Pular para o conteúdo principal

Humano rococó, apesar de...


    • Não saber do fim, mas saber dos fins;
    • Buscar veleidades alheias, se próprias algo já infundido e naturalizado pela práxis;
    • Horário para: acordar, comer, ser transportado (como animal) ou, viver em filas nas ruas ocupando a cápsula particular, chegar, sair, rezar (não faço nem conheço quem faça, contudo os proselitistas estão comprando de canal de TV a petróleo), deitar: onanismo - e finalmente perde-se disso tudo num novo sono; horário para: acord...
    • Servir,   respirar fumaça dia e noite;
    • Devastar a fauna e a flora - viver em escaramuças diárias com a natureza: nosso pão;  
    • Não reconhecer o próximo como parte de nós, fingir superioridade: enganar a si;
    • Criar regras, condicionar pela persuasão e por opressão;  
    • Gerar guerras: morticínios, fome, hecatombes, sede, desolação;
    • Viver sob a usura do Estado e de um sistema prostituído justificado numa falsa eugenia;
    • Aceitar mentiras legalizadas;
    • Aguentar a loucura das religiões que juram ter o caminho da salvação (queria me salvar de seus arroubos que promovem o caos e a limitação do homem em uma figura estática, em palavras, ideias ou ideais monótonos);
    Relações carregadas de emulação. Causas venais. Ideias à outrem custam submissão.
    Apesar do frenesi tacanho da "sociedade do desejo e das realizações" multiplicamo-nos como uma colônia de bactérias sobre um planeta moribundo acreditando num além-idílico ou numa realidade impossível.

    O homem é o fim do homem.





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cabelo ao vento

Que passas... (?)
                    Ao luar;
Quais sinas... (?)
                    Hão aquietar;
Que mares... (?)
                   Há de singrar;
Dos amores!
                   Feliz, amainar;
Da sagacidade...
                   Intuspecta cor – relumar;
Do cabelo a brisa...
                   Sibilista olhar;
Por Febe semp’ terna
                   Há d' estar.


Vulnerant omnes, ultima necat

Esta inscrição (título) em Latim (como outras tantas) encerra um caráter excessivamente preciso sobre a vida ou sobre nossas ações e o modo como "não" percebemos o mundo.

Talvez possa induzir fracos pensarem que nada valha fazer porque a ordem de tudo é um fado... Mas o que pensam sobre tal frase os que não se importam com os demais?

Não percebem que caminhamos todos para um nada comum! Homicida não é somente aquele sujeito que tira a vida do outro, mas todos aqueles que impõem suas veleidades sobre os demais para vantagem pessoal.

Qual a diferença de falastrões, profetas, marqueteiros, palestrantes e políticos? Nenhuma...


Em equivalência não atentam para os ponteiros da vida e não entendem o significado dos dias em que "vulnerant omnes, ultima necat*. Que sim, algumas de suas verdades não valem um quinto do que lhe é dado. Que tantas outras que tornariam a vida de "muitos" melhor é deixada de lado... Porém cada um olha apenas para sua marcha como se fosse a mai…

Sartre: o filósofo do nada e da decisão.

Entre as frases mais conhecidas de Sartre está a que diz que “o homem está condenado a ser livre”. Para este filosofo só o egoísmo nos explica. Não o egoísmo de Adam Smith, mas talvez se aproximasse do egoísmo hobesiano não houvesse uma distinção clara entre indivíduo e Estado respectivamente.
É através de uma necessidade egoísta que temos a obrigação de escolher “ou não” (que também é uma escolha, isto é, escolho não escolher). É ai que nasce sua certeza de que existe liberdade na ação do homem independente do seu tipo de escolha: se ação ou inação. Segundo seu pensamento o poder da decisão não é determinado pelas circunstâncias. Se assim fosse teríamos de imaginar que um mundo perfeito deveria existir com circunstancias estritamente agradáveis e imutáveis. Isso é impossível por ser um antimundo, um mundo da ideia, um mundo ilusório. Sua crítica existencialista o obriga a defender a inexistência do divino sobre o homem. Pensamento este que o aproxima de Feuerbach no sentido de dizer que…