairristas, monossilábicos, uma conversa viciada (só! E então? Só! Tá ligado mano!?); se saíssem para a segunda sílaba diria que eram jogadores de futebol. Essa tormenta obrigatória causou fadiga, mas é a rotina dos "tubos de ensaio" sociais coletivos. Falar o que fez o que quer fazer, o que queria ou deveria ter feito, e, alguns, o que outros fizeram. Por outro lado a falta de zelo pela língua é uma instituição nacional. Posso falar dos noticiários sobre enchentes qual os repórteres da TV alardeiam: a grande quantidade de água, pleonasmos primários e um vício monótono do termo "ai" importado das limitações verbais de alguns militares disseminado também entre jogadores. Num canal a presenteadora (C. B.) fala claramente "inrigular" em vez de irregular. Devo falar do acadêmico "P. Coelho" que escreve suas frases fantásticas de autoajuda voltadas ao sincretismo mais financeiro que religioso. A novela (símbolo nacional - infelizmente) e seus atores e atrizes escorregando no uso da língua a todo instante, mas como é na TV oficiosa ninguém se queixa - apenas as sombras da sociedade. 
Ensinam-nos a falar conforme seus conhecimentos. Do nosso modo de falar e o que compreendemos dele podemos gerar (ou não) outras formas de conhecimento, pois o pensamento que organiza a fala antepõe os limites do diálogo mediante tom dado pelo extremo dialógico.
A fala é expressão do pensar em forma difusa e isso não nos permite pensar que falar seja expressão pura do pensamento. Na fala encontramos diversas classificações orientadas por lugares ou manuais: dialetos, culto, vulgar, comercial, etc.,. Para que distinção se tudo que há entende-se antepor-se ao expressar entrelaçado? Como nos provaram donos dos canudos acima. O expressar não é “uno?”. Apesar de classificarem formas puras ou diferenciadas para falar não temos possibilidade de encontrá-la sem vontade própria, nada pode ser meramente por repetição como os veículos de massa estão propagando involuntariamente, pois já não sabem mais como voltar - se desprenderam do fio de Ariadne. 
Aliais, repetição na sociedade é fato consumado. As pessoas se sentem perdoadas de sua ignorância quando pratica algo para atender a moda na fala ou em seus aspectos próprios (o geral da moda), se sentem felizes por serem iguais, se limitam aos trejeitos das convenções inúteis para garantir a permanência em determinado gueto, pois a moda é das formas de expressão do pensamento a que mais indica características reais do individuo em seus limites mentais. Usar terno não é sinônimo inteligência, não esqueça. Às vezes recrimino a alguns desavisados que "linhas imaginárias políticas não delimitam humanidades dos sujeitos" e tenho como respostas que sua expressão preconceituosa é força do habito, isto é, faz-se por repetição sem refletir sobre o feito independente deste (feito) nivelar outro "ser" a condição de escória.
Dirão: Parece um psicólogo dando a bula em incertezas orais! Jamais seria. Psicólogos não passam de padres sem batina, curandeiros modernos dos males sociais - Prometeu moderno - diferem dos padres e seus concorrentes que querem curar a alma alheia negando qualquer tipo de conhecimento diverso da fé, lideres religiosos (de toda sorte) buscam todos os tipos de conhecimentos e prazeres, pois sabem que não há céus. Só não afirmam que tanto o céu como inferno são aqui. Prefiro o frade Pelágio ou Epicuro.
Este resumo indica que nossa expressão é uma síntese das proposições que valorizamos ou, damos crédito, vivemo-las dia sim dia não, mas por que o padre, o professor, o psicólogo, os advogados (até esses do coletivo), etc.,.  Por que estão sempre firme em suas asserções? Porque antes de serem atores e cicerones sociais são profissionais da persuasão e como qualquer outro precisa vender sua mão de obra, seu produto: sua fala, sua imagem. Temos de parecer o que não somos para ser o que não gostaríamos de ser.
Deveríamos nos repensar.
Tudo está em "negócio" de expressar, não há encanto, não há reflexão sobre a expressão, o falar comercial está apagando a consciência do escorreito e dando lugar a fugacidade duma comunicação onanística cujo prazer fica no sorriso plástico do agora.

Comentários

  1. Oi Humano crônico! Não tenho como elucidar seu questionamento no comentário sobre a postagem "Pedofilia não é crime", mas a minha opinião é que a sociedade parece pouco se importar com sentidos. Quanto a mim, vivo em busca de significados, respostas, sentido em tudo o que me rodeia. Obrigada pela visita ao meu blog e pela participação. Me sinto honrada em tê-lo como seguidor do blog. Seja bem-vindo! Seu blog é muitíssimo interessante!

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Lilian!
    Seu espaço (Blog) é bastante rico. Parabéns!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Sartre: o filósofo do nada e da decisão.

Entre as frases mais conhecidas de Sartre está a que diz que “o homem está condenado a ser livre”. Para este filosofo só o egoísmo nos explica. Não o egoísmo de Adam Smith, mas talvez se aproximasse do egoísmo hobesiano não houvesse uma distinção clara entre indivíduo e Estado respectivamente.
É através de uma necessidade egoísta que temos a obrigação de escolher “ou não” (que também é uma escolha, isto é, escolho não escolher). É ai que nasce sua certeza de que existe liberdade na ação do homem independente do seu tipo de escolha: se ação ou inação. Segundo seu pensamento o poder da decisão não é determinado pelas circunstâncias. Se assim fosse teríamos de imaginar que um mundo perfeito deveria existir com circunstancias estritamente agradáveis e imutáveis. Isso é impossível por ser um antimundo, um mundo da ideia, um mundo ilusório. Sua crítica existencialista o obriga a defender a inexistência do divino sobre o homem. Pensamento este que o aproxima de Feuerbach no sentido de dizer que…