Pular para o conteúdo principal

Pista 7

Vício do vício.
Há alguns anos sinto-me incomodado com uma parte de meu corpo que tendenciosamente vem transfigurando meu manequim - até então: calças 46, camisas cinco, para um indivíduo de 1,90 isso significa ser chamado vez ou outra de magrão. De três anos para cá esse termo rareou aos meus ouvidos, mas tudo bem... Já não me sinto tanto esse tal magrão.
Passei a então a frequentar uma pista de Cooper próxima de casa, tem cerca de 2 Km de extensão. No primeiro dia, se não fosse agnóstico ou epicurista (ainda não sei...) juraria ter ouvido uma voz avisar que aquela pista era infinita e se persistisse teria a sensação de conhecer o érebo, mas era só uma mensagem que, certamente, minhas pernas débeis mandara ao cérebro. Não podia parar. Era só o começo. Tinha um propósito: diminuir a pança que para mim já era em equivalência a de um  mamute.
Persisti, afinal não devem existir homens satisfeitos com tal protuberância abdominal nem mulheres aptas a admirá-los assim.
Apesar de ser algo comum, numa sociedade sedentária, os vícios esdrúxulos como dar-se à mesa de bar para se deliciar com muita cevada e conversas sesquipedais ou almoçar um sanduíche naquela rede famosa de fast food para se sentir igual ao resto de seu grupo amigos. Nada mais "é" que um ritual boçal de aceitação, ou seja, nos aceitamos a partir do momento que temos gostos parecidos e ideias concordes, em síntese: vivemos em dezenas de guetos numa sociedade mecanicista. Até ai fazer o quê?
Quem pode resistir a um bom prato e ao poder da mídia? Com seus fantoches substituem o mito antigo  "introduz-se na cabeça que pensa menos" os seus valores consumistas e garantem a permanência de uma casta na vanguarda social; qual nos trata como boçais e usa de artifícios diversos para vender seus produtos, pois a economia precisa girar... Ledo engano!
Estava começando a gostar das corridas matinais mesmo sendo apenas nos finais de semana. Via o mundo, isto é, a representação do mundo estava ali: Aquele senhor bigodudo e sambudo não me deixou dúvidas: devia ser um exímio frequentador de botecos, um cervejeiro. Aquela senhora quase obesa - estou certo - deve ser confeiteira de bolos e por fazê-los tão bem consumiu parte do que produziu sem culpa e agora percebe que exagerou. A patricinha esbelta, roupa colada, compleição magnífica, um rabo de cavalo preso ao boné e um óculos escuro; não falo de seu top, só estuda e aguarda um bom casamento, afinal rico só se apaixona por rico. Isso só me faz crer que amor nada mais é que uma convenção social, mas essa estória é para outra página, voltando a patricinha: no conjunto tenho de dizer: Uma graça! Todos valentes num mundo que agora querem negar... Um sujeito que, juro, não identifiquei (se travesti ou lésbica) também luta por sua boa forma.
A pista de Cooper é um espaço mais que democrático - nada se fala nada se ouve nada se produz em comum, mas ainda sim existe uma confraternização silenciosa. Tosca, mas existe. Apenas olhares se cruzam. Alguns desconfiados, outros soberbos ou meneados e tímidos.
Certo dia cruzei um destes olhares. Não era soberbo, só desconfiado, mas um tanto penetrante quase invasivo. Passou na velocidade da minha constância em 5 metros, creio que 2,5 SM. Ofegava como um moribundo, contudo aquele olhar, de maneira intrigante, me fez deixar de lado meu invólucro de atleta de final de semana e esbocei um verso ou uma poesia, não sei bem o que é isso, de qualquer forma a chamei de ciclo vicioso, pois não queria para de olhar.

Sol. Lua. Vênus. Você.
Brilho que incandesce meu ser.

Isso é muito forte, não nos dissemos nenhuma palavra! Pensei: O desejo é um caos e esquecer-se disso é render-se a algo que se pareça com paixão ou níveis diferentes de desejos. Mas aquele corpo já me fizera ir para a pista sem lembrar que estava ali para desfazer algo indesejável. 
Repensei!
Ora! Passamos a vida fazendo para desfazer logo depois... Casamos prontos para separar... (e tem de ser assim, ao menos essa parte) separamos prontos para casar de novo, comemos demais - logo vamos às pistas para entrar em forma, o que conquistamos ano passado já não tem tanta graça hoje.
Sempre pensei assim, vivemos um ciclo constante, quase uma paranoia social em busca de realizações e poucas verdades terão valor real em nossas vidas, entretanto aquela cintura fina sobre ancas levemente curvadas dera-me novo azo poético; ou patético? Não sei... Num embalo vicejante pensei:

Insígnia da própria beldade, olhos que singelamente rutilam,
Seu turbante atira-me genuflexo diante de ti.
Não lobrigá-la é insatisfação certeira,
Vê-la é desejo implexo, contumaz,
Vejo-me flamipotente interpretando-a numa erupção benfazeja.

Passado o assomo poético (quero dizer: patético) não fora difícil perceber que nossos reflexos, desejos, paixões, desapego, realizações, buscas etc., obedecem estritamente a que o grupo qual façamos parte valoriza, então tendemos a nos imitar em algum momento em todos os aspectos.
Aquele senhor barrigudo (imagino) fazia parte de um grupo de boêmios, a confeiteira uma dona de casa desatenta a modismos, o sujeito não identificado dado a vícios de seu oficio, por natureza ou contra ela. A patricinha de belas ancas envolvida e informada sabe que é preciso cuidar bem do corpo em qualquer idade, além de saúde cuidar das formas corporais faz bem ao ego e pode render uma série de vantagens; nada vou comentar sobre o homem grisalho que a aguardava no final da pista com seu carro de luxo e pronto para receber um beijo grego. Sobre os belos olhos que por instante me levaram para um templo que desconheço nada imagino tudo é mistério quando se deseja. Tudo é dúvida...
Em que grupo estou? Arredio a vícios sociais que visam vantagens financeiras apenas; Insulado, observador do ocaso que tal modelo de sociedade propõe ao planeta. Fugindo de entrelaçamentos que manifestem qualquer tipo de dependência. Não sei se existe esse grupo, talvez não seja humano ou crônico demais.
Aproximando-me do fim dos meus históricos 20 minutos de corrida a questão do errar para refazer voltou à mente:
Erramos para ter o que fazer depois, engordar para emagrecer? Construímos para lucrar muito! Para libertamos da opressão oprimindo? Este paradoxo nega nossa inteligência humanista e nos coloca como um animal qualquer: um animal competidor. "Por que não cuidamos para não ter tanto a que corrigir?”
A resposta me veio tão rápida quanto a questão não como resposta, mas em novas dúvidas:
"Que graça teria a vida sem o prazer riso após a verificação do erro e a prontidão do aumento deste riso na correção? Que sentido tem uma vida cercada de metodologias para tudo?"
É isso! A vida humana deve ter sido alguma experiência desastrosa de alguma entidade extraterrestre muito atrapalhado, um bufão, quem sabe? Tudo bem! Ainda assim é bom viver...
Bom... Mas vou refletir sobre isso na próxima volta.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Sartre: o filósofo do nada e da decisão.

Entre as frases mais conhecidas de Sartre está a que diz que “o homem está condenado a ser livre”. Para este filosofo só o egoísmo nos explica. Não o egoísmo de Adam Smith, mas talvez se aproximasse do egoísmo hobesiano não houvesse uma distinção clara entre indivíduo e Estado respectivamente.
É através de uma necessidade egoísta que temos a obrigação de escolher “ou não” (que também é uma escolha, isto é, escolho não escolher). É ai que nasce sua certeza de que existe liberdade na ação do homem independente do seu tipo de escolha: se ação ou inação. Segundo seu pensamento o poder da decisão não é determinado pelas circunstâncias. Se assim fosse teríamos de imaginar que um mundo perfeito deveria existir com circunstancias estritamente agradáveis e imutáveis. Isso é impossível por ser um antimundo, um mundo da ideia, um mundo ilusório. Sua crítica existencialista o obriga a defender a inexistência do divino sobre o homem. Pensamento este que o aproxima de Feuerbach no sentido de dizer que…