Pular para o conteúdo principal

O circo político


Imagine um circo! É muito bom... Lá rimos da pureza dos acontecimentos.
Imagine o mundo real, imagine o mundo da política, da diplomacia, dos protocolos, das atitudes suspeitas, das emulações, das convenções, dos fatos históricos.
Imagine um circo misto, ou seja, a fusão desses dois mundos – o real e o imaginário, o jogo de cena. A autêntica Teatrocracia onde só se deliciam do riso os “donos do circo estatal”.  
Empossados pelo Sistema (Estado) ou apadrinhados mais parecem atores dum teatro mambembe querendo receber os trocados assim que acabe o espetáculo e fechem-se as cortinas. Aliais sob as cortinas baixas as cenas têm sido dantescas no teatro político brasileiro. Péssimos atores descomprometidos alienados e negando sua causa.
Na grande armação estatal temos barracas de todos os gêneros. Barracas de deputados famosos pela dança da pizza, outros videntes que ganham na loteria 300 vezes,  figuras honor is causa analfabetos funcionais, publicitários chefes de quadrilhas, o tugúrio de Ali Babá e seus quarenta deputados e a mais nova: a barraca do tiro ao alvo ministerial (todos os dias saem prêmios neste bazar quais alvos são as fileiras dos poderosos ministros que não tardam vertem derrubados).
Esquisito neste jogo que não é a oposição que atira, mas sim os comparsas dos lucros. Ah se não fossem vocês comparsas traidores! O povo estaria perdido! Bom, mas se dependemos destes algo me diz que já estamos perdidos.
Socorro Senhora Ética! Senhor Moral! Onde está vossa Excelência?


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Sartre: o filósofo do nada e da decisão.

Entre as frases mais conhecidas de Sartre está a que diz que “o homem está condenado a ser livre”. Para este filosofo só o egoísmo nos explica. Não o egoísmo de Adam Smith, mas talvez se aproximasse do egoísmo hobesiano não houvesse uma distinção clara entre indivíduo e Estado respectivamente.
É através de uma necessidade egoísta que temos a obrigação de escolher “ou não” (que também é uma escolha, isto é, escolho não escolher). É ai que nasce sua certeza de que existe liberdade na ação do homem independente do seu tipo de escolha: se ação ou inação. Segundo seu pensamento o poder da decisão não é determinado pelas circunstâncias. Se assim fosse teríamos de imaginar que um mundo perfeito deveria existir com circunstancias estritamente agradáveis e imutáveis. Isso é impossível por ser um antimundo, um mundo da ideia, um mundo ilusório. Sua crítica existencialista o obriga a defender a inexistência do divino sobre o homem. Pensamento este que o aproxima de Feuerbach no sentido de dizer que…

Ritos sociais autômatos

O que preenche o dia dos indivíduos é busca pelo alimento, aparatos para os diversos tipos de prazeres e o próprio gozo enquanto subjetividade, ou seja, buscamos variantes ou formas de viver que confluam para a segurança, prazer e independência.
      Existe um gozo incontido na independência, mas como esta é uma sensação que nos dá "satisfação" vivemos por "ela" e ponto - sendo uma sensação não entendida como uma busca utópica não haverá metáforas suficientes para explicá-la. Nem como explicar as razões que nos fazem acreditar que um dia atingiremos alguma forma de independência. Apenas queremos. Recusamo-nos a acreditar que ela (a independência) não exista. Dai passamos a mascarar nossas buscas em qualquer forma de prazer tal qual sejamos bem vistos pelos demais de nosso grupo.       Essa busca é naturalizada na práxis perfumada pela fé na sociedade, fé no dinheiro e por fé na Fé: a meta fé. A última é também responsável por boa parte das desgraças do mundo (…