Pular para o conteúdo principal

O Círculo no homem



O homem não pode ser pensado fora do materialismo. Toda ação e reação é dada pela lógica material e por sua concepção de ultra materialidade capaz de forjar a matéria além da matéria como elemento sublime e condicionador. Disto fundam-se suas fraquezas e virtudes. O que é grandeza para "um" é pusilanimidade para outro. O escândalo de dois é bem aventurança àqueles. A vida é sim e não num átimo ou num milênio. As buscas se repetem em suas formas em qualquer período, tempo ou espaço. Refinadas ou não são equivalências das anteriores e futuras.
Quando o sujeito não encontra equivalências ou respostas adequadas para suas questões, a interrogação agiganta-se, tende a cair num vazio e seu pano de fundo é a penumbra ou o condicionamento da mente a alguma entidade.
O olho enlouquece, busca novos ângulos, não adianta; lembra que além do que os olhos alcançam está a obscuridade; quer enxergar o que as pupilas não captam, divagações formam novos vértices.
Investigações contínuas em todos os cantos da mente a fim de desvendar o que há depois do EU.
Em todos os tempos este ponto (a inexistência do EU) tem gerado indivíduos alienados por mistificações de todas as sortes no prazer de imaginar um mundo melhor fora deste, outros satisfeitos em não querer nenhuma vida além desta e não ser vitima de alucinações miraculosas ou mefistofélicas (diabólicas). O homem quer fugir das grades do pensamento formadas pela sua ignorância,  no seu "não conseguir entender" o que está além dos olhos perde-se, vive-se para a prisão que há contraditoriamente diante de qualquer sentimento de liberdade, uma vez que a liberdade é o molde oferecido por instituições, logo estamos presos num emaranhado obrigações, moralidades e pensamentos obedecendo ou burlando essas obrigatoriedades institucionais, enfim estagnamos no obedecimento ou na negação, preocupados com o fim do EU, entregues a vida, acreditando, querendo, fingindo, vivendo...




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Urbanização de São Paulo: Chicago ou Paris?

Em 1878 fundou-se em São Paulo o primeiro sistema de abastecimento de água a Companhia de água e esgoto Cantareira. São Paulo já estava em ebulição, era o destino preferido dos cafeicultores interioranos, também dos imigrantes europeus. 
O processo de urbanização paulistana é uma síntese de contradição copista: os primeiros barros criados para elite indicava europeização da cidade (Campos Elísios, Indianópolis e o próprio Higienópolis que remete a questão da limpeza racial) para clarificar nossa proposição de copistas às avessas havemos de lembrar que diferente do que fizeram os europeus com seus rios São Paulo os matou ou fez com que sumissem embaixo do asfalto (caso Tamanduateí e do riacho Anhangabaú – o primeiro canalizado vergonhosamente sujo e poluído, o segundo sumido da Avenida 9 de julho). Em 1912 inicia-se a canalização do Tamanduateí juntamente com um projeto de aterramento das várzeas deste e do Anhangabaú. Este foi é o primeiro episódio que marca o desastrado urbanismo paul…