Pular para o conteúdo principal

Dia útil, qual é o seu?

     Enquanto máquinas a serviço da sociedade ou das buscas particularizadas vivemos limitações geradas nas  eventualidades e para estas: uma peça do sistema que se movimenta de forma monótona, idas e vindas para fins equivalentes; infinitas verdades; intermináveis mentiras; objetivos uniformes; buscas que se repetem como uma análise tautológica de um "acadêmico do acaso ou por ter vendido muitos livros". Além do literato da autoajuda já se sabe: fala-se aqui de um filho do Kismo, o sujeito do dia útil.
     O dia que se serve a alguma circunstância remunerada recebe-se essa consideração; o dia que vive-se para si nenhuma classificação. Por quê?
     O “dia” independente de conceitos mercadológicos é nossa grande casa, um interstício consigo, com o passado e futuro. Isto nos leva a crer que não há razão para dividi-los em escala de valor.
     Por outro lado dia útil pode ser um conceito, neste caso cada um tem o seu.
     O dia útil de uma criança é uma bola num parque com o pai, um amigo, um irmão; de um adolescente é a temperatura do beijo amado e esperado; do rapaz ou da rapariga: suas núpcias; do pai, da mãe as oportunidades crescentes dos filhos; do palhaço o deslumbramento no sorriso das crianças. Heureca!   
     Isso: o dia útil é o dia do sorriso franco! O dia das alegrias que não se compram!

                                         http://www.panoramio.com/user/6581619
Um dia admirando a natureza...

Comentários

  1. Não sei porque o comentário não ficou no post...
    Mas vá lá de novo.
    Em resumo porque não lembro exatamente o que escrevi antes: vivemos num estado de loucura permanente neste chamado "dia útil". Viva a sanidade do "dia inútil", aquele que, necessariamente, tem que existir em função da dualidade deste plano material em que nos encontramos. É isso!

    Ricardo Nagy

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Nagy.

    O dia útil (penso) poderia ser (quando analisamos de forma subjetiva) o momento que o sujeito se realiza independente de calendários, o dia em que sua alegria é tão pura e inofensiva como o sorriso de uma criança. Grato

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Urbanização de São Paulo: Chicago ou Paris?

Em 1878 fundou-se em São Paulo o primeiro sistema de abastecimento de água a Companhia de água e esgoto Cantareira. São Paulo já estava em ebulição, era o destino preferido dos cafeicultores interioranos, também dos imigrantes europeus. 
O processo de urbanização paulistana é uma síntese de contradição copista: os primeiros barros criados para elite indicava europeização da cidade (Campos Elísios, Indianópolis e o próprio Higienópolis que remete a questão da limpeza racial) para clarificar nossa proposição de copistas às avessas havemos de lembrar que diferente do que fizeram os europeus com seus rios São Paulo os matou ou fez com que sumissem embaixo do asfalto (caso Tamanduateí e do riacho Anhangabaú – o primeiro canalizado vergonhosamente sujo e poluído, o segundo sumido da Avenida 9 de julho). Em 1912 inicia-se a canalização do Tamanduateí juntamente com um projeto de aterramento das várzeas deste e do Anhangabaú. Este foi é o primeiro episódio que marca o desastrado urbanismo paul…