Pular para o conteúdo principal

A palestra como panacéia


      Com a baixa e refundamento do Taylorismo, os improvisos desastrosos do tecnicismo, o avanço cibernético e o distanciamento nas relações interpessoais a humanidade precisou desenvolver algo que faça com que os sujeitos “não deixem de acreditar nunca:” no sistema; no mercado; na família; na empresa e, principalmente, no potencial.  Com o decaimento do humano frente ao processo de industrialização se reconhece que o melhor produto a ser trabalhado, moldado e sustentado é a subjetividade dos indivíduos.
      Percebeu-se. Precisa de um novo tipo de profissional.  Mais um, desta vez um bobo da corte melhorado: o palestrante! O palestrante é o profissional mais bem preparado para o assunto, dá todas as dicas para ser ter vitórias a curto e longo prazo; no momento (tão) auspicioso, no seu ápice todos esquecem que o tempo e o espaço que teve suas vitórias não se repetem para seu ouvinte e sua loa não representa mais uma realidade e sim o passado, ainda assim é mestre no tema deixando para trás os doutores e pesquisadores que têm sempre algo racional a apresentar e como proposição para entendimento não como um espetáculo; bom, mas para esses são organizados seminários e não precisam fazer um misto de humor e vitória. Isto é muito sério, preferem o ieieiê de um palestrante famoso e vitorioso. Pensou-se: precisamos aprender com o passado também! Concorda-se. Discorda-se tom homérico dado aos novos profissionais do palco e da bem aventurança que querem fazer de sua estória um novo dogma. Discorda-se dos que entendem a palestra como panacéia em seus modelos representativos de força imperiosa e de decência e boa vontade. A prova dessa farsa está na proporção do cachê do bem aventurado palestrante. 
      Para evitar uma palestra bastaria termos em mente as seguintes frases: “faça sua escolha baseado no empirismo, estude seu “porém”, siga seus objetivos e mude quando não te satisfizer mais”. Ninguém escapa disso. Escolhemos porque gostamos, avaliamos, afirmamo-nos ou não, vivemos nossas escolhas e quando não nos satisfazem mudamos os objetivos, entretanto o mercado precisa de exemplos miraculosos para salvar outras "almas do limbo e encaminhá-las ao paraíso financeiro", a vitória, ao sucesso! Fundaram a instituição do palestrante! O sabe tudo, o sujeito que resolve! O profissional da vez. Um case!  Ah está moda...
      Prefiro ir ao circo de verdade - ali também quero ser palhaço, não enganar, quero fazer sorrir sem fundar falsas esperanças. O circo é uma das verdades mais puras da vida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Sartre: o filósofo do nada e da decisão.

Entre as frases mais conhecidas de Sartre está a que diz que “o homem está condenado a ser livre”. Para este filosofo só o egoísmo nos explica. Não o egoísmo de Adam Smith, mas talvez se aproximasse do egoísmo hobesiano não houvesse uma distinção clara entre indivíduo e Estado respectivamente.
É através de uma necessidade egoísta que temos a obrigação de escolher “ou não” (que também é uma escolha, isto é, escolho não escolher). É ai que nasce sua certeza de que existe liberdade na ação do homem independente do seu tipo de escolha: se ação ou inação. Segundo seu pensamento o poder da decisão não é determinado pelas circunstâncias. Se assim fosse teríamos de imaginar que um mundo perfeito deveria existir com circunstancias estritamente agradáveis e imutáveis. Isso é impossível por ser um antimundo, um mundo da ideia, um mundo ilusório. Sua crítica existencialista o obriga a defender a inexistência do divino sobre o homem. Pensamento este que o aproxima de Feuerbach no sentido de dizer que…