Pular para o conteúdo principal

Dia útil, qual é o seu?

     Enquanto máquinas a serviço da sociedade ou das buscas particularizadas vivemos limitações geradas nas  eventualidades e para estas: uma peça do sistema que se movimenta de forma monótona, idas e vindas para fins equivalentes; infinitas verdades; intermináveis mentiras; objetivos uniformes; buscas que se repetem como uma análise tautológica de um "acadêmico do acaso ou por ter vendido muitos livros". Além do literato da autoajuda já se sabe: fala-se aqui de um filho do Kismo, o sujeito do dia útil.
     O dia que se serve a alguma circunstância remunerada recebe-se essa consideração; o dia que vive-se para si nenhuma classificação. Por quê?
     O “dia” independente de conceitos mercadológicos é nossa grande casa, um interstício consigo, com o passado e futuro. Isto nos leva a crer que não há razão para dividi-los em escala de valor.
     Por outro lado dia útil pode ser um conceito, neste caso cada um tem o seu.
     O dia útil de uma criança é uma bola num parque com o pai, um amigo, um irmão; de um adolescente é a temperatura do beijo amado e esperado; do rapaz ou da rapariga: suas núpcias; do pai, da mãe as oportunidades crescentes dos filhos; do palhaço o deslumbramento no sorriso das crianças. Heureca!   
     Isso: o dia útil é o dia do sorriso franco! O dia das alegrias que não se compram!

                                         http://www.panoramio.com/user/6581619
Um dia admirando a natureza...

Comentários

  1. Não sei porque o comentário não ficou no post...
    Mas vá lá de novo.
    Em resumo porque não lembro exatamente o que escrevi antes: vivemos num estado de loucura permanente neste chamado "dia útil". Viva a sanidade do "dia inútil", aquele que, necessariamente, tem que existir em função da dualidade deste plano material em que nos encontramos. É isso!

    Ricardo Nagy

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Nagy.

    O dia útil (penso) poderia ser (quando analisamos de forma subjetiva) o momento que o sujeito se realiza independente de calendários, o dia em que sua alegria é tão pura e inofensiva como o sorriso de uma criança. Grato

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Sartre: o filósofo do nada e da decisão.

Entre as frases mais conhecidas de Sartre está a que diz que “o homem está condenado a ser livre”. Para este filosofo só o egoísmo nos explica. Não o egoísmo de Adam Smith, mas talvez se aproximasse do egoísmo hobesiano não houvesse uma distinção clara entre indivíduo e Estado respectivamente.
É através de uma necessidade egoísta que temos a obrigação de escolher “ou não” (que também é uma escolha, isto é, escolho não escolher). É ai que nasce sua certeza de que existe liberdade na ação do homem independente do seu tipo de escolha: se ação ou inação. Segundo seu pensamento o poder da decisão não é determinado pelas circunstâncias. Se assim fosse teríamos de imaginar que um mundo perfeito deveria existir com circunstancias estritamente agradáveis e imutáveis. Isso é impossível por ser um antimundo, um mundo da ideia, um mundo ilusório. Sua crítica existencialista o obriga a defender a inexistência do divino sobre o homem. Pensamento este que o aproxima de Feuerbach no sentido de dizer que…