Pular para o conteúdo principal

Minha futura ex-mulher


Diz a convenção:
– Que fale agora ou cale-se para sempre!
Fim da frase início de uma vida a dois (no mundo ocidental e na bitola religiosa mercantilista de algumas sociedades: casamento). Isso pode ser bom para muitos, tanto é que os índices aqui, na China e na Índia estão crescendo com o vapor das respectivas economias.  Sei que partes dos casamentos não precisam de um padre com suas frases monótonas nem um monge dizendo: “quando estiverem falando línguas diferentes basta ir para um canto da casa e ficar zen”, mas constantemente há um protocolo tosco que quase sempre dá em nada ou em juízo - independente da cultura.
Dia desses estava dado nos jornais que o índice de casamento está em alta por aqui - também o divórcio tem crescido não proporcionalmente. Os separados casam-se novamente inflando o índice. Estranho, mas casam-se pela segunda e terceira vez.
Tenho um amigo que complementa essa estatística em todos os formatos. A busca, o encontro, a união, a desunião e a repetição (diria do erro, mas se é assim que se busca a felicidade e esta como é um elemento altamente subjetivo nada nos convém indicar).
Contava sempre.
Sua vida de casado era um inferno astral perene. Diferente de Danti (A divina comédia) seu passo mais avançado era o purgatório. Não conhecia os elementos que fizessem fluir a relação, dizia ter perdido a graça da união justificada no casamento. Lembrou de um amigo que dizia sem temores que "casar é forma mais cara de transar de graça". 
Os encontrões eram diários, sua rotina parecia ser alimentada de mal estar; nesta situação quasimodal ainda havia espaço para contextos toleráveis (dignos de vida de casal). Mas o entorpecimento era presente, também, às vezes, a mim que cedia os ouvidos para seus fracassos conjugais.
Confessou certa vez que "suportava" para salvaguardar a família, mas quando a pessoa que ultimamente tem classificado de “minha futura ex-mulher” o acusa do que "é" fica sem norte, não tem defesa...
– Como posso dizer que não sou o que sou ou justificar-me que sou uma falha e vou me corrigir por que outra pessoa me quer diferente? Devo negar meu ego e fabricar um alter ego que convenha?  Não sei como me defender das minhas vontades ou de "um mim que não sou eu"; mentiria para ambos se justificasse porque ser assim e não da forma que me quer - se deixar de fazer minhas vontades para atender a do outro estarei negando "me eu", não caibo nesse padrão; quero propor um termo para substituir casamento: "se me houver outro quero que se chame compreensão, casar é uma forma verbal sem sentimento implícito, quero compreender em todos os sentidos sem alterar o lado de lá, desejo infusão em seus amplos sentidos!" O que faço me apraz e se sou desagradável a outrem não é com satisfação é porque não sei "ser" para o que está fora  ou longe do ímo, mas para que me faça algum bem e não altere negativamente o que não está em mim (os outros). Não se nega o exercício latente da subjetividade para atender a demanda alheia, não sei fugir dos valores que absorvi por gosto, por persuasão de outrem ou pela ordem moral do sistema.
Desabafou.
– Não sei se sei o que é amor, talvez não tenha encontrado a pessoa certa; se é que isto seja possível a alguém – quiçá esta ideia seja mera conformação de quem diz ter...
Completou.
– Li textos poéticos para encontrar inspiração na vida a dois, me fez bem ler somente o que parecia uma fuga. Queria seguir o caminho de Pasárgada[1] ou de algum mundo paralelo, li textos satíricos do humano crônico que trata do amor como uma das utopias da humanidade, estas são as indefinições mais completas que observei e não absorvi sobre amar.
Calou-se por um instante.
Levantou-se e (quase num brado) disse: 
– Vou me separar... Quero amar de novo; amar é a vida em si; almejo viver... Amor é jogo: quero ganhar! Quero amar!  Desejo errar, anseio vibrar e fazer vibrar...
Estamos faz sete luas desta conversa e a dois passos da quinta noiva da década...
Como disse outro poeta[2] “... Que seja infinito enquanto dure". 


[1] Vou-me embora pra Pasárgada, Manoel Bandeira. 1886 – 1968 (PE)
[2] Soneto de felicidade, Vinícius de Moraes. 1913 – 1980. (RJ)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Urbanização de São Paulo: Chicago ou Paris?

Em 1878 fundou-se em São Paulo o primeiro sistema de abastecimento de água a Companhia de água e esgoto Cantareira. São Paulo já estava em ebulição, era o destino preferido dos cafeicultores interioranos, também dos imigrantes europeus. 
O processo de urbanização paulistana é uma síntese de contradição copista: os primeiros barros criados para elite indicava europeização da cidade (Campos Elísios, Indianópolis e o próprio Higienópolis que remete a questão da limpeza racial) para clarificar nossa proposição de copistas às avessas havemos de lembrar que diferente do que fizeram os europeus com seus rios São Paulo os matou ou fez com que sumissem embaixo do asfalto (caso Tamanduateí e do riacho Anhangabaú – o primeiro canalizado vergonhosamente sujo e poluído, o segundo sumido da Avenida 9 de julho). Em 1912 inicia-se a canalização do Tamanduateí juntamente com um projeto de aterramento das várzeas deste e do Anhangabaú. Este foi é o primeiro episódio que marca o desastrado urbanismo paul…